PARTILHAR

Macaense com ascendência portuguesa, chinesa e “desconhecida”. É assim que Carla Rego Lopes começa por se apresentar. Nascida e criada em Macau, desde pequena que vai com regularidade a Portugal. “A primeira vez tinha eu quatro anos”, recorda. Da infância não tem muitas memórias, a vida era simples e, talvez, pouco entusiasmante. “Andava no colégio inglês, a minha vida era ir para a escola, depois das aulas seguia para as explicações e depois ia para casa”, resume. “Não era de todo interessante.”

Talvez por isso considere Macau como um lugar “com pouco interesse”. O percurso da juventude foi comum: “Fiz o trajecto normal de quem frequenta a Escola Portuguesa. Acabei o ensino secundário, fiz as malas para ir para Portugal tirar o curso superior”, afirma.

A opção foi Gestão. Era “do mal, o menos”. “Não tinha jeito nenhum para as letras, apesar de ser boa a apanhar línguas estrangeiras, mas não se vive disso. Por outro lado, não tinha grande aptidão para ciências, como a física e a química, pelo que acabei por optar por uma ciência social.” 

Terminado o curso, não pensava em regressar ao território, mas a vida dá muitas voltas. Numa altura em que os empregos em Portugal já não eram certos, cansada de trabalhar em pequenas empresas e de contar tostões, optou por tentar a sorte “noutro tipo de entidades”. Acabou por entrar numa instituição bancária onde ficou 11 anos, até a crise ditar novas mudanças. Depois de quase um ano no fundo de desemprego, aproveitou uma viagem do pai a Portugal e regressou com ele ao território. 

Voltar para Macau foi sentido como “uma coisa que tinha de fazer” para ultrapassar a ausência de emprego. Não foi desejado, mas “não está a correr mal”, afirma.

No entanto, no que respeita à vida do quotidiano, Carla Lopes considera que o território mantém as características que sempre considerou negativas e que “não mudou muito”. “Há uma mentalidade ainda muito fechada. Há várias comunidades distintas que não se juntam: os portugueses, os macaenses, os chineses do Continente e os estrangeiros”, aponta. “É tudo muito segmentado.” Por outro lado, considera que a comunidade macaense continua a ser muito fechada, apesar de a sua própria natureza implicar uma troca cultural.

Considera-se sempre dividida. “Eu faço e não faço parte da comunidade macaense. Não me identifico. Se calhar identifico-me mais com a portuguesa”, diz. A razão, aponta é que “os macaenses ainda têm muito a ideia de que eles são portugueses e nós somos daqui”. Um pensamento muito territorial, sublinha, que é o reflexo de uma herança dos tempos da Administração portuguesa. “Na altura os macaenses não tinham lugar nos cargos públicos de maior relevo”, justifica.

Viajar para arejar

O regresso a Macau aconteceu há quatro anos. Para desanuviar, dedica-se às viagens. A paixão é antiga e agora representa “uma forma de sair daqui”. Macau é um sítio privilegiado para viajar, “está próximo de vários países e as viagens acabam por ficar relativamente baratas”. Este lado do mundo também é muito diverso no que respeita a opções. “Há o Japão, por exemplo, e depois o Sudeste Asiático com uma cultura e uma dinâmica completamente diferentes”, diz. A China Continental não está nas prioridades, mas coloca a hipótese de visitar Xangai, “talvez por ser uma cidade mais cosmopolita”. 

Carla Rego Lopes assistiu também, de perto, ao desenvolvimento de Macau. Actualmente, refere, “estamos perante um boom insustentável”. “Teoricamente deveria ser impossível o que se está a passar no território”, diz. Outra preocupação “é a falta de diversidade”. “O problema é que está tudo direccionado para o jogo e, com isso, assiste-se a outro fenómeno assustador, o da especulação imobiliária que impossibilita que se viva no território”, lamenta. 

Mas o que mais me preocupa é o que vai acontecer quando outros países asiáticos se abrirem ao jogo.” Nessa altura, pensa, Macau pode ter tudo a perder. Carla Lopes acredita que países como o Japão e o Camboja podem vir a ser muito mais competitivos e constituir uma ameaça para Macau. A razão é simples: “Geograficamente são muito maiores e já desenvolveram outros tipos de oferta para os visitantes”. “Assim sendo, mesmo as pessoas que vão jogar podem optar por estes lugares onde podem também fazer outras coisas e, infelizmente, ainda não temos muito mais para oferecer do que o jogo”, lamenta a macaense, sendo que “quando o jogo começar a decair não se sabe o que as pessoas vão fazer”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here