Epidemia | China admite falta de máscaras de protecção face a aumento da procura

O ministério chinês do Comércio reconheceu hoje que há “falta de oferta” de máscaras de protecção devido aos altos níveis de procura, suscitados pelo surto do Covid-19, que já fez mais de 3.000 mortos no país asiático.
Em conferência de imprensa, o diretor do Departamento de Comércio Externo, Li Xingqian, ressalvou, no entanto, que a capacidade e a produção da China “melhoraram rapidamente” nas últimas semanas e que “o desequilibro entre a procura e a oferta reduziu bastante”. A China é o maior produtor mundial de máscaras e 70% da sua produção é destinada à exportação.
Antes do início do surto, em janeiro passado, a China produzia cerca de 20 milhões de unidades por dia, um número que, entretanto, se multiplicou quase por seis vezes, para 116 milhões, segundo a imprensa oficial.
Questionado sobre uma possível proibição de exportar máscaras e outro equipamento médico, Li disse tratar-se de “produtos comercializados livremente e que o Governo chinês não estabeleceu nenhuma medida de controlo a esse respeito”. “O ministério do Comércio (…) nunca proibiu a exportação de máscaras ou outros bens”, assegurou.
“Enquanto superamos as nossas próprias dificuldades, estamos dispostos a ajudar os países afetados com fornecimento de equipamento de proteção médica, como máscaras, e a apoiá-los na luta contra o surto”, acrescentou o representante ministerial.
Li lamentou que alguns países tenham proibido a exportação de máscaras para garantir o fornecimento interno. Taiwan, que Pequim considera uma província chinesa, mas que funciona como uma entidade política soberana, por exemplo, baniu as exportações de máscaras e proibiu a entrada de viajantes oriundos da China continental. “Essas restrições tiveram um impacto negativo, mas entendemos as reações dos países em questão”, disse.
Na mesma conferência de imprensa, Li e o vice-director do Departamento de Operações de Mercado e Assuntos do Consumidor, Wang Bin, afirmaram que o sector retalhista tem vindo a recuperar desde meados de Fevereiro, depois de atingir mínimos históricos.
No entanto, eles alertaram para o efeito no comércio externo da China da disseminação internacional do vírus, especialmente no Japão e na Coreia do Sul, dois dos principais parceiros comerciais do país.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários