Stefan Zweig

«Suavemente paira o decorrer das horas sobre os cabelos já grisalhos
Pois que só ao esgotar da taça se torna bem nítido o seu fundo dourado…..»

 

Pequeno excerto de um dos últimos poemas de Stefan Zweig um escritor maior que o seu tempo de vida, maior que todas as fugas, e surpreendente, ao terminar os seus dias tal como entrou, pela poesia: o seu primeiro livro “Silbert Saiton” relembra-nos isso. Mas são as suas memoráveis biografias no chamado Romance Histórico onde mais se evidenciou, nunca esquecendo o novelista, o contista, o ensaísta, num ritmo de trabalho constante e fecundo. Stefan foi um homem multicultural, judeu austríaco que se fora diluindo por países onde em crescendo e proporcionalmente também se ia torturando pelo destino das suas gentes. Nasceu em Viena em 1881, ainda capital do antigo Império Austro-Húngaro e muito cedo inicia a sua acção literária num jornal sionista vienense e em 1917 escreve então aquela que será a sua obra mais pungente «Jeremias», poema dramático, peça de teatro, num mergulhar até raízes profundas quando ele mesmo se via já braços com o seu próprio destino. É o começo do seu êxito literário.

Mas este autor de biografias escreve a sua própria realidade de vida numa obra densa e de rara qualidade em «O Mundo de Ontem» autobiografasse por assim dizer, mas é bem mais do que isso, ele fala-nos sobretudo de um mundo anterior a 1914 e prossegue até aos anos quarenta enunciando os perigos de um tempo entre duas guerras e refletindo na facilidade que os regimes possuem de gerar monstros. Por isso, tem a matéria justa que serve de reflexão ao tempo presente e se foi de ontem em muitas formas de abordagem bem que podia ser de agora. Enquanto ensaio autobiográfico é de uma riqueza imensa resultado da sua memorável capacidade de limpidez de raciocínio e daquele encanto intraduzível… mas é sobretudo o seu desfiar de situações e inquietações que se formulam em interrogações a este humanista, pacifista, herdeiro dos medos, que ele ganha o contorno urgente de uma releitura.

Zweig fora bibliotecário durante a guerra numa repartição de informações militares em 1915, já depois de ter visitado a Índia e a América onde assistiu à abertura do canal do Panamá. Porém, a sua ida à Polónia numa missão, deve-o ter deixado chocado – soldados do Czar e judeus polacos – tanto, que a peça inaugural onde convergem todos os seus horrores, morte, destruição, fá-lo mergulhar nas ruínas de Jerusalém e no desaparecimento do reino de Samaria – paralelismo traumático – e só quando em 1933 Hitler é nomeado chanceler a sua fuga da Europa se prepara. Naturaliza-se inglês, segue de novo para os Estados Unidos e vai para o Brasil, ele que escrevera já sobre Fernando de Magalhães numa das suas célebres biografias e apaixonado pelo país acrescenta ainda «Brasil, um País do Futuro» crendo mesmo, nós que daqui o contemplamos, que nunca se sentira tão bem e jamais tivera amor tão grande por outras terras. Tanto que este viajante por destino na sua última viagem arrebata juntamente com a carta de despedida uma iluminura com a estância 106 do Canto I de “Os Lusíadas”.

E mesmo este seu amor não o sossegou. Ele, que tinha saudades da sua língua, que impaciente e com o espectro da perseguição fora escondendo de todos o seu drama e aos sessenta anos tivera a noção exacta de que não teria mais forças para encetar novas etapas da vida, estava cansado da perambulação e já não tinha nenhuma pátria – tinha saudades – saudades talvez marcantes da sua espiritual ideia de Europa.

Chegado aqui, os seus fantasmas de expropriado, de perseguido, de possíveis e novas tormentas persecutórias mesmo já estando a salvo, foram mais fortes. Corria o ano de 1942, a Guerra, essa durava, e ele sofria pelo destino do seu povo e pelos seus livros terem agora de ser editados na Suécia fora da sua revisão pessoal. Sessenta anos! Ou a vida nos corre bem ou não há de facto mais tempo para recomeços, todas as vitórias ficaram registadas e foi-se feliz nas coisas que porventura se fizeram com talento e amor – que muita força para elas foram despendidas – soltar aí todos os nossos medos antecipará o fim da vida que já não poderá ser reinventada… (que para muitos faz parte intrínseca da sobrevivência) guardou então a dignidade intacta e a consciência de que a liberdade é um bem que se preserva.

O resto do poema de despedida:

Pressentir o anoitecer a aproximar-se/ não nos perturba, até nos alivia!/ o puro prazer da contemplação do mundo/ só o conhece aquele que já nada ambiciona/ e o que não se interroga sobre o que alcançou/ nem já se lamenta do que não conquistou/ e para o qual o envelhecer é apenas/ o leve começo do adeus.

Jamais nos esqueceremos de uma rainha que o tempo condenara e que foi por ele reabilitada sem julgamento moral numa antecâmara de situações em que o turbilhão inflamou a sua imagem, relembrando que existem sempre situações que nos superam, e muito para além de sermos julgados, há o julgamento que se faz à nossa própria circunstância. Ninguém a conhecia. Apenas se sabia quem era. E quando a conhecemos por ele, ficamos graves, reconhecendo também o quão injusto é julgar alguém levianamente. Se foi um dotado, não fora menos delicado. E o «Desenvolvimento Histórico do Pensamento Europeu» devia soar-nos aos ouvidos cansados como uma terapia inteligente para um tempo que aos poucos obscurece.

Crónicas como o «Segredo da Criação Artística» também nos dão ainda o tempo de luz antes do ocaso. Ou nele mesmo, ainda nos dão luz.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários