Costa Malheiro – Meteorologista em quatro continentes

Estou certo que muitos dos portugueses que vivem ou viveram em Macau nos primeiros seis anos da década de noventa do século passado se lembram da figura popular que foi o director dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG), António Pedro Fernandes da Costa Malheiro.

Costa Malheiro, a quem podemos apelidar de um verdadeiro meteorologista dos quatro costados, desenvolveu a sua atividade profissional em quatro continentes.

Homem de grande honestidade, competência, dinamismo e capacidade de trabalho, pai de seis filhos, foi não só uma figura popular da meteorologia, mas também um cidadão de mão-cheia que se dedicou a outras actividades como autarca no bairro onde vivia, Olivais (onde nasceu em 10 de julho de 1933), contribuindo para que muitos jovens ocupassem os tempos livres a praticar desporto, encaminhando-os para uma vida mais sã do que eventualmente seguiriam se não se dedicassem a esta actividade.

Com muita dignidade e competência desempenhou altas funções em Portugal, Brasil e Macau, onde pelo seu dinamismo e simpatia granjeou numerosos amigos entre os colegas, instruendos e pessoal sob a sua direcção. Antes, ainda muito jovem, desempenhou funções de meteorologista em Angola, onde se familiarizou com a meteorologia tropical, o que lhe viria a ser muito útil mais tarde, como professor de meteorologia no Brasil.

Em Portugal as funções mais relevantes que desempenhou foram as de instrutor de meteorologia, em estágios no Serviço Meteorológico Nacional (SMN), juntamente com o Professor Pinto Peixoto (mundialmente conhecido nas áreas da meteorologia e Climatologia), de coordenador da Divisão de Instrução e de Chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG). Mais tarde, após o regresso de Macau, foi presidente do Instituto de Meteorologia (1996-1998), lugar que ocupou por mérito e não por qualquer influência político-partidária.

Na Divisão de Instrução do INMG desenvolveu actividade meritória pondo em prática as recomendações da Organização Meteorológica Mundial (OMM) no que se refere aos curricula para a formação de profissionais de meteorologia. O nível atingido na preparação do pessoal foi tal que alguns colegas, com um certo ar jocoso, se referiam àquela divisão como a “Universidade do Malheiro”.

Com pouco mais de trinta anos foi contratado como perito da OMM para lançar o Curso de Meteorologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Brasil, onde foi docente de 1967 a 1973. Neste último ano, em sua homenagem, uma das salas desta universidade foi designada com o seu nome.

Após o seu regresso do Brasil foi um popular apresentador do Boletim Meteorológico na RTP, tendo colaborado com esta estação durante alguns anos.

Como director dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau, o penúltimo sob administração portuguesa, de 1991 a 1996, teve papel preponderante na modernização destes serviços, apetrechando-os de equipamento moderno e preparando o pessoal para a transição do território para a administração chinesa. Também em Macau, já após o seu falecimento, foi alvo de uma homenagem com o descerramento de uma placa numa sala dos SMG a que foi dado o seu nome.

Durante a sua vigência como diretor dos SMG desenvolveu grande actividade no sentido de que Macau fosse admitido como membro de pleno direito do Comité dos Tufões (ESCAP/WMO Typhoon Committee – organização intergovernamental cuja atividade se desenrola no sentido de minimizar as consequências dos ciclones tropicais no noroeste do Pacífico e Mar do Sul da China), em 1992, e território membro da OMM, em 1996. Foi presidente do Comité dos Tufões durante o ano 1995.

Tendo havido decisão irrevogável do Governo de Macau de construir de raiz o Museu de Macau no local das instalações da antiga sede dos SMG, na Fortaleza do Monte, Costa Malheiro foi intransigente na negociação, exigindo como contrapartida a construção de um edifício moderno e bem apetrechado na Ilha da Taipa, inaugurado em 1996.

Costa Malheiro, enquanto director dos SMG usufruiu de grande prestígio no meio da meteorologia não só em Macau e China, mas também nos outros países e regiões membros do Comité dos Tufões (catorze ao todo – Camboja, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, Filipinas, Hong Kong, Japão, Laos, Macau, Malásia, Singapura, Tailândia e Vietname). Por onde passou desenvolveu actividade merecedora do reconhecimento do pessoal com quem trabalhou, tendo sido alvo de homenagens que ficaram para sempre a marcar a sua presença.

Para ilustrar a faceta humana de Costa Malheiro relembro o conselho que me deu quando me apresentou, como subdirector, ao pessoal dos SMG: “quando cumprimentares o pessoal começa por apertares a mão ao pessoal menos classificado profissionalmente”.

Devido à sua contribuição para a meteorologia e à obra em prol dos jovens de Olivais, a Câmara de Lisboa atribuiu o seu nome a uma rua da capital, conforme o Edital da edilidade de Lisboa de 26/12/2001.
Nesta ocasião, em que se celebraram recentemente os vinte anos da integração de Macau na China, é de toda a justiça relembrar Costa Malheiro, que muito contribuiu para o prestígio internacional de Macau na área da meteorologia.

Subscrever
Notifique-me de
guest
1 Comentário
Mais Antigo
Mais Recente Mais Votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Avatar
Maria Isabel Dias da Costa Malheiro
7 Mar 2020 02:27

Muito obrigada Amigo Olavo Rasquinho pela merecida homenagem ao nosso querido pai, bem haja !