PARTILHAR

Esta semana que amanhã finda teve um sabor diferente para os Portugueses, mundo da Lusofonia em geral e todos os seus simpatizantes (Ola Galicia, mando aquí un gran abrazo!). A noite de domingo para segunda marcou um momento que ficará para sempre guardado na nossa novecentista História como o fim de todos os “eu já sabia, e com eles os “o que é que tu querias?”, e ainda os “não se esperava outra coisa”, já para não falar dos insuportáveis “o contrário é que seria de admirar” – Portugal ganhou uma grande competição internacional futebolística! Não, não foi em Sub-17, Sub-19, Sub-21, Submarinos, nem no torneio de Toulon para os tolos, e nem no insípido, irrelevante e indiferente torneio olímpico (o que já não era mau de todo; era melhor que nada…): foi no Euro! Esse mesmo, o Europeu de futebol organizado pela UEFA, seniores, masculinos e sem ser para cegos, amblíopes e outros deficientes, presidiários, sem abrigo, sacerdotes católicos ou de orientação especificamente LGBT – um Euro a sério! Sim, um desses! Não, não está a sonhar!
Teve graça, por acaso teve. Foi a expressão máxima da ironia, que num torneio onde praticamente a nossa selecção andou duas semanas por França a “apanhar bonés” e sem dar uma para a caixa, acabaria por contornar os Adamastores, e sem dar ouvidos aos velhos do Restelo lá fez da Tormenta esperança, e da esperança certeza. Não fomos tanto assim iguais aos gregos em 2004, como por aí se disse, e talvez as semelhanças se ficassem pelo título conquistado na final frente à equipa da casa, mais nada – e logo por azar fomos nós. Sejamos honestos: ninguém esperava grande coisa dos gregos, que foram como um pobrezinho a quem fazemos sempre uma sandes quando nos bate à porta, ou damos umas roupas que já não queremos, até ao dia quando nos distraímos e o ingrato nos rouba as pratas. Sim, eu sei que esta metáfora pode não ser do gosto de muita gente, mas lá está: não se pode agradar a gregos e troianos.
Nem encontro muitas semelhanças entre esta epopeia com a outra dos dinamarqueses em 92, quando nem se haviam qualificado para o torneio final na vizinha Suécia, mas acabariam repescados por um motivo atroz: a guerra na ex-Jugoslávia, país que tinha ficado em 1º lugar no grupo da Dinamarca. E assim os “vikings” – são todos “vikings” estes dinamarqueses, noruegueses e agora até os islandeses, valha-me Odin para aturar tamanha presunçåø – foi até ali ao lado mostrar a holandeses e alemães como se faz. Um típico argumento de Hans-Christian Andersen com realização de Ingmar Bergman, portanto. Chato, frio, descartável – a nossa aventura foi outra, meus. Foi a vez do “não estamos nem aí”, e mais ninguém senão o nosso capitão poderia ter sintetizado todo este sentimento numa só frase: “Se perdermos, que se faça amor” (versão auto-censurada).
E que final memorável aquela em Paris, meus senhores. Como tivemos garra, e como olhámos o adversário nos olhos sem medos, e podia vir qualquer um que estava ali Portugal; os novos, os velhos, os brancos e os pretos e até um cigano! Tínhamos um madeirense, dos Palopes um de cada se não estou em erro (terá faltado S. Tomé? Moçambique? Who cares?). Até com dois desertores contávamos nas nossas fileiras, um tal “monsieur Adrien” e um outro “monsieur Raphael”, e ainda o Cédric que nasceu na Alemanha, o Pepe que importámos do Brasil, e como cereja no topo do bolo o nosso guarda-redes, que se chama…Patrício. De ir às lágrimas, de tão poético, que até parecia estar escrito que seria desta. E a comandar todo esta macedónia de lusitanidade? O Santos. Tinha que ser com um Santos que íamos lá. Ou com um Silva, ou quem sabe um Antunes, alguém que transmitisse aquela imagem de quem acaba de abrir a tasca e atende os primeiros fregueses do dia enquanto limpa a um pano as mãos que haviam acabado de esquartejar um galinácio: “ Atão o quéque vai ser póchenores? Um eurozito? Então sai um eurozito qué a especialidade da casa”.
Não foi nenhuma tragédia grega, não senhor. Nem o rei ia nu, nem haviam sereias, e só ganhámos um jogo no tempo útil, e depois? Ganhámos o jogo que interessava antes do jogo que decidia, e aí fomos tudo o que nos tem faltado, cum camano. Finalmente fomos grandes na hora de ser grandes. Pelo meio fomos repescados, mal amados, desprezados – e até pelos nossos, e eis os velhos do Restelo para a epopeia ficar completa. Até cheguei a ter pena dos maldizentes, coitaditos, que quiseram dar uma de chicos-espertos que apostam em todos os cavalos menos um, e no fim ganha esse, que à partida até parecia manco e aparentava um ar de que depois da corrida ia directo do Hipódromo para a fábrica da cola. Mas pode ser que esta vitória lhes ensine uma lição, especialmente aos aficionados do pessimismo, aos profetas da desgraça que apregoam os seus ais ao ritmo do velhinho e decrépito faduncho lusitano: “ai como EU sofro”, “ai como EU ganho mal”, “ai como EU sou infeliz”, e depois? Não tem cunha? Tivesse! Não rouba? Roubasse! Se for apanhado? É porque foi burro, e eu não vejo os que estão bem na vida a queixarem-se de como estes adoram arrastar os restantes com eles para a fossa do “ai Jesus como sofro, coitadinho de mim”. Vão lá sofrer para outro lado e não chateiem, que a malta quer ver a bola. E Portugal foi campeão ou não? TOMA!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here