Raquel Guiomar, do Instituto Nacional Ricardo Jorge, sobre epidemia: “Controlo deve ser variado e coordenado entre si”

Coordenadora do Laboratório Nacional de Referência para o Vírus da Gripe e Outros Vírus Respiratórios do departamento de doenças infecciosas do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, em Portugal, Raquel Guiomar assegura que todo o sistema que está a ser implementado no combate ao novo coronavírus beneficia de experiências com a SARS e outro tipo de epidemias

 

Em traços gerais, como descreve este tipo de coronavírus? Quais as principais diferenças em relação a outro tipo de vírus?

Os coronavírus são conhecidos desde os anos 60, estando a sua designação associada à forma que apresentam quando observados por microscopia electrónica, pois apresentam uma forma redonda com projecções na superfície fazendo lembrar uma coroa. É conhecida uma grande diversidade de coronavírus, especialmente no reino animal. Como causa de doença na população humana são conhecidos quatro coronavírus (CoV) que se designam por: CoV NL63 e CoV 229E (Alfacoronvirus) e CoV HKU1 e CoV OC43 (Betacoronavirus). Em 2002 surgiu um novo coronavírus associado à Síndrome Aguda Respiratória Severa (SARS) pertencente aos Betacoronavirus (Subgénero Sarbecovirus) que foi transmitido ao Homem por uma espécie de texugos selvagens, mas também cães e furões vendidos num mercado em Guandong, na China. Em 2012, foi identificado pela primeira vez o coronavírus da Síndrome Respiratória do Médio Oriente, MERS-CoV (Betcoronavirus, subgénero Marbecovirus), associado a um surto de pneumonias na Arábia Saudita. Os camelos dromedários são importantes reservatórios deste vírus e pensa-se que também os responsáveis pela transmissão do MERS-CoV à espécie humana. Em Dezembro de 2019 a investigação do agente causal de um elevado número de pneumonias em trabalhadores de um mercado de Wuhan, na China, levou à identificação de um novo coronavírus, actualmente designado como 2019-nCoV, que não tinha sido anteriormente identificado como agente causal de doença na população humana. A sequenciação do genoma dos vírus detectados nos primeiros casos confirmados de infecção mostraram que o genoma do 2019-nCoV era em 85 por cento semelhante aos genomas de CoV identificados em morcegos.
As investigações que decorrem ainda para o melhor conhecimento da epidemia indicam que a transmissão poderá ter ocorrido no mercado num período relativamente curto de tempo e por uma mesma fonte. Pensa-se que este novo coronavírus poderá ter sido transmitido ao Homem por uma ou mais espécies de animais selvagens que era comercializada no mercado.

Quais os principais cuidados a ter para quem tem doenças crónicas, crianças e idosos? Que respostas devem ser desenvolvidas consoante os vários tipos de doentes?

Até ao momento, a maioria dos casos tem sido confirmada na população adulta acima dos 30 anos, tendo sido reportados escassos casos de infecção em crianças. Esta observação é um assunto ainda em investigação pela comunidade científica. Os estudos serológicos e as metodologias em desenvolvimento poderão permitem avaliar qual o papel do sistema imunitário relativamente à diferença de casos de infecção nos vários grupos etários e em grupos de maior risco. As medidas de prevenção da doença, na ausência de uma vacina especifica para este novo vírus, passam muito pelas regras de higienização frequente das mãos, etiqueta respiratória e evitar o contacto com casos de infecção pelo novo coronavírus.

Considera ser possível produzir tão rapidamente uma vacina que saiba dar resposta a uma possível epidemia, uma vez que o vírus ainda está no início em termos de análise?

A produção de vacinas e a sua aprovação é um processo complexo e que inclui várias etapas até à disponibilização da vacina para a população. O suporte financeiro que está a ser equacionado no contexto da epidemia do 2019-nCoV à comunidade científica, a nível global, decerto contribuirá para que a investigação nas áreas da prevenção e tratamento num futuro próximo venham contribuir para o controlo da epidemia e a disponibilização da vacina.

Que comentários faz em relação à avaliação da Organização Mundial de Saúde sobre esta matéria?

Actualmente a OMS está em estreita coordenação com os países que se situam no epicentro da epidemia de 2019-nCoV, nomeadamente com a China e com os países próximos, tendo como principais objectivos o controlo da epidemia e a prestação de cuidados aos doentes. Em Portugal o apoio da OMS tem sido efectuado através da Rede Laboratorial onde está inserido o Laboratório Nacional de Referência para a Gripe e Outros Vírus Respiratórios, global Influenza Surveillance and Response System (GISRS), e a nível estatal.

Eliminar o comércio de animais exóticos vivos pode ser a única solução para travar esta epidemia ou devem ser tomadas outras medidas?

As medidas para o controlo de epidemias devem ser várias e coordenadas entre si, não só no tempo como no espaço. A eliminação do contacto próximo com as fontes de infecção, que neste caso se pensa ser uma espécie animal, em coordenação com medidas de isolamento social, de higiene e de controlo de contactos, nomeadamente a movimentação das populações, são medidas que quando implementadas no momento e local adequado contribuirão para o controlo da transmissão do vírus e da epidemia.

Quais as principais análises que estão a ser feitas no vosso serviço relativo a este coronavírus? Estão em contacto com as autoridades chinesas, incluindo Macau?

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através do Laboratório Nacional de Referência para o Vírus da Gripe e outros Vírus Respiratórios (LNRVG) do seu Departamento de Doenças Infecciosas, garante nesta fase o diagnóstico laboratorial de todos os casos suspeitos de infecção pelo novo Coronavírus (2019-nCoV) sob investigação. A detecção laboratorial do 2019-nCoV é feita através da metodologia de amplificação dos ácidos nucleicos, pela reação de polimerase em cadeia (PCR) em tempo real. O Instituto Ricardo Jorge tem também disponível a metodologia de sequenciação de nova geração, para a realização do estudo do genoma do 2019-nCoV (análise filogenética e detecção de mutações). O PCR é constituído por três reacções de amplificação dirigidas a três diferentes regiões do genoma viral, sendo que um caso confirmado apresentará as três reações de PCR positivas. Os resultados laboratoriais são comunicados à Direcção-Geral da Saúde (DGS) e ao Hospital Referência cerca de cinco horas após a receção das amostras biológicas.

Que expectativas coloca em relação à evolução da situação em termos de resposta por parte das autoridades médicas e contágio?

Em Portugal, para fazer face ao aparecimento de um novo vírus agente de infecção respiratória, está implementado um plano de contingência que envolve diversas entidades com intervenção na área da saúde, das quais destaco o Ministério da Saúde, Direção-Geral da Saúde, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, Administrações Regionais de Saúde, hospitais de referência, INEM, SNS 24, INFARMED, DGAV, Alto Comissariado para as Migrações, entre outras. Desde o alerta dado pela OMS relativamente ao surto de pneumonias associadas a um novo coronavírus têm sido promovidas reuniões regulares entre todos os parceiros, publicada documentação para profissionais de saúde, mas também para a população e accionados mecanismos de identificação rápida de casos suspeitos com indicação para investigação. O diagnóstico laboratorial permite detectar a infecção pelo novo coronavírus, constituindo informação essencial para o tratamento dos doentes (na fase de contenção em que nos encontramos), constituindo igualmente informação crítica para a implementação de medidas em saúde pública pelos decisores em saúde de forma a evitar a transmissão da infeção pelo 2019-nCoV na população. Todo o sistema implementado beneficia agora de experiências anteriores, nomeadamente na anterior implementação de planos de contingência para a actuação na pandemia de gripe de 2009, mas também em situações de surtos e de emergências como a do SARS e MERS, surtos de Legionella, de hepatite A, de Sarampo e do diagnóstico de casos suspeitos de ébola e de Zika vírus.

 

Instituição disponível para ajudar países da CPLP no diagnóstico 

O laboratório de referência em Portugal está disponível para ajudar os países da CPLP no diagnóstico de casos suspeitos de coronavírus e já recebeu pedidos de cooperação de Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde, disse à Lusa o presidente da instituição.

“Estamos sempre disponíveis para ajudar naquilo que são as nossas capacidades e disponibilidades”, afirmou o presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), Fernando de Almeida.

O INSA e os laboratórios dos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) estão contemplados num protocolo global que envolve os institutos de saúde pública destes estados. Este acordo, explicou Fernando de Almeida, permite a qualquer momento que sejam solicitados apoios de capacitação e colaboração.

Foi o que aconteceu na Guiné-Bissau, aquando da ameaça do vírus Ébola e, mais recentemente, em São Tomé e Príncipe, com o caso da celulite necrotizante, recordou. Em relação ao coronavírus, o INSA já recebeu “pedidos de apoio de colaboração” de Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

Mais formação

Este apoio poderá ser dado ao nível da formação dos profissionais para os diagnósticos ou da actualização das metodologias ou na análise, em Portugal, das amostras dos casos suspeitos detectados nesses países.
Fernando de Almeida recordou que a embalagem de produtos biológicos pressupõe uma formação específica que foi dada a estes países por elementos do INSA que, por seu lado, está certificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o fazer. E acrescentou que o INSA tem capacidade para obter os resultados das amostras algumas horas após estas darem entrada no instituto.

O presidente do INSA sublinha os contactos já recebidos e congratula-se com o facto de estes países estarem preocupados e mostrarem interesse em garantir uma resposta, no caso de esta ser necessária. “Estamos atentos. Estamos todos a preparar-nos a nível global”, adiantou.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários