PME | Paulo Macedo diz que BNU vai reforçar apoios

O presidente-executivo da Caixa Geral de Depósitos garantiu, no âmbito de um encontro com Chui Sai On, que o BNU vai proporcionar mais apoios financeiros para as empresas de pequena dimensão, sem esquecer o sector do retalho. Paulo Macedo está em Macau no contexto da celebração dos 115 anos do banco local

Paulo Macedo chegou a ser ministro da saúde em Portugal, mas é na qualidade de presidente-executivo do grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD) que tem estado em Macau para uma visita que marca a celebração do 115º aniversário do Banco Nacional Ultramarino (BNU).

À margem das festividades, Paulo Macedo tem reunido com governantes locais. Após um encontro com o Chefe do Executivo, Chui Sai On, foi anunciado que o BNU vai aumentar o apoio às Pequenas e Médias Empresas (PME) e ao desenvolvimento do sector do retalho no território.

De acordo com um comunicado oficial distribuído no final da audiência, Paulo Macedo lembrou que o BNU “explora actividades em todos os países de língua portuguesa” e, por isso, acredita que o banco vai “certamente contribuir com o seu papel e potencialidades para que Macau se torne na plataforma de serviços comerciais entre a China e o mundo lusófono”.

O Chefe do Executivo recordou que o BNU está estabelecido em Macau “há muitos anos, é uma importante instituição financeira e um dos bancos emissores de moeda e que tem desempenhado um papel muito importante no desenvolvimento económico e na manutenção da segurança e estabilidade do sistema financeiro” do território.

O governante assegurou ainda que, “no futuro, o Governo da RAEM irá, tal como sempre, apoiar o desenvolvimento do BNU e das actividades financeiras de Macau, bem como, em conjunto com esta instituição financeira, envidar os maiores esforços em prol do progresso económico” local.

Chui Sai On lembrou que o Governo da RAEM, “com o forte apoio do Governo Central”, dedica-se, designadamente “à participação activa no projecto nacional ‘Uma Faixa, Uma Rota’, na estruturação da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e no fortalecimento do papel de plataforma de serviços de cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa”.

Por isso, de acordo com o documento distribuído aos jornalistas, o Chefe do Governo disse acreditar que “o sector financeiro de Macau, que inclui o BNU, irá aproveitar estas oportunidades para explorar mais espaço de desenvolvimento”, esperando também que o banco “possa aproveitar as potencialidades existentes na rede de actividades dos países de língua portuguesa para, em conjunto com o Governo da RAEM, alcançar a meta da implementação de uma plataforma entre a China e a lusofonia e promover a diversificação económica adequada”.

Promessas feitas

No encontro participaram, entre outros, o presidente executivo do BNU, Pedro Cardoso, e a chefe do Gabinete do Chefe do Executivo, O Lam.

Na quinta-feira, à margem da cerimónia comemorativa dos 115 anos do banco, Paulo Macedo tinha afirmado que o BNU vai desempenhar um papel ainda mais activo na promoção de negócios entre o território, a China e os países lusófonos.

Para a CGD, Macau e o BNU são uma porta da China para os países lusófonos, em termos de negócio e trocas comerciais, afirmou o responsável

A CGD está presente em sete países lusófonos e é líder em cinco: Portugal, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Em 2003, a China estabeleceu a RAEM como a plataforma para o reforço da cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários