PARTILHAR

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, revelou que analisou com o homólogo chinês, em visita a Portugal, “novas oportunidades de investimento de empresas chinesas em Portugal, designadamente industrial”.

Após “uma reunião muito proveitosa” com o Conselheiro de Estado e ministro dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China, Wank Yi, o membro do Governo português anunciou também a possibilidade de aumentar as exportações portuguesas para aquele mercado asiático.
“Também estão em curso na China processos de inspecção sanitária muito importantes para o desenvolvimento das exportações portuguesas para o mercado chinês, designadamente produtos na área agropecuária e alimentar”, referiu Augusto Santos Silva, acrescentando que espera que “esse processo esteja concluído ainda este ano”.
Augusto Santos Silva afirmou também que Portugal “está muito interessado em participar na grande iniciativa desenvolvida pela China, conhecida como nova Rota da Seda”. O ministro português aludiu às “razões geográficas e económicas” do país para afirmar que Portugal “pode ser um bom ponto de encontro entre a faixa terrestre e a rota marítima da nova Rota da Seda”.
Assinalando que o país asiático “é o sexto fornecedor de bens a Portugal”, o governante realçou que “o aumento das exportações portuguesas para a China significará que ambos os países beneficiam de uma relação comercial cada vez mais importante”. Santos Silva declarou que “as relações entre os dois países são excelentes”, sustentando que a “razão dessa excelência” funda-se “na mesma visão sobre a ordem internacional baseada em regras, baseada no multilateralismo”.
“Portugal e China estão unidos na defesa de uma globalização inclusiva que todos possam beneficiar, na defesa do comércio internacional, na resistência ao regresso de formas de proteccionismo comercial”, disse.
Augusto Santos Silva ressalvou “a importância” que ambas as nações dão “às agendas essenciais para o futuro da humanidade, a agenda do Acordo de Paris e a agenda do Clima ou a agenda dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável”.

Outono em Pequim
O ministro afirmou que tem uma visita prevista para a China “no próximo Outono”, também para preparar a estada do Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, em Portugal no fim deste ano.
Augusto Santos Silva limitou-se a dizer que “se trata de uma operação de mercado que dever ser acompanhada pelas entidades reguladoras competentes”, sem se ter referido a hipotética alteração à lei que facilita a OPA chinesa na EDP.
O Conselheiro de Estado e ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi frisou que “China e Portugal ficam nos dois extremos do continente euro-asiático, mas as relações e laços entre os dois países são estreitas”.
Wang Yi assinalou que, “especialmente nos últimos anos”, Portugal tem mostrado “espírito de abertura e inclusão” e em “expandir a cooperação e fazer com que a Parceria Estratégica Global seja elevada para um novo patamar”. “Vamos manter a nossa cooperação e aumentar a nossa confiança política, para consolidar a relação bilateral”, afirmou Yi, manifestando agrado pela possibilidade de Portugal, que goza de “uma posição privilegiada”, constituir “um parceiro para a construção de uma rota da seda” e “formar Portugal como país estratégico”.
Salientando a “abertura mais inclusiva chinesa a investimentos estrangeiros”, Wang Yi notou que a China pretende “aumentar a importação de produtos agrícolas de Portugal e explorar novas oportunidades na área da energia e do financiamento”.
Portugal e China estabeleceram uma Parceria Estratégica Global em 9 de Dezembro de 2005, para reforço da cooperação em vários domínios, com especial enfoque para o diálogo político, a economia, a língua, a cultura e a educação, a ciência e tecnologia, a justiça e a saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here