AMCM | Investimentos de residentes no estrangeiro aumentam

Tiago Alcântara

Dados da Autoridade Monetária e Cambial de Macau (AMCM) revelam que os investimentos de residentes em títulos emitidos por entidades independentes estrangeiras têm aumentado gradualmente desde o primeiro ano da pandemia.

A 31 de Dezembro de 2021 os investimentos dos residentes foram de 1.098,1 mil milhões de patacas, mais 1,9 por cento face a 30 de Junho desse ano, enquanto que esse valor representou mais 7,2 por cento face ao final do ano de 2020.

Os investimentos que obtiveram um aumento maior, na ordem dos 12,4 por cento, foram os investimentos em títulos representativos de capital, incluindo fundos mútuos e investimentos em trusts, no valor total de 389,2 mil milhões de patacas em finais de 2020.

A Ásia surge em primeiro lugar nas escolhas dos residentes para investir, representando 54,3 por cento, seguindo-se as zonas do Atlântico Norte e Caraíbas, com 16,2 por cento. O investimento nos títulos emitidos por entidades no Interior da China (incluindo títulos listados em bolsas no exterior) continuou a ser predominante, representando 36,3 por cento da carteira de investimentos externos aplicados pelos residentes de Macau.

Entretanto, a quota da carteira de investimentos emitidos por Hong Kong diminuiu de 13,6 para 12,2%, tendo diminuído 3,6 por cento o valor de mercado (134,1 mil milhões de patacas). Quanto aos títulos emitidos por países integrantes do projecto “Uma Faixa, Uma Rota”, excluindo a China, detidos por residentes, registaram um aumento do calor de mercado em 19 por cento face a finais de 2020, valendo 93,6 mil milhões de patacas. Estes títulos representam 8,5 por cento do total da carteira de investimentos de residentes no exterior.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários