O escuro que criamos

If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with Kings—nor lose the common touch,
If neither foes nor loving friends can hurt you,
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds’ worth of distance run,
Yours is the Earth and everything that’s in it,
And—which is more—you’ll be a Man, my son!
If, de Rudyard Kipling (excerto)

 

Escrevo estas palavras no Remembrance Day. É um dia em que no Reino Unido e na Commonwealth são lembrados e honrados todos os que tombaram em combate em vários conflitos, tendo como pretexto o Armistício que pôs fim à Primeira Grande Guerra. Há cerimónias sentidas, depoimentos extraordinários de veteranos que salientam aquilo de que é capaz o ser humano sob enorme pressão. E o que é capaz é do melhor e do pior. Forjam-se amizades eternas em instantes partilhados num abrigo de uma chuva de balas. Todas as limitações são superadas perante a iminência da morte. Muitos não regressaram. Outros sobreviveram mas ficaram reféns de algo muito pior: a desumanização que o campo de batalha sempre oferece.

O Remembrance Day é respeitado por toda a Commonwealth e por todas as suas forças políticas. A papoila que lhe serve de símbolo e que originalmente foi criada para lembrar o sangue dos que caíram na batalha de Flandres – que na verdade são várias e que decorreram do início ao final da Primeira Grande Guerra (sendo que a quarta, a de La Lys, resultou no massacre de quase todo o Corpo Expedicionário Português) – é usada por toda a gente com orgulho e sentimento, do cidadão à rainha.

Não se trata de uma exaltação do belicismo, pelo contrário: só a memória nos torna humanos e ao lembrar a guerra deseja-se a paz. E é extraordinário voltar a descobrir os imensos contrastes que oferece o que parece ser um determinismo da nossa natureza. Existe sempre a arte, neste caso a poesia, que acompanhou homens e mulheres na mais negra das horas. Vejam os versos em epígrafe: é a última estrofe de If, um poema de Rudyard Kipling (hoje desdenhado por supostamente representar o imperialismo e o colonialismo britânico ). Aquele poema ganhou uma imensa popularidade entre os soldados que combateram nas trincheiras na guerra de 1914-18.

Levavam-no nos bolsos dos uniformes, como um bálsamo. Muitos morreram com ele.
Ao meu lado tenho outro objecto extraordinário: uma reedição (1930) de The Spirit of Man: An Anthology in English & French from the Philosophers & Poets made by the Poet Laureate in 1915.

É uma antologia em papel bíblia (India paper), feita por Robert Bridges para os que iam combater e para os que ficavam. Poemas e frases portáteis. Está dividida por temas – Desejo Espiritual, Amor Ideal, Melancolia, Vida Na Morte, etc – e os autores de cada texto escolhido só são revelados no final do livro. Não há nomes: há um espírito maior, há uma arte que com sorte consola. Não é uma arte que salva, porque nenhuma arte é capaz de ter essa ambição salvífica e muitos são os que não querem ser salvos. É uma arte próxima, prática, solitária, confidente.

Gosto destes dias de lembrança, confesso. Sobretudo pelas piores razões, que nos levam a olhar mais fundo quem somos e do que somos capazes. Steven Pinker, um magnífico ensaísta e ainda mais corajoso optimista sobre a natureza humana, afirma no seu The Better Angels Of Our Nature que apesar de tudo a violência tem vindo a decrescer sob todas as formas na nossa época.

Acredito. Como receio que nunca irá parar até ao final dos tempos. Mas que sobreviva um poema, algo que nos alumie no escuro que nós próprios criamos.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários