Cheong Kin Man participa em mostra em Lisboa e Berlim

O antropólogo e residente de Macau Cheong Kin Man, que vive em Berlim, é um dos autores que participa na exposição “Sensing the City – Sense of the City”, que estará patente ao público, entre 19 e 27 de Março, em Berlim no bairro Nova Colónia.

A mostra é organizada pot estudantes dos cursos de artes visuais e arquitectura da Universidade das Artes de Berlim e acontece em simultâneo em Lisboa, na Biblioteca de Marvila.

Doutorado em antropologia visual, Cheong Kin Man participa na instalação de arte intitulada “Arbeitspause”, que em alemão significa pausa no trabalho. O projecto foi desenvolvido em parceria com as artistas Marta Sala, da Polónia, Johanna Reichhart, da Alemanha e Costanza Rossi, do Chile, entre outros.

“Com esta instalação artística procuramos reconstituir o projecto de arte participativa com o mesmo título e que foi realizado no ano passado em Berlim, com o patrocínio do Senado e inserido na campanha estatal ‘Berlim contra a violência’”, contou ao HM.

Bandeira característica

Graças à iniciativa da artista Marta Sala foram ainda desenvolvidas cinco oficinas artísticas que visam uma reflexão colectiva, e cujo resultado será agora mostrado. “Numa das sessões públicas actuei num ritual de dança com uma bandeira costurada com um caracter chinês que significa ‘vazio’ e enverguei um traje experimental, ambos feitos por Marta Sala. Esse caracter, ou o ideograma na sua forma mais primitiva, representa uma pessoa a dançar num ritual”, explicou Cheong Kin Man.

Desta oficina artística nasceu um projecto de documentação fotográfica e textual, com uma bandeira, feito em parceria com Marta Sala, e que será agora exposto em Berlim e Lisboa.

Em termos gerais, a exposição visa explorar sensações individuais criadas pelas cidades e espaços urbanos, apresentando, em diferentes formatos artísticos, obras de arte, workshops e outro tipo de iniciativas com a presença do público. Em “Sensing the City – Sense of the City” vão ser apresentados trabalhos de audiovisual, escultura, ilustração ou fotografia, entre outros, da autoria de 50 criadores.

16 Mar 2022

Cultura chinesa | Antropólogo de Macau dá cursos em Berlim

Cheong Kin Man, antropólogo natural de Macau a residir em Berlim vai ministrar, até Maio, cursos que versam sobre a cultura chinesa, nomeadamente sobre o cinema e os caracteres sino-asiáticos, incluindo Macau.

Segundo um comunicado, um dos cursos intitula-se “Cinema de Língua Chinesa – Perspectivas do Extremo-Oriente” e irá focar-se “nas várias problemáticas sobre a cultura como o humor em cantonês, as cores ou a lógica do storytelling no cinema em língua chinesa”. O cinema feito em Macau terá também um lugar de destaque.

Com o curso “Caracteres Chineses – Um Workshop sobre os Signos e os Significado”, Cheong Kin Man vai procurar “relacionar as semelhanças entre os ideogramas primitivos chineses com os sinais e símbolos modernos do design no contexto europeu”.

Estas acções formativas decorrem no âmbito da formação contínua promovida pela Universidade Popular de Reinickendorf.

Além de doutorado em Antropologia pela Universidade Livre de Berlim, Cheong Kin Man é também artista e tradutor, escrevendo vários artigos sobre diversos temas culturais em várias línguas. Este é licenciado em Estudos Portugueses pela Universidade de Macau e mestre em Antropologia Visual. Com apoio financeiro do Governo, o autor produziu o filme experimental “Uma Ficção Inútil”, além de realizar um trabalho de investigação nas áreas da Etimologia, media audiovisuais, descolonização e pós-colonialismo.

14 Fev 2022

Polónia | Cheong Kin Man na Semana de Arte de Poznan 

“The Etymology of a Dream” é o nome do vídeo de Cheong Kin Man que integra a Semana de Arte de Poznan, na Polónia, que começou esta semana. O artista de Macau, actualmente radicado na Alemanha, junta-se assim a um grupo de artistas asiáticos que mostra o seu trabalho dentro do projecto “Life dimension in art”. O objectivo é revelar “as reflexões dos artistas da Ásia sobre a pandemia do novo coronavirus”. O vídeo de Cheong Kin Man constitui, assim, “uma metáfora da mentalidade”, onde se “desconstroem algumas imagens de intimidade para deixá-las depois serem reconstruídas tal como foram num sonho”.

“The Etymology of a Dream” não é mais do que uma tentativa de recordar a vida como era no período pré-pandemia e como somos hoje enquanto seres humanos. “Ainda se lembram de onde estavam no Ano Novo Chinês de 2020? Onde estavam no regresso do Ano Novo Lunar? Uma reunião familiar, ou bebendo e rindo com amigos? Lembram-se de onde estavam? Nova Iorque, Munique, Banguecoque (…) Quando a memória retrocede, o tempo passou depressa e parece um sonho que tivemos na noite passado”, descreve uma nota de imprensa.

A Cheong Kin Man juntam-se artistas como os Group Y2K, de Taiwan, Vermont Coronel Jr. das Filipinas, Yuree Kensaku, da Tailândia, Duyi Han, da China / Nova Iorque, KHAIRULLAH RAHIM, de Singapura, e Cowper Wang, de Taiwan.

29 Out 2020

Polónia | Cheong Kin Man na Semana de Arte de Poznan 

“The Etymology of a Dream” é o nome do vídeo de Cheong Kin Man que integra a Semana de Arte de Poznan, na Polónia, que começou esta semana. O artista de Macau, actualmente radicado na Alemanha, junta-se assim a um grupo de artistas asiáticos que mostra o seu trabalho dentro do projecto “Life dimension in art”. O objectivo é revelar “as reflexões dos artistas da Ásia sobre a pandemia do novo coronavirus”. O vídeo de Cheong Kin Man constitui, assim, “uma metáfora da mentalidade”, onde se “desconstroem algumas imagens de intimidade para deixá-las depois serem reconstruídas tal como foram num sonho”.

“The Etymology of a Dream” não é mais do que uma tentativa de recordar a vida como era no período pré-pandemia e como somos hoje enquanto seres humanos. “Ainda se lembram de onde estavam no Ano Novo Chinês de 2020? Onde estavam no regresso do Ano Novo Lunar? Uma reunião familiar, ou bebendo e rindo com amigos? Lembram-se de onde estavam? Nova Iorque, Munique, Banguecoque (…) Quando a memória retrocede, o tempo passou depressa e parece um sonho que tivemos na noite passado”, descreve uma nota de imprensa.

A Cheong Kin Man juntam-se artistas como os Group Y2K, de Taiwan, Vermont Coronel Jr. das Filipinas, Yuree Kensaku, da Tailândia, Duyi Han, da China / Nova Iorque, KHAIRULLAH RAHIM, de Singapura, e Cowper Wang, de Taiwan.

29 Out 2020

Três curtas-metragens de Macau exibidas amanhã no Porto

Três curtas-metragens com a assinatura de Tracy Choi, Nancy Io e Emily Chan fazem parte da iniciativa “Femme Sessions”, que decorre esta quarta-feira no espaço Maus Hábitos, no Porto. O curador é Cheong Kin Man, que considera o trio de realizadoras os nomes mais importantes do cinema que se faz actualmente no território

 

O cinema de Macau vai estar em destaque esta quarta-feira na cidade do Porto, graças à iniciativa do espaço Maus Hábitos. O evento “Femme Sessions” vai contar com a exibição de três curtas-metragens da autoria de Tracy Choi, Emily Chan e Nancy Io, numa iniciativa que conta com a curadoria de Cheong Kin Man, natural de Macau e estudante de doutoramento na Universidade Livre de Berlim.

Uma nota do espaço Maus Hábitos dá conta que “uma das maiores preocupações das cineastas macaenses pós-coloniais é maximizar a criatividade numa sociedade caracterizada pela auto-censura”. Nesse sentido, serão exibidos “três exemplos pertinentes que merecem atenção neste sentido”.

É o caso de “Um Amigo Meu”, realizada por Tracy Choi em 2013, um dos primeiros filmes LGBT de Macau. A história centra-se na bem-comportada Sin que testemunha uma situação de bullying na sua nova escola e ousa não expô-la. Vendo a vítima, Tong, a ser sempre tratada de maneira injusta, oferece-se para ajudar.

Gradualmente, a amizade entre as duas cresce, no entanto, Sin tem medo de se envolver nos problemas de Tong. Desde então, tenta manter distância de Tong e ignora todo o bullying que testemunhou. É então que Sin mergulha num dilema moral.

Tracy Choi é descrita pelos organizadores do evento como uma “brava cineasta que ganhou uma impressão positiva no público transregional”. Ao HM, a aclamada realizadora mostrou-se satisfeita por poder mostrar o seu trabalho na cidade do Porto. “Penso que é uma grande oportunidade para mostrarmos alguns filmes de Macau. É um prazer podermos mostrar estas curtas-metragens ao público.”

Além da curta-metragem de Tracy Choi, os amantes de cinema do Porto poderão também ver “Projecto Miúdos”, realizado em 2016 por Nancy Io, e que conta a vivência de crianças num jardim de infância.

Destaque também para “Até ao fim do mundo”, realizado o ano passado por Emily Chan, e que se centra na possibilidade de 2012 ser o ano em que o mundo acaba. A personagem Zoe decide deixar Macau, mas, antes de partir, encontra um rapaz de quem gosta e decide caminhar com ele uma última vez. As curtas-metragens de Macau voltam a ser exibidas na sexta-feira, desta vez em Aveiro.

Os bons exemplos

Ao HM, o curador da iniciativa explicou que escolheu estas três curtas-metragens por se tratar de um trio realizadoras de Macau “que são as mais importantes no presente”. “São cineastas reconhecidas a nível local e regional. Valorizo os méritos da Tracy [Choi] pelo sucesso obtido ao abordar as questões da comunidade LGBT no seu trabalho, numa sociedade que parece não estar ainda muito habituada ao tema. A Tracy consegue falar do ‘problema’ com a subtileza necessária numa realidade como a de Macau”, explicou Cheong Kin Man.

Quanto a Nancy Io, “é a única das três realizadoras que começou a ter sucesso antes de estudar cinema”. Neste sentido, “é um exemplo de coragem para muitas pessoas de Macau que começam a filmar sem formação académica”.

Cheong Kin Man denota que o cinema local tem sido mostrado em Portugal nos últimos anos, tendo dado como exemplo a apresentação, na Cinemateca Portuguesa, nos anos 90, de vários filmes em que Macau é retratada.

“É evidente que o esforço dos cineastas locais e do Governo da RAEM têm gerado frutos aos quais Portugal começa a dar atenção. Mas temos de ser mais ambiciosos, porque [o cinema] de Macau permanece ainda pouco conhecido no resto da Europa”, frisou.

Além desta mostra de cinema no Porto, Cheong Kin Man apresenta na Conferência Internacional de Cinema – Arte, Tecnologia, Comunicação (AVANCA – CINEMA 2020), em Aveiro, os textos académicos “O papel dos média culturais ‘subalternes’ nos povos ‘indígenas’ do mundo de língua chinesa: análise semântica, temas e traduções” e “Uma identidade reinterpretada: Notas sobre um antigo documentário e antigas pesquisas em redor da identidade macaense”.

Segundo o autor, os textos “lançam a reflexão sobre o conceito de eurocentrismo, ao mesmo tempo que procuram valorizar Macau enquanto objecto pertinente para a investigação pós-colonial”.

21 Jul 2020