PARTILHAR

O Ano de Galo não foi, por muitas razões, de feição. Que o animal era bravo, bem o sabíamos, mas o aviso não evitou os sobressaltos, as convulsões, as guerras, as doenças, os desatinos.

Os de nós que ainda aqui estão lembrar-se-ão de um ano de Trump, de Putin, de Xi Jinping. Noutro plano, de Duterte, Maduro, Kim Jong-un. Um ano a antever perigos, catástrofes, aniquilações massivas, secas e cheias, escândalos e, sobretudo, uma sensação de impotência perante o espectáculo do mundo.

Neste século XXI não existem baias. Tudo parece ser possível, mesmo o que há muito pouco tempo se julgava impossível. E isto deixa-nos náufragos de bóia em bóia, no ciberespaço ou na vida. O Galo deixa-nos de crista murcha. Foi um ano que não prestou.

Entra agora o Cão, de cauda hirta, desconfiado, a cheirar os cantos e a manter precavida distância. Há que o mimar, estender-lhe a mão e guloseimas, brindá-lo com festas sem de afagos o submergir.

O Cão gosta de donos, não de mordomos. É um animal que num ápice nos sente e nos entende. Ele sabe o que aí vem. Raramente tem dúvidas e nunca se engana. Às vezes, mas só às vezes, é o dono que o leva ao engano, ao disparate, à dentada cega.

Como escreveu Ptolomeu, a astrologia nada diz, mas já disse tanta coisa. Quanto mais não seja, elaborou uma lista de tipos, de carácteres, de previsibilidades. Errada ou certa, ela está aí para consulta.

Melhor que o destino, é a fé. Avançar sem medo de rosnadelas ou de latidos da cãozoada. Acreditar em tudo e em nada, mas não nos contentarmos com o osso. Uivar à Lua. Esquecer a coleira. Numa palavra, ser lobo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here