Direitos Humanos | Pequim autorizou visita de médico sueco a Gui Minhai

AChina autorizou ontem que um médico sueco examinasse o editor sueco de origem chinesa Gui Minhai, detido no início do ano quando viajava com diplomatas do seu país, anunciou a ministra dos Negócios Estrangeiros do país nórdico. “Na segunda-feira 13 de Agosto, uma equipa médica sueca pode visitar o cidadão sueco detido Gui Minhai. Foi bom”, declarou Margot Wallstrom num comunicado enviado à agência France Presse.
Gui Minhai, 54 anos, editor e livreiro, que vendeu em Hong Kong obras que ridicularizavam o regime comunista, foi detido a 20 de Janeiro por polícias chineses quando seguia com dois diplomatas suecos num comboio para Pequim, onde tinha marcada uma consulta.
O editor pretendia consultar um especialista sueco, temendo ter esclerose lateral amiotrófica.
Wallstrom, que não deu informações sobre o estado de saúde de Gui Minhai, nem pormenores sobre a visita da equipa médica, reiterou o pedido de libertação do editor. “Gui Minhai deve ser libertado e autorizado a juntar-se à sua família”, declarou, adiantando que a Suécia prossegue o seu “trabalho intensivo” com esse objectivo. A União Europeia também já pediu às autoridades chinesas que libertem Gui Minhai, assim como dezenas de activistas e defensores dos direitos humanos sob custódia.
Gui já tinha desaparecido em 2015 quando passava férias na Tailândia, antes de reaparecer num centro de detenção chinês e “confessar” o seu envolvimento num acidente rodoviário ocorrido vários anos antes.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários