As férias não são para todos

DR

Nos meses de Agosto parece que Portugal para. Não é verdade. Muita gente vai de férias. A maioria representa a classe dos funcionários públicos. Uma outra grande parte são os proprietários de empresas, hotéis e restaurantes. Alguns até se podem dar ao luxo de encerrar o estabelecimento por um mês. O Algarve é o principal destino. As férias são sempre merecidas e todo o cidadão devia ter direito a férias. E os pobres? Pois é, aí é que está o busílis.

Os pobres limitam-se a ver na barraca ou na casa da edilidade onde residem a ver na televisão aqueles programas pimbas que fazem autênticas lavagens ao cérebro dos menos cultos. Os pobres falam sobre as férias, não tenham dúvidas, e na maior parte das conversas é no estilo “ai, se eu pudesse gostava tanto de conhecer a Espanha”.

Contentam-se com pouco. Nem sabem onde é Punta Cana, Maldivas ou Bali. Nem pensar. O que os pobres sabem é que a inflação está a caminho dos 10 por cento e quando vão ao mercado só veem os produtos básicos cada vez mais caros. Um vizinho meu deixou-me perplexo quando me disse que não tinha férias há 23 anos. Eu, não devendo meter-me na sua vida ainda lhe perguntei como era isso possível se ele pertencia à chamada classe média? Respondeu-me que sustentar a casa, ajudar três filhos e apoiar os custos com os netos, que o seu pecúlio mensal era chapa ganha chapa gasta. Compreendi perfeitamente e fiquei a pensar em quantos milhares de portugueses estarão na mesma situação. Sei de muita gente que não pode gozar férias, nem um fim de semana numa praia ou num hotel de três estrelas.

As férias, infelizmente, não são para todos. Mas há uma confusão na mente de muita gente. Durante o ano todos se queixam que o governo é uma merda, que a vida está cara, que não podem comprar isto, aquilo e aqueloutro. É um queixume generalizado e em alguns casos até solicitam subsídios governamentais alegando que vivem em dificuldades. Mas, depois chega o Agosto e aí vão eles: o carro cheio de sacos, sacolas e todos os utensílios para a praia, aí vão eles para o sul ou para o norte, para uma boa casa que alugaram no Algarve ou para um empreendimento de turismo rural em plena região do Douro. Só em combustível e portagens é uma fortuna, pagamento do alojamento, alimentação, gelados todos os dias para a miudagem, toda uma enorme despesa que dá que pensar como é que aqueles que passaram o ano a queixar-se da vida, em Agosto a vida muda completamente e as estrelas deixaram cair-lhes em cima uma quantidade de euros.

As férias têm muito que se lhe diga. Há locais no mundo em que os povos, africanos, por exemplo, nem sabem o que é isso de férias e em outros locais como Macau os habitantes estão confinados com medidas absurdas em plena clausura, sem poderem divertir-se uma semana na Tailândia. As férias são o descanso do corpo e da mente, apesar de existirem muitas famílias em que os pais trabalham mais que nos outros meses do ano. O pai vai com os miúdos para a praia e a mãe fica em casa para ir às compras, tratar do almoço e do jantar, lavar e estender a roupa e limpar o apartamento. Que raio de férias, mas é a realidade. Em contrapartida temos os portugueses que sabem gozar as suas férias porque têm a satisfação de gastar o muito dinheiro que possuem por qualquer razão. Pessoas ricas, milionárias e corruptos há em todo o mundo. O dinheiro para essa gente não é problema e podem gozar umas boas férias onde quiserem e lhes apetecerem. Alguns fazem-se transportar de avião privado ou de iate luxuoso. Os resorts de luxo estão esgotados de famílias ricas. É a vida. É o que acontece em qualquer sociedade. Há ricos e pobres, mas os pobres estão tristemente em grande maioria.

A propósito de férias, referir que no Algarve tudo ultrapassa os limites: pelas casas para alugar é pedido um preço exageradíssimo a demonstrar o oportunismo dos proprietários dos imóveis, ao aeroporto de Faro chegam diariamente centenas de estrangeiros que logo invadem as ruas de Albufeira para se embebedarem e aproveitarem o conhecimento com alguma algarvia que lhes dê trela, os restaurantes queixam-se que não têm pessoal para trabalhar, os hotéis pagam uma miséria às africanas que limpam os quartos e os corredores e até um passeio de barco é mais caro que um bom repasto no hotel Sheraton, em Lisboa. O Algarve fica insuportável e no areal quase que não existe lugar para estender a toalha. Os restaurantes e bares aproveitam para quase duplicar os preços e com tantos milhares de forasteiros apenas existem os hospitais de Portimão e de Faro que estão a rebentar pelas costuras e com alguns serviços de urgência ou de obstetrícia encerrados. Para os que podem gozar férias, que o façam, que descansem, que gozem a vida. Para aqueles que têm de ficar sentados numa esplanada de café dizer-lhes que não nasceram com o cu virado para a lua…

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários