Variante XBB | Transmissão é “relativamente baixa” em Macau

Foram detectadas em Macau várias estirpes mutantes do tipo XBB da variante Ómicron. Os Serviços de Saúde disseram ao HM que “o nível actual de transmissão de covid-19 em Macau ainda é relativamente baixo”. Face ao previsível enfraquecimento imunológico, as autoridades estão a reforçar a reserva de medicamentos antivirais. Alvis Lo revela que foram detectados 10 casos, mas diz que não é motivo para alarme

 

Foram identificados em Macau vários subgéneros do tipo XBB da variante da Ómicron. “Actualmente, as estirpes mutantes detectadas em Macau são semelhantes às das regiões vizinhas, incluindo as diversas estirpes mutantes do tipo XBB, tais como XBB.1.5, XBB.1.9, etc., bem como a XBB.1.16, que foi recentemente incluída na lista de monitorização pela Organização Mundial de Saúde” (OMS), relevaram ao HM os Serviços de Saúde (SS).

Os serviços liderados por Alvis Lo acrescentam que “o nível actual de transmissão de covid-19 em Macau ainda é relativamente baixo”, devido à “imunidade adquirida pela população de Macau após a administração da vacina bivalente e a infecção durante o mês de Dezembro do ano passado”, que resultou “numa certa imunidade contra esta estirpe mutante”.

Na semana passada, as autoridades de Hong Kong anunciaram a descoberta de “sete casos da subvariante da Ómicron altamente infecciosa que tem feito soar alarmes no estrangeiro”, de acordo com os média da região vizinha.

O Departamento de Saúde da RAEHK vincou que os casos locais de infecção não são motivo de sobressalto.
Sem surpresas, também no Interior da China foram detectadas infecções com estirpes mutantes do tipo XBB, em particular a XBB.1.16 que foi declarada pela OMS, no dia 22 de Março, como uma nova variante a monitorizar.

Defesa em linha

Sem especificar números de infectados, os SS garantiram ao HM que têm monitorizado “de forma contínua o tipo de estirpes mutantes de covid-19 em Macau”, e que “os dados mostram que a fuga imunológica da estirpe mutante XBB.1.16 é um pouco maior do que as outras estirpes da variante Ómicron, mas não há diferenças quanto à capacidade patogénica”. Ou seja, a XBB.1.16 consegue iludir mais facilmente as defesas imunológicas, mantendo baixo risco de complicações severas das anteriores estirpes da variante Ómicron.

Porém, cerca de oito horas depois da resposta enviada ao HM, o director dos SS detalhou a informação ao jornal Ou Mun e à TDM, revelando que dos testes laboratoriais recolhidos na sequência de doenças respiratórias, 0,5 a 0,8 por cento acusam infecção de covid-19. Destes, 10 são da estirpe XBB.1.16. Ainda assim, Alvis Lo salientou que esta estirpe representa baixas probabilidades de causar doenças severas e apelou à população para não se preocupar demasiado. Isto, no dia em que o Governo voltou a anunciar a necessidade de apresentar testes à covid-19 para quem entra através de Macau no Interior da China, e tenha estado antes em Taiwan ou no estrangeiro.

Paletes de medicamentos

Apesar de a população de Macau ainda gozar de relativa imunidade, “com o passar do tempo, esta vai enfraquecendo”. Tendo esse facto em consideração, os SS vão “monitorizar a situação epidemiológica do vírus e preparar-se bem para a resposta, incluindo a reserva de medicamentos antivirais”.

Também neste ponto, Alvis Lo detalhava ao Ou Mun e à TDM a parca informação que havia sido prestada ao HM apenas oito horas antes. O director dos SS referiu que a RAEM tem um stock de medicação contra a covid-19 em quantidades suficientes, prazo de validade até 18 meses, para medicar mais de 20 mil pacientes.

Além disso, os SS indicaram ao HM que tanto “a vacina monovalente inactivada da estirpe original [Sinopharm] como a vacina monovalente de mRNA da estirpe original têm um efeito preventivo muito baixo contra a variante Ómicron XBB”. Como tal, as autoridades apelam à inoculação com a vacina bivalente de mRNA.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários