Covid-19 | Autoridades desaconselham viagens à China

Com a ameaça da variante Delta à porta, os Serviços de Saúde pediram aos cidadãos para evitar viagens ao Interior da China. A partir de hoje, quem apresentar sinais de febre e queira tomar a vacina pode realizar gratuitamente um teste de ácido nucleico. Possibilidade de aumentar dias de quarentena para quem chega da China não foi descartada

 

Com a variante Delta a alastrar-se por várias cidades e províncias do Interior da China, os Serviços de Saúde apelaram ontem à população para evitar deslocações ao território. Isto, numa altura em que a taxa de vacinação continua longe do ideal.
“Apelamos aos cidadãos que evitem deslocações a cidades e províncias do Interior da China. Se tiverem necessidade de ir, devem ponderar bem a situação epidemiológica [dessas regiões]”, apontou Tai Wa Hou, médico-adjunto da direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário, por ocasião da habitual conferência de imprensa sobre a covid-19.
“O teor da cadeia mutante deste vírus [Delta] é muito rápido, tem uma alta capacidade de transmissão e leva mais tempo até acusar negativo. Estamos no Verão, há mais calor e a concentração de pessoas em pontos turísticos é maior. Este surto começou no aeroporto [de Nanjing] e está a espalhar-se por todas as províncias da China. A curto prazo, prevemos que o surto se alastre a outras regiões”, acrescentou.
Dada a situação, Tai Wa Hou anunciou que a partir das 9h00 de hoje passam a ser disponibilizados testes de ácido nucleico gratuitos para os interessados em tomar a vacina que apresentem sintomas de febre. O resultado, que não serve para cruzar fronteiras, poderá ser consultado numa nova secção do código de saúde .
“Vamos aumentar os testes de despistagem às pessoas que apresentem febre e, por isso, vamos adicionar uma funcionalidade ao código de saúde para aqueles que apresentem o código amarelo ou sintomas de febre. Essas pessoas que tiverem marcação [para tomar a vacina] podem fazer o teste de ácido nucleico a título gratuito no hospital, no terminal do Pac On ou no Fórum. Os resultados não serão apresentados no código de saúde e não podem ser usados para efeitos de passagem fronteiriça”, vincou o responsável.

Perigo a aumentar

Durante a conferência de imprensa, a médica Leong Iek Hou frisou que a variante Delta oferece ainda muitas incertezas aos profissionais de saúde e que, por isso, a somar ao facto de “apresentar períodos de incubação mais curtos e sintomas mais cedo”, os Serviços de Saúde não descartam aumentar o número de dias das quarentenas para quem chega do Interior da China.
Questionado sobre a implementação de incentivos à vacinação e a possibilidade de vir a obrigar funcionários públicos a ser inoculados, Tai Wa Hou referiu que “não há necessidade” de tomar novas medidas, mas que é preciso “aumentar a sensibilização” sobre a segurança e a importância das vacinas.
“Se a população for vacinada depois de a variante Delta chegar a Macau, pode ser tarde de mais. Espero que as pessoas fiquem em Macau e possam tomar a vacina o mais rápido possível”, referiu.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários