Guerra Comercial | Pequim adia estabelecimento de empresas dos EUA

A China está a adiar a atribuição de licenças para empresas norte-americanas que querem operar no sector financeiro e outras indústrias do país, num período de crescentes disputas comerciais com Washington, revelou um grupo empresarial

Trata-se de um primeiro sinal de que as operações e acesso ao mercado chinês por empresas dos Estados Unidos serão afectados pela guerra comercial entre Pequim e Washington. A China tem retaliado a imposição de taxas alfandegárias pelos EUA ao punir o mesmo montante de bens importados daquele país. No entanto, devido ao superavit comercial chinês, aquela estratégia estará esgotada. A China vende três dólares em bens aos EUA por cada um que compra.

O atraso na atribuição de licenças inclui sectores que Pequim prometeu abrir a firmas estrangeiras, segundo Jacob Parker, vice-presidente do Conselho Comercial EUA-China, que reúne cerca de 200 empresas norte-americanas com negócios na China, citado pela Associated Press.

Em encontros realizados nas últimas semanas, funcionários do Governo chinês afirmaram que a atribuição de licenças está suspensa até que “a trajectória das relações entre EUA e China melhore e estabilize”, segundo Parker. As autoridades chinesas prometeram melhorar o acesso de empresas estrangeiras aos sectores bancário, seguros, bolsa e gestão de ativos. “Parece existir pressão política doméstica para acabar com a percepção de que empresas norte-americanas estão a receber benefícios durante as disputas”, afirmou.

Pingue-pongue

O Presidente norte-americano, Donald Trump, está a preparar uma nova ronda de taxas alfandegárias, de 25 por cento, sobre um total de 172 mil milhões de euros de importações oriundas do país asiático. Este valor soma-se a uma primeira ronda, que incidiu sobre 43 mil milhões de euros de importações chinesas, e que Pequim retaliou com taxas sobre o mesmo montante de bens importados dos EUA.

Um porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang, afirmou esta semana que a China “definitivamente adoptará contra-medidas”. Economistas advertiram já que Pequim deve agora ter como meta sectores como logística ou serviços de engenharia, em que os EUA detêm um excedente nas trocas com o país.

Pequim encorajou, no passado, o boicote a produtos japoneses ou sul-coreanos, durante disputas com os governos daqueles países. As autoridades chinesas costumam ainda recorrer à suspensão de licenças, impostos ou investigações anti-monopólio.
No centro das disputas com Washington está a política da China para o sector tecnológico, nomeadamente o plano “Made in China 2025”, que visa transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades em sectores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros eléctricos.

Os EUA consideram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos de Pequim em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege de competição externa.

Segundo Parker, os funcionários chineses têm demonstrado vontade para importar mais dos EUA, visando reduzir o deficit comercial, mas rejeitam em absoluto negociar a reforma industrial ou a sua política para o sector tecnológico.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários