Ferro Rodrigues destaca convergência com China na promoção do multilateralismo

O presidente da Assembleia da República (AR), Ferro Rodrigues, afirmou hoje que Portugal quer aprofundar o relacionamento com a China, para que “tenha efeitos” em organizações multilaterais, perante a ascensão global de “doutrinas unilateralistas perigosas”.

“Há toda uma vontade de aprofundar o relacionamento bilateral, para que este tenha efeitos em organizações multilaterais, e que possa, defendendo o interesse dos dois países, ser cada vez mais uma realidade”, disse em entrevista à Lusa.

O presidente da AR iniciou uma visita de dois dias a Pequim, onde tem previstas reuniões com o presidente do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional (APN), Li Zhanshu, a terceira figura do regime chinês. A visita ocorre a cerca de duas semanas de o Presidente chinês, Xi Jinping, visitar Portugal.

Ao lembrar que Portugal tem “uma postura de apoio ao multilateralismo”, Ferro Rodrigues sublinhou “a convergência” com Pequim, ao “considerar que os acordos internacionais são para se cumprir, e não para se rasgar”.

Desde a ascensão ao poder de Xi, a China passou a reclamar mais protagonismo na governação de questões globais, numa altura em que os Estados Unidos de Donald Trump rompem compromissos internacionais sobre o clima, comércio, migração ou o nuclear.

“Vive-se um momento em que é muito importante que haja capacidade de fazer frente a doutrinas unilateralistas, que estão a espalhar um pouco por vários países nacionalismos agressivos, que são perigosos”, disse Ferro Rodrigues.

O também líder parlamentar do Partido Socialista destacou ainda o “apoio e mobilização importante” de Pequim “na eleição de portugueses para funções importantes a nível internacional”, referindo os casos de António Guterres e António Vitorino, eleitos secretário-geral da ONU e director-geral da Organização Internacional para as Migrações, respectivamente.

Questionado sobre a crescente bipolarização entre Pequim e Washington, à medida que os EUA tentam contrariar as ambições chinesas no sector tecnológico e a assertividade da China no Pacífico, Ferro Rodrigues disse que Portugal vê o país asiático como uma nação que contribui para a paz.

“É evidente que a China é uma grande potência, não apenas uma grande potência económica, mas que tem também uma doutrina estratégica em termos de Defesa e em termos militares, que pode causar algumas dificuldades a alguns parceiros, sobretudo aqui na região, mas tradicionalmente temos visto a China como um país que tem dado contributos para a paz”, afirmou.

Ferro Rodrigues destacou ainda a “intensificação muito nítida do relacionamento bilateral, sobretudo no campo económico, com muitos investimentos chineses em Portugal, e com a perspectiva de que possa continuar a dar-se esse movimento”.

Desde a crise financeira global, em 2008, enquanto as economias desenvolvidas estagnaram, a China manteve altas taxas de crescimento económico, aumentando a quota no Produto Interno Bruto global de 6% para quase 16%.

O país asiático tornou-se, no mesmo período, um dos principais investidores em Portugal, ao comprar participações em grandes empresas das áreas da energia, seguros, saúde e banca, enquanto centenas de particulares chineses compraram casa em Portugal à boleia dos vistos ‘gold’.

Ferro Rodrigues é acompanhado, em Pequim, por membros das direções dos grupos parlamentares do PS, PSD, CDS e PCP.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários