Casinos | Portas abertas com menos de 30% de mesas

Dos 41 casinos de Macau, 29 voltaram a abrir portas desde a meia-noite e 12 continuam fechados. Em dia de novas medidas nas fronteiras, o Governo anunciou ainda a criação de postos de inspecção provisórios para controlar visitantes provenientes de zonas de risco e os residentes que cruzam a fronteira com frequência

Apesar de a maioria dos casinos estar de portas abertas, é um regresso tímido aquele que assinala o regresso à actividade do sector do jogo. Reabriram hoje, em Macau, 29 casinos, após terminado o prazo de suspensão de 15 dias decretado pelo Governo como forma de prevenção do novo tipo de coronavírus, o Covid- 19, no território. Os restantes 12 casinos solicitaram um prorrogamento do prazo, tendo agora de voltar a abrir portas, no máximo, dentro de 30 dias.
Os detalhes da reabertura foram dados ontem por Paulo Martins Chan, director do organismo responsável pela Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), que fez questão de assinalar que a reabertura está a acontecer debaixo de fortes medidas de prevenção e que, à data de hoje, o número de mesas abertas será inferior a 1800, menos de 30 por cento da capacidade total existente no território.
“Considerámos vários factores, esperando que tanto as pessoas, como trabalhadores e turistas, possam manter uma certa distância e, por este motivo, mesmo que existam 29 casinos abertos, o número total das mesas de jogo representa apenas menos de 30 por cento, totalizando menos de 1800 mesas de jogo.
Fizemos vários arranjos relativos à prevenção e controlo da epidemia e nos últimos dias a nossa direcção de serviços reuniu com os Serviços de Saúde (SS) e as seis concessionárias, e [a partir daí] os SS emitiram orientações e instruções”, frisou o responsável da DICJ.
Da lista de 12 casinos que pediram ao Governo para adiar a sua abertura constam o Macau Palace, Greek Mythology, Oceanus, Casino Taipa, Casino Macau Jockey Club, Sands Cotai Central, Waldo, Rio, President, Altira, Golden Dragon e o Eastern. Todos os outros casinos do território voltaram assim a abrir portas e, contas feitas, são apenas duas as operadoras que iniciaram as operações em todos os seus casinos: Wynn e MGM.
Detalhando as medidas de prevenção e aquilo que mudou no interior dos casinos, a DICJ reforçou ontem que os espaços vão ser frequentemente desinfectados e todos os funcionários e visitantes são obrigados a usar máscara, apresentar uma declaração de saúde e sujeitar-se à medição de temperatura. A própria forma de jogar está condicionada, sendo que as mesas de jogo vão estar mais afastadas umas das outras e não será permitido fazer apostas de pé.

Fronteiras: reforço duplo

Vai ser ainda criado em Macau um posto de inspecção provisório para efectuar rastreios a pessoas que entram no território, provenientes de zonas consideradas de alto risco. A medida, entra em vigor no mesmo dia em que os trabalhadores não residentes (TNR) que tenham estado no Interior da China nos últimos 14 dias passam a estar submetidos a uma quarentena obrigatória e foi anunciada ontem por Ao Leong U, secretária para os Assuntos Sociais e Cultura.
A medida, explicou a secretária, foi tomada com o objectivo de “dar continuidade de forma séria ao controlo epidémico” e abrange também os residentes de Macau que cruzem a fronteira pelo menos três vezes por dia.
“As pessoas que vêm de zonas onde a epidemia é mais grave (…) serão sujeitas a um rastreio para podermos assegurar a saúde e a segurança da população. Vamos proceder a um rastreio aos residentes de Macau que vão e vêm de Zhuhai várias vezes durante o dia”, referiu Ao Leong U, por ocasião da conferência diária sobre a situação do novo tipo de coronavírus.
Sobre aquilo que pode ser considerada uma “zona de alto risco”, Lei Chin Ion director dos Serviços de Sáude, explicou ontem que a classificação será actualizada numa base diária e de acordo com o número de casos registados nas regiões em questão. Para já, Hong Kong não é considerado um local de alto risco.
“As zonas de alto risco epidémico variam diariamente e dependem da situação epidemiológica do local. Por exemplo, em Cantão existem mais de mil casos e continuam a existir novos casos confirmados e por isso é classificado como um ponto onde o surto epidémico é elevado. Já no interior da Mongólia, foram registados apenas 75 casos (…) e, por isso, não temos a mesma exigência”, explicou o responsável dos SS.
Segundo Lei Chin Ion a realização dos testes nos postos de inspecção provisórios pode levar agumas horas e, caso a pessoa se recuse a colaborar pode ser imposto um isolamento obrigatório ou a aplicação de sanções.
“O teste pode levar algumas horas, mas o tempo concreto é decidido pelo médico ou equipa de enfermeiros. Após a observação médica, se a pessoa não apresentou qualquer sintoma, será libertada. Caso recusem a observação médica, os visitantes (…) poderão ser sancionados ou sujeitos a isolamento obrigatório”, esclareceu Lei Chin Ion. Com Lusa

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários