Livro | Shee Va publica obra sobre a ópera no território

É o primeiro de três tomos dedicados às óperas a que a cidade assistiu. O médico Shee Va foi à procura do passado musical da cidade e passou-o a livro, com a ajuda de uma personagem que tem o tempo de vida do Festival Internacional de Música

 

Pouco antes de Macau se ter despedido da administração portuguesa, a “Aida” veio ao território. Onze anos antes, Ileana Cotrubas explicava, numa “Traviata” na cidade, porque é que tinha conquistado um lugar de destaque no mundo das sopranos.

Há ópera em Macau há quase 30 anos – o tempo de vida do Festival Internacional de Música – e desde o mês passado que existe um livro que recupera a memória deste género musical no território. É o resultado de uma iniciativa de Shee Va, médico amante de música erudita, e trata-se apenas do primeiro de três tomos. A ideia é escrever sobre todas as óperas desde o estabelecimento do festival.

“O meu gosto pela ópera vem desde criança”, explica ao HM o autor de “Ópera no Festival Internacional de Música de Macau (FIMM)”. O gastrenterologista regressou a Macau em 2012 e, desde então, tem sido um activo divulgador do género, com várias sessões na Fundação Rui Cunha, em parceria com o advogado Frederico Rato. Na sequência dos ciclos de que foi co-autor, decidiu recordar as óperas anuais de Macau – aquelas que são trazidas pelo festival.

“Claro que escrever sobre óperas, não tendo formação musical, é difícil mas, de qualquer modo, quis transmitir o meu gosto, como melómano que sou, pela música e pela ópera”, explica. A volta ao texto que se impunha pela falta de formação específica sobre a matéria foi dada com a construção de uma espécie de romance: há uma personagem com a idade do festival, um homem de 30 anos, que foi à ópera pela primeira vez em 1999. Foi ver a “Aida” levado pelo pai, que lhe deixa em herança todas as memórias relacionadas com a presença da ópera no FIMM. “Fiz com que esse rapaz nascesse com o Festival e o acompanhasse durante estes 30 anos.”

Os primeiros anos

O exercício de recuperação do passado do FIMM permitiu descobrir diferenças no modo como a ópera foi sendo apresentada ao público local. “‘O Barbeiro de Sevilha’ foi feito na Fortaleza do Monte. Aproveitou-se o edifício antigo que, naquela altura, era a Meteorologia, acrescentou-se umas pinturas a imitar Sevilha e tocou-se a ópera ao ar livre”, conta o escritor sobre a primeira apresentação do género verdadeiramente encenada.

Existe ópera no FIMM desde a segunda edição do evento, mas as dificuldades de uma produção do género e a inexistência de uma sala de espectáculos com boas condições fizeram com que o então director, Adriano Jordão, não tivesse incentivado este tipo de espectáculo. “Depois, com o segundo director, João Pereira Bastos, que já tinha sido director do São Carlos, o género foi cultivado”, explica Shee Va.

As óperas produzidas ao tempo de João Pereira Bastos eram bastante diferentes daquelas que surgiram depois da transferência de administração, conclui o autor. Antes de 1999, a produção tinham uma participação local maior, apesar dos artistas que chegavam da Europa. “As produções eram mais vividas”, refere.

Depois da transferência de administração, passou-se por um período em que Macau tinha um contributo modesto na produção, uma tendência que terá terminado no ano passado. “A produção foi completamente local e, portanto, vive-se muito mais. Quando vem de fora não existe a mesma envolvência. Mesmo em termos de aprendizagem, é mais interessante para a formação das pessoas ter as coisas feitas localmente.”

“Ópera no Festival Internacional de Música de Macau” é uma edição da Associação dos Médicos de Língua Portuguesa de Macau.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários