Exposição de Edgar Martins em Lisboa antes de chegar a Macau

“What Photography has in Common with an Empty Vase” (O que a fotografia tem em comum com um vaso vazio) é o nome da mais recente exposição do fotógrafo Edgar Martins, que tem raízes em Macau e ganhou inúmeros prémios internacionais.

A mostra estará patente na Galeria Filomena Soares, em Lisboa, até ao dia 11 de Janeiro, e revela o resultado de um “trabalho multifacetado” desenvolvido a partir de uma colaboração com a Grain Projects e a HM Prison Birmingham (a maior prisão de categoria B na região de Midlands, Reino Unido), com os seus presos e respectivas famílias, bem como uma miríade de outras organizações e indivíduos locais.

De acordo com um comunicado, Edgar Martins faz “uso do contexto social da encarceração como ponto de partida e explora o conceito filosófico de ausência e aborda uma consideração mais ampla do posicionamento da fotografia, quando se cruzam questões de visibilidade, ética, estética e documentação”.

Neste sentido, “ao dar voz aos reclusos e às suas famílias e ao abordar a prisão como um conjunto de relações sociais, e não como um mero espaço físico, o trabalho de Martins propõe repensar e combater o tipo de imagem normalmente associada à encarceração”.

“What Photography has in Common with an Empty Vase” pretende evitar “intencionalmente imagens cujo único objectivo, argumenta Martins, é confirmar as opiniões defendidas pela ideologia dominante sobre crime e punição: violência, drogas, criminalidade, raça – uma abordagem que serve apenas para reforçar o acto de fotografar e a fotografia em si como dispositivos apotropaicos”, aponta o mesmo comunicado.

Mostra chega a Macau

Esta exposição estará patente em Macau no próximo ano, entre os meses de Junho e Setembro, tendo já sido publicado um livro, intitulado “What Photography & Incarceration have in Common with an Empty Vase”.

O livro está dividido em três capítulos, que variam entre imagens de arquivo, fotografias feitas durante os três anos de trabalho, que incluem a documentação de objectos simbólicos para os presos, como um par de sapatos de criança ou um maço de cigarros, além de uma reprodução do diário de um recluso escrito especificamente para este projecto.

“Estava interessado em explorar todo um conjunto de estratégias e metodologia que fossem para além do documental e que contribuíssem para o debate acerca da ontologia da imagem fotográfica”, explicou este ano o fotógrafo à agência Lusa.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários