Take-away | Associações pedem supervisão a plataformas online

A Aliança do Povo de Instituição de Macau e uma associação ligada ao sector da restauração pediram ao Governo legislação para regular as plataformas online de venda de comidas e bebidas para fora.

A Associação de Qualidade Verde Marca, assim como o braço associativo ligado à comunidade de Fujian, considera que as comissões cobradas pelas plataformas online são demasiado elevadas e pouco transparentes, deixando os empresários da restauração sem saber que serviços ou despesas estão a pagar.

Segundo o jornal do Cidadão, o presidente da Associação de Qualidade Verde Marca, Aeson Lei, refere que a falta de escolha entre plataformas online e o domínio que têm no mercado fragiliza a posição das pequenas e médias empresas, que ficam num estado de passividade, aceitando todas as condições impostas por empresas como a MFood e Aomi. Como tal, o dirigente entende que o Governo deve reforçar a supervisão e criar mecanismos anti-monopólio para garantir relações saudáveis e estáveis entre restaurantes e as plataformas. Aeson Lei acha essencial para o tecido empresarial que os âmbitos das comissões sejam enquadrados legalmente, com transparência que permita aos comerciantes perceber a composição e cálculo das comissões.

Por seu turno, a vice-presidente da Aliança do Povo de Instituição de Macau, Chan Peng Peng, defende a criação de leis que obriguem as plataformas de take-away a pagar mais rapidamente aos restaurantes.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários