Festival | Arte Macau atraiu 16 milhões de visitantes

A primeira edição do Arte Macau, um mega festival lançado em Maio pelo Governo e as operadoras de jogo no território, atraiu em seis meses cerca de 16 milhões de visitantes, anunciaram ontem as autoridades.

Na cerimónia de encerramento, o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, declarou que os números “superaram as expectativas” e garantiu o regresso do evento em 2020.

Entre Maio e Outubro, o festival “atraiu cerca de 16 milhões de visitantes em 41 actividades”, indicou o governante, sublinhando que esta “nova experiência urbana” criou “uma nova direcção de desenvolvimento para o turismo cultural da cidade”.

Orçado em 3,8 milhões de euros, um valor que foi “totalmente assegurado pelas operadoras”, o certame incluiu exposições, instalações artísticas e espetáculos de música, dança e teatro.

Na sua intervenção, Alexis Tam reiterou o objectivo do Governo em transformar o festival “numa marca cultural e artística”.

O objectivo do certame passa por transformar ‘resorts’ integrados, consulados (entre os quais o de Portugal) e alguns espaços públicos em “galerias” de arte, juntando mostras de arte de artistas ocidentais e chineses.

Um dos destaques da programação foi a 2.ª Exposição Anual de Artes entre a China e os países de língua portuguesa, para a qual foram convidados a expor artistas chineses, macaenses e portugueses em vários locais da cidade.

11 Out 2019

Festival | Arte Macau atraiu 16 milhões de visitantes

A primeira edição do Arte Macau, um mega festival lançado em Maio pelo Governo e as operadoras de jogo no território, atraiu em seis meses cerca de 16 milhões de visitantes, anunciaram ontem as autoridades.
Na cerimónia de encerramento, o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, declarou que os números “superaram as expectativas” e garantiu o regresso do evento em 2020.
Entre Maio e Outubro, o festival “atraiu cerca de 16 milhões de visitantes em 41 actividades”, indicou o governante, sublinhando que esta “nova experiência urbana” criou “uma nova direcção de desenvolvimento para o turismo cultural da cidade”.
Orçado em 3,8 milhões de euros, um valor que foi “totalmente assegurado pelas operadoras”, o certame incluiu exposições, instalações artísticas e espetáculos de música, dança e teatro.
Na sua intervenção, Alexis Tam reiterou o objectivo do Governo em transformar o festival “numa marca cultural e artística”.
O objectivo do certame passa por transformar ‘resorts’ integrados, consulados (entre os quais o de Portugal) e alguns espaços públicos em “galerias” de arte, juntando mostras de arte de artistas ocidentais e chineses.
Um dos destaques da programação foi a 2.ª Exposição Anual de Artes entre a China e os países de língua portuguesa, para a qual foram convidados a expor artistas chineses, macaenses e portugueses em vários locais da cidade.

11 Out 2019

DSEJ | Investidos 39 milhões na Arte Macau

A Direcção de Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) gastou 39 milhões de patacas com os Festivais Internacionais de Música, Dança e de Teatro, que fizeram parte do evento Arte Macau. Os números foram apresentados ontem por Luís Gomes, Chefe da Divisão de Desporto Escolar e Ocupação de Temos Livres da DSEJ, e o orçamento está de acordo com o que tinha sido delineado. No que diz respeito ao evento de dança, o orçamento foi de 14 milhões. Já para o evento de música houve um investimento de 16 milhões e para o teatro 9 milhões de patacas.

Este foi um investimento avaliado de forma positiva por 95 por cento das 800 pessoas inquiridas durante os eventos. “Os inquiridos concordaram que estas actividades aumentam a integração dos jovens nas actividades artísticas e que permite um intercâmbio internacional, o que foi valorizado, uma vez que actualmente Macau ainda não participa muito em actividades artísticas a nível mundial”, explicou Luís Gomes, ontem, após uma reunião plenário do Conselho da Juventude. As actividades contaram com mais de 900 jovens de 28 países ou regiões. O número de espectadores atingiu os 27 mil.

Na mesma reunião, voltou a ser discutida a revisão do Ensino Técnico-Profissional. De acordo com a informação apresentada, o novo diploma deve entrar na Assembleia Legislativa até ao final do ano, para depois ser discutido e aprovado pelos deputados. Este é um procedimento que sucede a uma consulta pública feita durante 45 dias e cujos resultados já foram divulgados.

Actualmente existem em Macau 35 cursos profissionais que envolvem 1.200 alunos. A DSEJ definiu ainda como objectivo acabar com eventuais preconceitos contra este tipo de ensino e quer transmitir a imagem que estes cursos também permitem entrar no Ensino Superior.

18 Set 2019

DSEJ | Investidos 39 milhões na Arte Macau

A Direcção de Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) gastou 39 milhões de patacas com os Festivais Internacionais de Música, Dança e de Teatro, que fizeram parte do evento Arte Macau. Os números foram apresentados ontem por Luís Gomes, Chefe da Divisão de Desporto Escolar e Ocupação de Temos Livres da DSEJ, e o orçamento está de acordo com o que tinha sido delineado. No que diz respeito ao evento de dança, o orçamento foi de 14 milhões. Já para o evento de música houve um investimento de 16 milhões e para o teatro 9 milhões de patacas.
Este foi um investimento avaliado de forma positiva por 95 por cento das 800 pessoas inquiridas durante os eventos. “Os inquiridos concordaram que estas actividades aumentam a integração dos jovens nas actividades artísticas e que permite um intercâmbio internacional, o que foi valorizado, uma vez que actualmente Macau ainda não participa muito em actividades artísticas a nível mundial”, explicou Luís Gomes, ontem, após uma reunião plenário do Conselho da Juventude. As actividades contaram com mais de 900 jovens de 28 países ou regiões. O número de espectadores atingiu os 27 mil.
Na mesma reunião, voltou a ser discutida a revisão do Ensino Técnico-Profissional. De acordo com a informação apresentada, o novo diploma deve entrar na Assembleia Legislativa até ao final do ano, para depois ser discutido e aprovado pelos deputados. Este é um procedimento que sucede a uma consulta pública feita durante 45 dias e cujos resultados já foram divulgados.
Actualmente existem em Macau 35 cursos profissionais que envolvem 1.200 alunos. A DSEJ definiu ainda como objectivo acabar com eventuais preconceitos contra este tipo de ensino e quer transmitir a imagem que estes cursos também permitem entrar no Ensino Superior.

18 Set 2019

“Arte Macau” vai ter eventos ao longo do Verão

A inauguração está marcada para o dia 6 de Junho, mas já arrancaram pré-eventos pela cidade que podem ser vistos pelo público em diversos locais. Até Outubro, a cultura vai estar nos museus, nas ruas, nos hotéis, para atrair residentes e turistas.

“Arte Macau” é o nome do festival internacional de artes e cultura, que atravessa o Verão de Junho a Outubro, com uma série de eventos que incluem várias exposições, espectáculos, festivais internacionais juvenis e mostras de instituições do ensino superior.

Este encontro de artes tem uma dimensão sem precedentes, que se propõe colocar Macau na rota do turismo cultural, contando para isso com o apoio da indústria de hotelaria e de entretenimento do território, refere a nota de imprensa do Instituto Cultural (IC), co-organizador a par da Direcção dos Serviços do Turismo (DST).

No âmbito desta iniciativa, a inaugurar no dia 6 de Junho, também abre as portas a exposição “Arte Macau: Exposição Internacional de Arte”, no Museu de Arte de Macau (MAC) que é o principal local de encontro para o conjunto de eventos. A mostra reúne “um conjunto de obras valiosas de várias operadoras de estâncias turísticas e empresas hoteleiras, incluindo obras de pintura, cerâmica, escultura, instalações interactivas e multimédia, evidenciando, de forma diversificada, o fascínio das artes visuais contemporâneas”.

E há mais

A par desta exposição haverá eventos artísticos, espectáculos e outras mostras patentes em unidades hoteleiras e espaços de diversão, bem como instalações de arte ao ar livre ou noutros pontos de interesse na cidade, reunindo obras de arte antigas e contemporâneas de artistas chineses e estrangeiros. O destaque vai também para a temporada de concertos da Orquestra de Macau e da Orquestra Chinesa de Macau, o Festival Juvenil Internacional de Dança, o Festival Juvenil Internacional de Música, o Festival Juvenil Internacional de Teatro e outras actividades.

Ao todo, estão previstos 31 programas, incluindo 18 exposições e 10 espectáculos de grande dimensão, os quais terão lugar em 33 locais por toda a cidade. Entretanto, estrearam já em Abril exposições, a título de pré-evento, como os “Desenhos da Renascença Italiana do British Museum”, a “Beleza na Nova Era – Obras-primas da Colecção do Museu Nacional de Arte da China”, ou “Reminiscências da Rota da Seda – Exposição de Relíquias Culturais da Dinastia Xia do Oeste”, no MAM.

Sob o patrocínio da Secretaria para os Assuntos Sociais e Cultura, a iniciativa “Arte Macau” conta ainda com a colaboração da Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) e da Direcção dos Serviços do Ensino Superior (DSES).

3 Mai 2019

“Arte Macau” arranca com duas exposições a 12 de Abril

Éjá em Abril que serão inauguradas duas exposições incluídas na iniciativa “Arte Macau”, e que terão o Renascimento em Itália, a implantação da República Popular da China e a transferência de soberania de Macau como pano de fundo.

A exposição “Desenhos da Renascença Italiana do British Museum” estará patente entre 12 de Abril e 30 de Junho e irá apresentar 52 desenhos originais de 42 mestres da Renascença italiana, como Mantegna, Correggio, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Titian, Raphael e Rosso Fiorentino, e explora a importância do desenho no processo criativo dos artistas entre 1470 e 1580.

Este ano assinala-se o 500.º aniversário da morte de Leonardo da Vinci e a exposição inaugura em Abril que coincide com o aniversário do nascimento do grande mestre renascentista (15 de Abril de 1452). Além disso, e pela primeira vez em Macau, a exposição proporcionará uma experiência táctil aos espectadores com deficiências visuais através da impressão 3D e tecnologia relevante, promovendo uma experiência cultural universal.

A política chinesa merece destaque com a exposição “Beleza na Nova Era”, que marca não só os 70 anos da RPC como os 20 anos do regresso de Macau à China.

Esta mostra estará patente entre os dias 4 de Maio e 28 de Julho, tendo sido seleccionadas cerca de 90 obras a partir do acervo do Museu Nacional de Arte da China. Será mostrado o trabalho de mestres modernos e contemporâneos como Qi Baishi, Zhang Daqian, Xu Beihong, Liu Haisu, Lin Fengmian, Fu Baoshi e Li Keran, entre outros, permitindo uma visão abrangente do desenvolvimento da arte chinesa nos últimos cem anos.

Evento transversal

A iniciativa “Arte Macau” irá decorrer durante cinco meses, entre Junho e Outubro, e conta com a participação de operadoras de estâncias turísticas, hotéis integrados e consulados estrangeiros que são convidados a acolher exposições de arte simultaneamente.

O objectivo deste evento, afirma o Instituto Cultural, é “criar uma atmosfera cultural por toda a cidade e transformá-la numa galeria de arte, espalhando um irresistível ambiente artístico em todos os seus cantos”. O principal local de exposições será o Museu de Arte de Macau, podendo decorrer eventos noutros locais.

“Arte Macau” também pretende levar ao público “concertos de grande escala” protagonizados pela Orquestra de Macau e pela Orquestra Chinesa de Macau, além de estar prevista a realização da Exposição de Artes Visuais das Instituições do Ensino Superior de Macau, do Festival Juvenil Internacional de Música, do Festival Juvenil Internacional de Dança e o Festival Juvenil Internacional de Teatro.

O objectivo destas iniciativas é o de “tornar a cidade numa plataforma de intercâmbio cultural e artístico de nível mundial e de partilhar com longo e memorável Verão artístico com todos os residentes e turistas”.

25 Mar 2019