BNU | Actividade entre Macau, China e países lusófonos vai crescer

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) considerou ontem, em Macau, que o Banco Nacional Ultramarino (BNU) vai desempenhar um papel ainda mais activo na promoção de negócios entre o território, a China e os países lusófonos.

À margem da cerimónia do 115.º aniversário do BNU, que contou com a presença do chefe do Executivo, Chui Sai On, Paulo Macedo disse que o BNU é “um negócio saudável num mercado extremamente competitivo” e que “está a crescer”, tal como a região, o que é “obviamente importante” para a CGD, grupo que o BNU integra.

Para a CGD, Macau e o BNU são uma porta da China para os países lusófonos, em termos de negócio e trocas comerciais, afirmou o responsável, numa referência ao centro de compensação de reminbis para o mundo lusófono [câmaras de compensação no âmbito das trocas comerciais realizadas em reminbis entre a China e os países lusófonos].

“Os projectos à volta do reminbi são vários, Portugal tem estado em conversações com a China para poder vir a emitir, no futuro, dívida em reminbi”, afirmou.

“Este é um negócio que queremos ver crescer e que será mais alto, em termos dos Países de Língua Portuguesa e também em termos de Portugal”, sublinhou.

Somos o primeiro

Paulo Macedo lembrou que o BNU está presente em Macau há 115 anos e é o primeiro banco-emissor de papel-moeda no território, lembrando que a CGD está presente em sete países lusófonos e é líder em cinco: Portugal, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

“A CGD tem vários produtos em reminbi e o BNU autoriza as várias operações de importação e exportação em reminbis. Faz todo o sentido estar numa região do mundo que está a crescer e representa uma oportunidade para a China, Portugal e para os Países de Língua Portuguesa”, acrescentou Paulo Macedo.

Este papel de promoção de negócios entre Macau, China e os Países de Língua Portuguesa será “ainda mais activo” com a abertura da agência do BNU em Hengqin (ilha da Montanha), em Janeiro passado, e da representação da CGD em Xangai.

Para o presidente executivo do BNU, Pedro Cardoso, o principal desafio “num mercado imenso” como é a China, em fase de internacionalização e expansão, é “saber escolher cuidadosamente quais as oportunidades imediatas e a médio e a longo prazo”.

Pedro Cardoso afirmou que o grande projeto chinês de infraestruturas “Uma Faixa, Uma Rota” é, na medida em que inclui os Países de Língua Portuguesa, sobretudo em África, “uma oportunidade muito grande para o grupo CGD e BNU”.

Por outro lado, se o conceito da iniciativa “Grande Baía de Guangdong-Macau-Hong Kong” ainda está por precisar, o BNU, através da presença na província de Guangdong, “pretende obviamente aproveitar as oportunidades decorrentes deste projecto”, sublinhou o responsável.

Depois da abertura da agência na ilha da Montanha, o BNU conta com dois grupos de clientes, os de Macau com operações na China continental, em particular Guangdong, e as empresas portuguesas.

“Este segundo grupo talvez não seja o mais importante em termos de valor de negócios, mas temos mantido um diálogo muito proveitoso que em breve se irá traduzir em negócio”, afirmou Pedro Cardoso aos jornalistas.

Além de Chui Sai On, estiveram presentes no aniversário do BNU o secretário para a Economia e Finanças de Macau, Lionel Leong, o director-geral do departamento de Assuntos Económicos do gabinete de ligação do governo da China, Liu Bin, um representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhang Jian, e o cônsul-geral de Portugal, Vítor Sereno, entre outros.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários