PARTILHAR

F oi na infância que Kam Ying Lee teve o primeiro contacto com o mundo das artes. As aulas de piano marcaram a jovem local, que com o passar do tempo trocou as teclas do piano pelos média digitais. Aos 27 anos, encontra-se em Los Angeles, a tirar um mestrado em Média Interactivos para Performance, e foi nos Estados Unidos que mostrou ao público os seus últimos trabalhos.

“Sempre quis estar envolvida no mundo das artes desde a minha infância. Nessa altura, estava exposta principalmente à música porque aprendi a tocar piano. Mas com o passar do tempo desenvolvi um maior interesse pelas artes visuais, até que, na universidade, comecei a trabalhar com tecnologias digitais. Neste momento, a maior parte dos trabalhos que desenvolvo são focados nas componentes áudio e visual”, contou Kam Ying Lee, que tem como nome artístico Kamyi Lee.

Antes de ingressar no Instituto de Artes da Califórnia, e quando ainda estava no território, optou, primeiro, por se licenciar em Comunicação na Universidade de Macau. Uma licenciatura que encarou como a melhor opção para se preparar para o que antevia como a carreira: “Decidi estudar artes porque é através dessa forma que quero exprimir e as minhas ideias. Quero que as pessoas compreendam o que vejo e o que quero partilhar”, contou.

 

Design gráfico

Concluídos os estudos, Kam Ying Lee focou-se essencialmente no design gráfico, com a paginação de revistas locais, livros entre outros mais. “É uma área que sempre me interessou muito, ainda hoje me interessa, mas por agora estou mais focada nos meios digitais”, reconhece. “No fundo, o que tenho feito ainda está intimamente ligado ao design gráfico, só que estou a trabalhar com outros meios. Tenho um âmbito mais alargado, com outras plataformas”, frisou.

Foi neste período, entre 2013 e 2014, que através da participação no Festival de Artes de Macau envolveu nos espectáculos “Mapping: Fabricado em Macau I e II” e “Um Sonho de Luz”. Os primeiros espectáculos projectaram imagens, combinadas com elementos áudio, sobre a Praça do Tap Seac e Casa do Mandarim, o segundo, em que desempenhou a função de assistente de produção aconteceu com a projecção de imagens sobre as Ruínas de São Paulo.

“O espectáculo Um Sonho de Luz mudou um pouco a forma como vejo a zona das Ruínas de São Paulo. O projecto estava integrado no Festival de Artes de Macau, era uma grande equipa e tivemos cerca de 10 meses para prepará-lo. Envolveu muita pesquisa e isso permitiu-me ter uma melhor compreensão daquela zona”, reconhece Kam Ying Lee. “É uma das minhas zonas favoritas em Macau”, acrescenta.

 

Mudança para os EUA

Com o avançar do tempo, Kamyi sentiu necessidade de se desafiar, seguir o seu caminho e continuou a desenvolver técnicas de trabalho. Por esta razão, decidiu mudar-se para os Estados Unidos. Mesmo que implicasse ficar sem trabalhar durante algum tempo.

“Estava um bocado aborrecida em Macau, sentia que precisava de mexer um pouco com a minha vida e de me afastar para fazer um caminho meu. Também estou numa área em que nem sempre há projectos em Macau, por isso ir estudar para fora foi uma opção para me continuar a desenvolver”, sublinha.

O facto de ter um irmão mais velho, fez com que a família aceitasse com naturalidade a mudança: “Sou a segunda filha e o meu irmão tem assumido o principal papel financeiro. Tenho sido a mimada da família e por isso os meus pais deixam-me fazer o que quero, desde que mantenha a independência financeira”, admite, em tom divertido.

 

Saudades da Chuva

Mas se o aspecto profissional e educativo tem entusiasmado Kamyi, que em dois anos desenvolveu seis projectos, alguns dos quais integrados no mestrado, por outro lado, a residente de Macau, nascida em Hong Kong, admite que sente saudades do território.

“Tenho sempre muitas saudades, do ambiente da cidade, do mar, porque nos Estados Unidos vivo mais afastada do oceano, das pessoas e de falar cantonense de forma regular”, confessa, apesar de dominar fluentemente o inglês. “Nos primeiros tempos foi difícil encontrar pessoas que falassem cantonense, e ainda hoje não conheço muitas. Portanto, acaba por haver essa saudade”, justifica.

Nos últimos dias, com a passagem do tufão Ewiniar, ter saudades pode parecer estranho, contudo, Kamyi admite que depois de dois anos a viver quase num deserto, que se sentem bem nestas condições: “Tenho saudades da chuva, porque estou há dois anos quase numa zona de deserto e isso muda-nos perspectiva”, frisa.

Foi também a chuva que serviu de inspiração para a sua última instalação em Los Angeles, que teve com o nome: The Peach Blossom Land. O trabalho consistiu numa série de chapéus-de-chuva com luzes LED, numa sala escura, presos ao tecto, que as pessoas podia mover à vontade. A partir do movimento das pessoas, as luzes mudavam também de cor, variando entre o vermelho, azul e verde.

“A arte para mim tem de ser interactiva. É diferente ficar a apreciar um trabalho de forma passiva e poder mexer-lhe e interagir sobre ele. Para mim, é muito mais significativo envolver as pessoas”, explicou sobre o conceito. “Se estivermos de fora e virmos as pessoas a interagirem com a instalação, e eu fiz isso, há um significado especial. Para mim se fizer um trabalho e as pessoas não interagirem, não se envolverem, sinto que a exposição não está completa”, acrescentou.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here