Faquenius (II)

O número de directores de serviços que ficam presos em casas-de-banho do trabalho disparou desde 2014. Em causa está o facto de um(a) secretário(a) ter começado a fazer reuniões semanais com todos os directores, à semelhança de um conselho de ministros. O objectivo passava por coordenar melhor os trabalhos entre os diferentes departamentos, mas a “maré de azar” tem afectado os trabalhos.

“Logo no início os directores mostraram-se muito agradados com a ideia e fizeram rasgados elogios ao(à) secretário(a). Mas logo à segunda ou terceira reunião as pessoas começaram a ter muitos problemas e deixaram de poder comparecer”, explicou, ao HM, fonte conhecedora do processo. “Felizmente há subdirectores e outras pessoas em posições mais baixas na hierarquia que podem substitui-los. Nunca sabemos quando podemos ficar presos numa casa-de-banho”, foi defendido pela mesma fonte.

Actualmente a situação já é pacífica, mas não terá sido assim logo no início. Um dos directores terá sido ouvido a criticar a medida no serviço: “E a seguir? Começamos a respeitar as decisões dos tribunais na atribuição dos contratos públicos?”, terá dito. Porém, a fonte conhecedora do processo negou esta versão: “É muito irresponsável criar este tipo de rumores sobre directores que sacrificam horas em jantares e mesas de karaoke pelo bem de Macau”, foi sustentado.

Face à situação a secretaria vai retirar as fechaduras de todas as casas-de-banho. A medida é muito bem vista no Executivo porque vai permitir poupanças na instalação de câmaras de CTTV. [Nota: Faquenius são histórias ficcionadas)

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários