Ilações difíceis de tirar

Na semana passada quatro habitantes de Macau, que acabavam de desembarcar do ferry em Hong Kong viram a sua entrada na cidade vedada pelo Gabinete de Imigração, por estarem vestidos de preto. Embora afirmassem que tinham ido a Hong Kong apenas para fazer compras, foram delicadamente reenviados para Macau, sem mais explicações. Quando aqui chegaram, foram submetidos a um interrogatório de rotina pela Polícia Judiciária local.

Pergunta nº 1: O Governo de Hong Kong proíbe a entrada de visitantes vestidos de preto, ou de cores escuras, nos dias em que se realizam protestos ou manifestações?

Pergunta nº 2: Depois da Polícia Judiciária ter investigado o caso, será que o reportou ao Governo da RAEM, para que se tomassem medidas contra as autoridades de Hong Kong, no sentido de proteger os direitos dos habitantes de Macau?

Dia 21 de Julho, um domingo, fui a Hong Kong assistir a uma conferência presidida por Donald Tsang (antigo Chefe do Executivo de Hong Kong). A minha intenção inicial era jantar nessa noite com um amigo num qualquer restaurante do Sheung Wan district. Mas depois de perceber que ia haver protestos nesse dia, e que a manifestação ia terminar em Wanchai, por indicação da Polícia, acabei por almoçar em vez de jantar. Dirigi-me à conferência a seguir ao almoço e, no final da sessão, apanhei um taxi às 16.45 para o Shun Tak Centre, no Sheung Wan district, para tomar o ferry de regresso a Macau. A taxista, era muito competente. Seguiu pelas ruas estreitas de Central, em vez de optar pelas avenidas principais e assim evitou que nos cruzássemos com os manifestantes que desfilavam nas imediações de Admiralty. A corrida fez-se normalmente e consegui apanhar o ferry das 17.15. Enquanto seguia a bordo, o meu amigo de Hong Kong enviou-me alguns SMSs, a dar-me notícia da concentração de jovens no Shun Tak Centre. Os jovens estavam a preparar-se para entrar em acção. Quando cheguei a casa liguei a televisão. Vi os manifestantes que se dirigiam para Wanchai, em formação imponente, através da Connaught Road. O destino final era o Gabinete de Ligação do Governo Central do Povo na RAEHK, sediado no Sai Wan district. Como protecção tinham sido apenas colocadas umas barreiras metálicas junto à entrada principal do Gabinete de Ligação e não havia agentes da polícia à vista. Mais tarde, durante os motins, as paredes e o emblema nacional, colocado no portão do edifício do Gabinete de Ligação, viriam a ser pintados de preto. A Polícia de Intervenção apareceu e os manifestantes dispersaram rapidamente.

Pergunta nº 3: O emblema nacional é um dos símbolos da autoridade de um país, é sagrado e inviolável. Enquanto visitante de Hong Kong, fui avisado que se estavam a preparar para breve acções de protesto. Mas porque é que a polícia não interveio atempadamente? Porque não foram criadas linhas defensivas, respectivamente em Admiralty, Central e Sheung Wan, para deter os manifestantes e impedi-los de chegar ao Gabinete de Ligação? Será que existem falhas nos serviços de Informação da Polícia de Hong Kong? (no seu historial, a Polícia de Macau nunca falhou a missão de proteger o Gabinete de Ligação do Governo Central do Povo na RAEM). Ou terá tido a polícia de Hong Kong indicações especiais?

Obviamente que a vandalização do emblema nacional foi severamente condenada pela população de Hong Kong e foi cabeçalho das notícias de destaque dos jornais do dia seguinte. Contudo, na noite de 21 de Julho, uma multidão de pessoas vestida com T-shirts brancas atacou indiscriminadamente manifestantes vestidos de preto e transeuntes na West Rail Line Station da Linha do Metro de Yuen Long. Chegaram a entrar nas carruagens e atacaram os passageiros. A Polícia admitiu publicamente ter levado 39 minutos a chegar ao local, por razões de vária ordem. Devido à sua gravidade, este incidente, onde dezenas de pessoas sofreram ferimentos, foi classificado de “ataque terrorista” e gerou inquietação a nível internacional. Nos últimos dias e, após receber várias queixas, a Comissão Independente contra a Corrupção de Hong Kong deu início a investigações ao Incidente de Yuen Long. Até ao momento não foram adiantadas quaisquer informações sobre os progressos da investigação, em parte devido à sua complexidade, mas também à existência de questões duvidosas.

以及沒有回應記者提問對設立“獨立調查委員會”的立場。A 29 de Julho, um porta voz do Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado convocou uma conferência de imprensa para esclarecer a posição do Gabinete e dar a sua visão sobre a situação actual de Hong Kong. Devido a limitações de tempo, o número de perguntas permitidas era reduzido, e como os jornalistas de Macau colocaram questões relacionadas com a cidade, o porta voz não chegou a transmitir a visão do Gabinete sobre o “ataque terrorista de Yuen Long” e recusou-se a responder às perguntas sobre a criação de uma “comissão de inquérito independente”.

Pergunta nº 4: Quem é o principal interessado na destruição do conceito “Um País, Dois Sistemas”? Carrie Lam é indubitavelmente responsável pelas coisas terem chegado ao ponto que chegaram, mas quem é que está a puxar os cordelinhos para colar Hong Kong ao estigma da “revolução da cor”, depois do episódio do alegado movimento para a “Independência de Hong Kong ”?

Contas feitas, é muito difícil tirar ilações políticas, mas o derramamento de sangue não deixa de nos perturbar, bem como o pressentimento de influências malignas.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários