PARTILHAR
REUTERS/Ueslei Marcelino

A selecção portuguesa prosseguiu ontem animada e na máxima força a preparação para o embate de quarta-feira com Marrocos, em Moscovo, da segunda jornada do grupo B do Mundial2018. A descontracção continua a ser uma imagem de marca da equipa das ‘quinas’ e que teve como exemplo o facto de, a determinada altura do treino, Cristiano Ronaldo e Quaresma terem realizado o exercício de passes ao primeiro toque com Jorge Rosário, um dos colaboradores mais velhos do grupo que assiste o seleccionador Fernando Santos.
Nos 15 minutos abertos à comunicação social, novamente ‘reforçada’ com muitos órgãos internacionais, foi possível perceber que a intensidade e competitividade, até nos treinos, persiste no ADN luso. “Bola rápida! Bom! Bom! Bom!”, ouvia-se, uma e outra vez, o adjunto João Costa, com a missão de articular os exercícios no tapete do centro de estágio do FC Saturn, em Kratovo, 50 quilómetros sudeste de Moscovo, onde se trabalhou os passes em progressão e ao primeiro toque.
Os guarda-redes Rui Patrício, Beto e Anthony Lopes evoluíram à parte com Fernando Justino, sendo presumivelmente reintegrados mais tarde para a provável ‘peladinha’, já que estavam ‘montadas’ duas balizas, separadas por apenas um quarto do terreno.
O avançado André Silva admitiu ao jornalistas que considera Portugal “mais forte do que Marrocos”, mas avisou para a imprevisibilidade que são os desafios num Mundial de futebol. “Considero Portugal mais forte do que Marrocos e várias outras selecções, mas não quero estar a dizer que vamos vencer que vai ser fácil. Temos todo o respeito por todas as selecções. Todos os jogos são difíceis, ainda por cima num mundial. Mentiria se não dissesse que não éramos mais fortes”, assumiu.
André Silva foi suplente na estreia de Portugal no Mundial2018, com empate 3-3 com a Espanha em Sochi, com um ‘hat-trick’ de Cristiano Ronaldo, porém deve recuperar um lugar no eixo do ataque ao lado do ‘capitão’, com quem jogou toda a fase de qualificação. A equipa das ‘quinas’ é quarta do ranking FIFA, enquanto Marrocos está em 41.º lugar.

Péssimas recordações
Contudo, a selecção portuguesa tem as piores recordações da sua congénere de Marrocos, já que o único confronto com os africanos acabou em derrota, por 3-1, que custou o adeus ao Mundial de 1986, no México. A 11 de junho de 1986, em Guadalajara, a formação das ‘quinas’ chegou ao terceiro encontro da fase de grupos com um triunfo por 1-0 sobre a Inglaterra, e um desaire, pelo menos resultado, frente à Polónia e com o apuramento para os ‘oitavos’ em aberto.
O ambiente estava, no entanto, degradado, bem como as condições de treino da selecção lusa, que chegou a fazer um jogo de treino contra empregados do hotel onde a equipa estava instalada. A formação das ‘quinas’ acabou, no entanto, por ser surpreendida pelos marroquinos, que, com espaço para jogar, conseguiram dois golos na primeira meia hora, ambos apontados por Abdelrazzak Khairi, aos 19 e 27 minutos. Na segunda parte, Diamantino Miranda ainda reduziu, mas já era tarde de mais para Portugal, que saiu da pior forma do Mundial de 1986, num grupo que apurou as restantes três selecções para os ‘oitavos’.
Trinta a dois anos depois, Portugal e Marrocos voltam a encontrar-se, depois de uma primeira ronda do Grupo B do Mundial de 2018 em que a equipa lusa empatou 3-3 com a Espanha, graças a três golos de Cristiano Ronaldo, e os africanos perderam por 1-0 com o Irão, por culpa de um autogolo nos descontos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here