Covid-19 | Voluntários correm a salvar animais domésticos ao abandono em Wuhan

Du Fan passa os dias a vaguear por ruas desertas e a arrombar portas em Wuhan, numa corrida contra o tempo para resgatar milhares de animais de estimação, vítimas colaterais da epidemia que paralisou a cidade.
“É óbvio que temos receio, mas cabe-nos assumir esta responsabilidade”, explica à agência Lusa o diretor da organização não-governamental Wuhan Small Animal Protection Association (Associação de Proteção dos Animais Domésticos de Wuhan).
“Para salvar as vidas dos animais estamos dispostos a assumir o risco”, acrescenta Du, numa entrevista por telefone, a partir de Wuhan.
Composta por 28 voluntários, a equipa liderada por Du corre contra o tempo, de bairro em bairro, numa megacidade com mais de onze milhões de habitantes, sem recurso a automóveis ou transportes públicos.
“Todos os dias saímos de casa às 8:30 da manhã e regressamos ao início da noite”, revela. “Continuaremos a fazê-lo, até que a cidade retorne ao normal”.
Até à data, a Associação já conseguiu resgatar mais de 600 cães e 30 gatos, que são mantidos numa moradia alugada nos subúrbios da cidade, ao cuidado de seis pessoas.
A cidade foi colocada sob quarentena em 22 de janeiro, visando travar a propagação de um novo coronavírus, designado Covid-19, que fez já mais de 1.500 mortos e mais de 60.000 infectados no país asiático.
A interdição de entradas e saídas impediu o regresso de milhões de residentes que se encontravam a viajar. Noutros casos, famílias inteiras foram hospitalizadas devido à infeção. Há também quem tenha abandonado os animais por temer que sejam portadores do vírus.
No total, a Associação recebeu mais de 2.000 pedidos de resgate, sobretudo de donos que estavam fora quando Wuhan foi bloqueada, e receiam agora que os seus animais de estimação não tenham comida e água.
Antes de invadir uma casa, os voluntários pedem ao respetivo proprietário que envie um vídeo a segurar o bilhete de identidade e a dar permissão. A seguir, são recebidos por animais esfomeados.
Num vídeo partilhado por Du nas redes sociais, uma gata estava a parir quando ele chegou. Duas das crias morreram. “Face a este desastre, ajudar os animais é também uma obrigação dos seres humanos”, diz.
O mercado de animais de estimação registou um ‘boom’, nos últimos anos, na China, tendo excedido, em 2019, os 200.000 milhões de yuan, segundo estimativas do sector citadas pela imprensa estatal.
A mesma fonte apurou que há mais de 100 milhões de cães e gatos a serem criados em todo o país.
Apesar de a Organização Mundial da Saúde ter descartado que cães e gatos possam ser intermediários no contágio do vírus, o temor levou ao abandono de animais domésticos por todo o país.
Em várias cidades no norte da China donos foram proibidos de passear animais em público. Na cidade de Wuxi, província de Jiangsu, costa leste do país, uma equipa local do Comité de Prevenção da Epidemia enterrou um gato vivo, depois de o dono ter sido diagnosticado com o vírus, segundo a imprensa chinesa.
Mas há quem considere a companhia de animais de estimação imprescindível numa altura em que milhões de pessoas em todo o país permanecem há semanas em casa, com entradas e saídas dos bairros controladas e, em alguns sítios, limitadas a uma em cada dois dias.
“Estou há três semanas sozinha em casa”, conta Alice Xia, chinesa residente em Pequim, “sem a companhia da minha gata já teria enlouquecido”.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários