China condena “ataque” a secretária da Justiça de Hong Kong em Londres

A China condenou hoje um alegado ataque em Londres à secretária da Justiça de Hong Kong, no primeiro confronto direto entre manifestantes e um alto quadro da antiga colónia britânica, palco de protestos antigovernamentais há quase seis meses.

A secretária da Justiça Teresa Cheng, que estava em Londres a promover Hong Kong como um centro de solução de disputas e negociação de acordos, foi criticada por um grupo de manifestantes, que a chamou de “assassina” e gritou “vergonha”.

A embaixada da China no Reino Unido disse que Cheng foi “sitiada e atacada por ativistas anti-China e pró-independência”, que se organizaram ‘online’, e que magoou a mão quando caiu.

A embaixada apelou ainda à polícia britânica para investigar o incidente e fortalecer a segurança das autoridades e instituições chinesas no país.

“Acabar com a violência e restaurar a ordem é a tarefa primordial em Hong Kong”, disse o porta-voz da embaixada, em comunicado.

“O Governo central da China apoia firmemente o Executivo de [Hong Kong] a administrar Hong Kong de acordo com a lei, apoia firmemente a polícia (…) a aplicar a lei e apoia firmemente o judiciário a levar os criminosos à Justiça de acordo com [a] lei”, lê-se na mesma nota.

Vídeos do confronto mostram Cheng no chão durante as escaramuças, mas não é claro se foi empurrada. Logo a seguir, a secretária levanta-se e é escoltada por seguranças.

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, condenou também hoje a “agressão bárbara”, que “violou os princípios de uma sociedade civilizada”, e afirmou que a secretária ficou “gravemente ferida”, apelando à polícia britânica que investigue.

O incidente ocorreu numa altura de escalada da violência em Hong Kong, depois de um manifestante estudantil ter morrido no início deste mês, após ter caído de um parque de estacionamento durante as manifestações.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários