Concerto | Pixies pela primeira vez em Hong Kong a 3 de Março

Os Pixies têm um concerto marcado em Hong Kong para o dia 3 de Março. Será a primeira vez que a banda de Black Francis e Kim Deal toca na cidade vizinha, ainda para mais com um disco novo na bagagem. Os bilhetes estão à venda a partir de hoje

 

E pronto, é oficial. Trinta e três anos depois da formação, os Pixies têm um concerto marcado em Hong Kong, no dia 3 de Março, às 19:30, no KITEC Rotunda 2, como parte da tour Asia 2020. Apesar da bendita data ser daqui a sensivelmente sete meses, os bilhetes vão ser postos à venda hoje, a partir das 14h, e custam 590 dólares de Hong Kong.

Mas mais do que detalhes de agenda, importa referir a importância que a banda de Boston teve no panorama do rock alternativo dos anos 90. Sem os Pixies seria difícil imaginar a sonoridade dos Nirvana, Smashing Pumpkins, Radiohead, por aí fora. Pegando na urgência sonora do punk rock, com umas pinceladas de surf rock com harmonias pop nalguns refrões, o grupo liderado pelas guitarras de Black Francis, Joey Santiago e o baixo de Kim Deal antecipou a década do rock alternativo.

Formados em Boston corria o ano de 1986, os Pixies editaram dois discos de rajada que os iria catapultar para o estrelato relativo dos circuitos indie. Em 1988 “Surfer Rosa” era lançado e um ano depois surge o aclamadíssimo “Doolitle”.

Com produção de Steve Albini, “Surfer Rosa” conquistou tanto o público como a crítica musical, apesar dos temas bizarros descritos pelas letras. Desse primeiro registo saíram hinos intemporais como “Where Is My Mind?”, “Gigantic” e “Broken Face”, que influenciaram artistas como Kurt Cobain. Aliás, o vocalista dos Nirvana chegou mesmo a confessar que “Surfer Rosa” foi a base de onde surgiu “Nevermind”.

No ano seguinte viria a aclamação e a entrada na Elektra Records, que daria projecção internacional à banda. Apesar das referências surrealistas, inspiração em episódios de violência de textos bíblicos, tortura e morte, “Doolittle” ofereceu ao mundo hinos como “Hey”, “Gouge Away”, “Debaser”, “Monkey Goes to Heaven” e o sucesso comercial “Here Comes Your Man”. Nada seria como dantes para a banda de Boston.

Divórcio e reunificação

Depois do segundo disco, as tensões entre Black Francis e Kim Deal começaram a tornar-se evidentes, chegando ao ponto de o guitarrista atirar uma guitarra contra a baixista durante um concerto na Alemanha. Ainda assim, voltaram a estúdio para gravar mais dois discos. “Bossanova” e “Troupe Le Monde”, antes de se separarem em 1993.

Aproveitando a separação para pegar num projecto que tinha começado durante um período de hiato dos Pixies, Kim Deal teve oportunidade para se focar noutra banda que marcou o início dos anos 90: Breeders.

Mais de dez anos depois de uma separação algo violenta, os Pixies voltariam a reunir-se em 2004, para gáudio de uma legião de fãs, muitos que nunca tiveram oportunidade para os ver ao vivo. Regressaram aos palcos, sem grandes palavras para o público, comprometidos com a música e em grande forma, comprovando que o legado musical dos Pixies sobrevive muito bem à passagem do tempo.

Sem necessidade para justificar tours, desta vez os Pixies partem para a Ásia com um disco novo na bagagem, mas antes disso lançam-se aos palcos norte-americanos e europeus, com destaque para o concerto em Lisboa, no Campo Pequeno no dia 25 de Outubro. “Beneath The Eyrie”, com data de lançamento para 13 de Setembro, é o disco que traz alguma frescura aos alinhamentos dos espectáculos que se avizinham.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários