China e Alemanha preenchem lacuna de liderança deixada pelos EUA

O presidente americano é um bónus para as outras potências mundiais.

Os EUA tradicionalmente assumem a liderança na procura de abordagens comuns aos grandes problemas mundiais do momento nas cimeiras do G-20. Mas não desta vez. Quando os líderes mundiais se reunirem em Hamburgo na sexta-feira, China e Alemanha vão tentar usurpar esse papel aos EUA.

As duas potências industriais da Ásia e da Europa estão a ser incentivadas a formar uma aliança informal para assumir a batuta da liderança que os EUA perderam desde que o presidente Donald Trump tomou posse no começo deste ano, de acordo com diplomatas e autoridades de diversos integrantes do G-20.

A situação cristalizou-se antes da reunião anual do G-20 deste ano, que será realizada no mais movimentado porto comercial da Alemanha. Pela primeira vez desde a fundação do grupo, os EUA serão representados por um presidente adepto do proteccionismo, abandonando décadas de uma fervorosa defesa do comércio livre por parte dos EUA.

“O carácter estratégico das relações entre China e Alemanha está continuamente a ganhar importância”, disse o presidente chinês, Xi Jinping, num artigo publicado na terça-feira no jornal alemão Die Welt. Os dois países “deveriam intensificar a cooperação para implementar ‘Uma Faixa, uma Rota da China’ e contribuir conjuntamente para a segurança, a estabilidade e a prosperidade dos países vizinhos”.

Os EUA também se isolaram em relação ao aquecimento global na cimeira realizada em Maio pelo G-7 em Itália, onde o comunicado final se dividiu em seis contra um nesta questão. Desta vez, Trump corre o risco de ficar sozinho contra uma frente unida de aliados europeus, vizinhos como o Canadá e o México, e antigos inimigos dos EUA na Guerra Fria nos dois tópicos mais importantes da cimeira.

Na condição de anfitriões actual e anterior, a chanceler alemã Angela Merkel e Xi Jinping teriam trabalhado juntos na programação do G-20 de qualquer modo. No entanto, três visitas do primeiro-ministro chinês Li Keqiang à Alemanha até o momento, a mais recente no mês passado, sugerem que os dois países estão alinhados para ocupar um espaço maior que, pelo menos temporariamente, os EUA deixaram vazio na presidência de Trump.

“A nova aproximação entre China e Alemanha aconteceu por causa da situação Trump”, disse Diego Ramiro Guelar, embaixador em Pequim da Argentina, que também integra o G-20. “Os dois líderes mais importantes do mundo no momento são o presidente Xi e a chanceler Merkel.”

Interesses comuns

Os vínculos entre a China e a Alemanha têm se fortalecido há anos, graças a interesses económicos comuns que não enfrentam obstáculos como as rivalidades geopolíticas que complicaram as relações entre Pequim e Washington muito antes da eleição de Trump. A Alemanha precisa de mercados para os seus veículos e máquinas industriais de ponta, e a China deseja-os — tanto que comprou a companhia alemã de robótica Kuka.

Os EUA “deixaram uma espécie de lacuna” na região quando abandonaram a proposta do acordo de comércio livre Parceria Transpacífico, disse Michael Clauss, embaixador da Alemanha em Pequim, em entrevista recente com jornalistas. O objectivo do acordo era construir um bloco de livre comércio centrado nos EUA entre os países do Círculo do Pacífico, do Chile ao Vietname, como alternativa às iniciativas mais dominadas pela China, como “Uma Faixa, uma Rota”. Trump retirou os EUA dos planos da Parceria Transpacífico um dia depois de tomar posse.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários