Fricção Científica

Estamos mais perto do futuro do que julgamos. O mundo do sexo, que já é pouco complexo, terá formas de inteligência artificial em corpos robóticos de silicone já no final deste ano, pela singela quantia de 15.000 dólares americanos. Quais serão as consequências do crescente realismo irreal, do desenvolvimento tecnológico cada vez mais fiel à forma humana? Ninguém sabe. Há opiniões mais optimistas e outras mais pessimistas, com argumentos sensatos para ambos os lados.

Claro que este debate não teve o seu início agora, i. e., agora que querem incluir Inteligência Artificial (IA) nas famosas bonecas de borracha. Toda a discussão sobre a objectificação sexual começou assim que se começaram a criar estes objectos que pretendem ser substitutos ao sexo com um outro ser humano. Por exemplo, as bonecas de borracha são desenhadas de forma a agradar o público consumidor e por isso têm corpos atípicos para a normalidade feminina. Um pouco como o problema da Barbie, se estas bonecas de facto andassem teriam proporções que as incapacitariam de andar de todo. Rabos grandes, mamas gigantes, lábios carnudos, mamilos como vocês preferissem. Estas bonecas que são desenhadas à luz dos desejos do seu comprador reflectem que as escolhas sexuais actuais estão muito enviesadas para reflectir o mundo da pornografia – e não o mundo que consideramos real.

O que o desenvolvimento tecnológico agora permite é adicionar um discurso coerente e dialógico para dar vida a estes objectos. Confesso: assim que vi um vídeo de uma boneca de silicone a interagir com um ser humano, a explicar-lhe as suas preferências sexuais (diz ela que gosta de homens e mulheres por igual) e que fará de tudo para se tornar na melhor companhia possível (diz ela que quer satisfazer os desejos do seu dono), fiquei um tanto ou quanto incomodada. Por mais que os criadores reforçassem a ideia de que este tipo de produto está a ser desenvolvido porque (1) há procura e (2) vai fazer muita gente muito feliz, fiquei presa em conversas comigo própria sobre ética, em particular, a ética dos robots. Estão a ser criados objectos à imagem do corpo humano que falam como humanos mas que não têm livre arbítrio. Estas são ‘coisas’ que supostamente irão substituir certas relações humanas – de alguém que não existe e nunca existirá. Todos temos vontades, apetites, preferências e desejos que quando duas pessoas se encontram poderão entrar em conflito. Com um robot que fala (ainda por cima) poderemos moldá-lo exactamente como o quisermos e não teremos que nos dar ao trabalho de ceder ao que quer que seja. Estes robots (e outros) representarão a escravatura do séc. XXI, mas não há problema, porque o robot não sente absolutamente nada! Não sente dor nem injustiça! Não estaremos a maltratar ninguém porque o robot é desprovido de consciência ou de humanidade ( mas que em breve poderá sentir… os engenheiros que se debruçam no projecto querem desenvolver mecanismos sensoriais para que o robot possa chegar a atingir um orgasmo… um robogasm).

Há campanhas que querem banir o desenvolvimento destas tecnologias para tais fins, mas há quem entenda que isto até pode ser um passo importante para a forma como percebemos o sexo e as relações humanas. Todo o desenvolvimento tecnológico em redor da indústria do sexo tem permitido que uma diversidade de pessoas tivesse direito a uma vida sexual mais digna. Das opiniões que li, há relatos acerca do uso de tecnologia para o desenvolvimento de ferramentas ao auxílio de quem já não pode ter sexo. Os robots do sexo seriam um passo ainda mais adiante capaz de, por exemplo, satisfazer adultos com dificuldades de aprendizagem e que não são capazes de levar a cabo a sua sexualidade nas formas que nós melhor conhecemos.

Os medos e os anseios são reais e estão associados ao desenvolvimento tecnológico em geral. Se ficamos ansiosos porque não sabemos exactamente como os smartphones andam a influenciar as nossas vidas, o mesmo acontecerá com estes robots que vêm do mundo do sexo. Esse mundo polémico e complicado… mas que traz felicidade a muitos.

Destaque

Os medos e os anseios são reais e estão associados ao desenvolvimento tecnológico em geral. Se ficamos ansiosos porque não sabemos exactamente como os smartphones andam a influenciar as nossas vidas, o mesmo acontecerá com estes robots que vêm do mundo do sexo

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários