Portugal | Réplica das Ruínas de São Paulo tornou-se ex-libris da cidade de Loures

Uma réplica das Ruínas de São Paulo foi um dos pontos de destaque do Pavilhão de Macau na Expo 98. Passados seis anos da exposição mundial, a estrutura foi transferida para o Parque Adão Barata, em Loures. Primeiro muito contestada, devido ao despropósito e elevados custos que acarreta, a réplica é hoje um ponto incontornável do parque da cidade

 

Quem passeia pelo Parque Adão Barata, mais conhecido como Parque da Cidade de Loures, já se habitou à presença de uma enorme fachada, que simboliza um monumento que se encontra a milhares de quilómetros daquela cidade do distrito de Lisboa. Trata-se de uma réplica da fachada das Ruínas de São Paulo, um dos monumentos mais emblemáticos de Macau, que está montada neste parque de Loures desde 2004.

Anos antes, tinha sido uma das atracções da Expo 98, que se realizou na zona do Parque das Nações, em Lisboa.
Em declarações à Agência Lusa, o vice-presidente da Câmara Municipal de Loures, Paulo Piteira (CDU) explicou que a decisão de adquirir o Pavilhão de Macau e a fachada nada teve a ver com algum tipo de ligação especial ao território.

“Não há nenhuma relação particular entre o município de Loures e Macau, a não ser aquela que existe entre Portugal e o antigo território de Macau. O que acontece é que surgiu uma oportunidade que o antigo Executivo achou que seria comercialmente interessante”, justificou. O autarca refere que a ausência de uma ligação a Macau e os “elevados custos” que envolveram na ocasião a transferência da infra-estrutura para Loures e ainda exigem nos dias de hoje para a manutenção e conservação fazem com que a sua presença não tenha sido sempre politicamente consensual.

“A contestação que houve no passado teve muito que ver com aquilo que foi inicialmente apresentado, como sendo uma operação muito mais barata, mas, depois, foi subindo de custos”, aponta.
Paulo Piteira estima que, no total, a autarquia tenha investido até ao dia de hoje mais de meio milhão de euros na estrutura, a maior fatia com intervenções de manutenção e conservação.

“Esta estrutura foi concebida para durar seis meses, que era o tempo que se esperava que a exposição [Expo98] durasse. Além disso, é uma infra-estrutura que está sujeita à intempérie, pois está ao ar livre. Naturalmente que há sempre processos de degradação que se tendem a acentuar”, justifica.

Conquistar corações

Apesar dos “elevados” custos de manutenção, Paulo Piteira reconhece que a fachada já ganhou uma importância muito grande para a cidade e também o carinho dos habitantes de Loures.

“Hoje faz parte da imagem que as pessoas têm da cidade e, em particular, aqui do parque, que é um sítio muito frequentado. Eu diria que é até uma peça que acaba por não destoar no seu conjunto”, atesta.

E, apesar de o município de Loures não ter uma ligação especial com Macau, o autarca de Loures reconhece que a estrutura acaba por simbolizar a multiculturalidade existente no concelho.

“Esta fachada representa o Colégio de São Paulo, que foi assumidamente a grande construção dos jesuítas no oriente. A primeira grande universidade de modelo ocidental. Naturalmente, é algo que tem a ver com a nossa história e com aquilo que queremos para o nosso concelho. Portanto, é uma peça que se encaixa na visão e a vida deste concelho”, sublinha.

Alguns visitantes do parque corroboram a ideia de que a fachada do pavilhão já faz parte do património da cidade e que a “embelezam ainda mais”.

“Sei que esta fachada pertencia ao Pavilhão de Macau que esteve na Expo e que depois foi adquirida pela autarquia. Acho que foi uma boa aquisição porque tornou o parque ainda mais bonito”, disse à Lusa Maria José, moradora há 50 anos na cidade de Loures.

Também Amadeu conhece a origem desta fachada e reconhece a importância que a réplica foi ganhando ao longo dos anos. “Já é um símbolo de Loures e do Parque da Cidade. Sim, agrada-me”, respondeu, sem hesitar.

Já Cristino Miguel considera que a fachada “embeleza o parque” e que devido à sua importância histórica deve ser preservada. “Acho que é uma coisa histórica e é preciso lembrar os nossos antepassados”, defendeu.

Contudo, e ainda que essa seja a vontade das centenas de pessoas que frequentam diariamente o Parque Adão Barata, a manutenção deste ex-libris estará sempre ameaçada, segundo alerta Paulo Piteira. “Tem esta característica que é efémera e não vai durar para sempre. Infelizmente, creio que no futuro não será muito fácil continuarmos a fazer este trabalho de conservação e manutenção”, alertou.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários