A porta

Nada como uma crise para que os mais profundos sentimentos de uma sociedade venham à superfície. Não os mais importantes mas os mais profundos, os que em geral repousam numa noite negra de culpabilidade e não ousam emergir. Marshal Sahlins, no seu livro Stone Age Economics, explica como em caso de crise, por catástrofe natural por exemplo, nas sociedades tribais existe um recolhimento familiar e falta de solidariedade entre linhagens e clãs, estando no primeiro plano o sangue e não a sociedade.

Ou seja, primeiro os nossos, depois os outros. No caso vertente, o coronavírus em Macau mostra como esse tipo de sentimento não se ajusta ao nosso modus vivendi, o corrompe e o perverte. Isso e os profetas da miséria, os difusores de alarmes, os activistas da desgraça. Por seu lado, o Governo tem sido exemplar no manejo do interesse público, tomando as medidas que entendeu tomar (boa gestão da questão das máscaras, distribuição deficiente; anúncio do pagamento adiantado do cheque anual), levando algumas mais longe do que seria de esperar (o prolongamento do encerramento dos serviços públicos e das escolas; controlo de pessoas de Wuhan) mas, ao mesmo tempo, não alçando a bandeira do pânico (que o encerramento dos casinos teria significado) enquanto a situação não o justificar.

Sem falsos optimismos, convém também encarar a situação sem falsos alarmismos. Avaliar os dados, reforçar a segurança médica, voltar à normalidade e não entrar em modo de catástrofe até uma catástrofe real realmente nos bater à porta.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários