PARTILHAR

O Conselho Mundial da FIA que se realizou na pretérita semana em Paris ditou o fim esperado do Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCC). A partir de agora, o campeonato passa a ser uma Taça do Mundo FIA. A WTCR – FIA World Touring Car Cup será promovida pela mesma empresa que liderou o WTCC nos últimos treze anos, o Eurosport Events Limited, mas os carros mudam. Esta metamorfose deverá ter reflexos no Grande Prémio de Macau.

Para além da troca de denominação, o campeonato será agora apenas para equipas privadas, deixando claramente de fora a presença de equipas das marcas. Visto que o Eurosport Events adquiriu por dois anos os direitos da regulamentação TCR aos organizadores do campeonato TCR International Series, o campeonato passa a aceitar apenas os carros da categoria TCR, vistos entre nós na Corrida da Guia em 2015 e 2016.

Depois de dois anos de ausência, o WTCC regressou ao Circuito da Guia no passado mês de Novembro. O calendário do WTCR 2018 não foi anunciado no Conselho Mundial da FIA, mas circula pelas equipas interessadas no campeonato uma versão provisória onde Macau é a última prova da temporada.

“O calendário de 2018 da Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo será anunciado no devido tempo”, afirmou François Ribeiro, o CEO do Eurosport Events, quando questionado pelo HM. “Não podemos comentar eventos individuais até os acordos estarem finalizados, mas é a nossa intenção incluir vários eventos que apareceram no calendário do WTCC nos últimos anos.”

Uma certeza é que o calendário de 2018 do WTCR será composto por dez eventos e passará por quatro continentes: África, América, Ásia e Europa.

Pilotos locais

De Paris também saiu a informação que um mínimo de dois carros por equipa podem inscritos na temporada completa, com um preço de inscrição de €150,000 por equipa. Haverá um tecto máximo de 26 carros para a época toda, mas em cada prova a organização abrirá a grelha de partida a dois pilotos convidados (wildcards).

“Definitivamente, o facto dos carros TCR substituírem os TC1 será mais favorável aos pilotos locais que queiram correr no Grande Prémio”, admitiu Mak Ka Lok, ao HM.

Pilotos como Filipe Souza e Mak Mak Lok, que disputaram este ano provas do WTCC, poderão assim usufruir destes dois “wildcards” para regressarem à Corrida da Guia, caso não haja lugares livres nos 26 inicialmente inscritos. Dada a impossibilidade de alugar um carro da anterior geração (TC1), sem ser a equipas regulares do WTCC, os preços praticados pelas equipas eram sempre bastante inflacionados. Por outro lado, o custos de colocar a correr um TC1 eram já por si mais caros, atingindo valores acima de meio milhão de patacas por prova do WTCC.

Para além dos custos inferiores em volta de um carro TCR, estas viaturas já são utilizadas em mais de vinte campeonatos em todo o mundo, tendo mesmo competido este ano no campeonato de Macau de carros de Turismo (MTCS) e sido integrados na Corrida da Taça Chinesa do 64º Grande Prémio de Macau. Alfa Romeo, Audi, Ford, Honda, Hyundai, KIA, LADA, Opel, Peugeot, Renault, SEAT, Subaru e Volkswagen são os constutores que já têm carros homologados para este campeonato.

Implicação no programa

Outra novidade do WTCR será o formato do fim-de-semana e este poderá ter implicações no programa do Grande Prémio de Macau do próximo ano, visto que cada fim-de-semana passa a ter três corridas, em vez das duas habituais. A primeira corrida será disputada ao sábado e a segundo e terceira no domingo.

Para além do número de corridas aumentar, também haverá duas sessões de qualificação por prova, uma a mais que anteriormente, e duas sessões de treinos-livres. Com o intuito de reduzir os custos, cada fim-de-semana de prova será composto por apenas dois dias – sábado e domingo – mas a exemplo do que aconteceu no passado, os organizadores do campeonato poderão ser forçado a alterar o formato habitual consoante as circunstâncias do evento onde o WTCR está inserido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here