PARTILHAR
Há três anos Vera Fernandes veio viver para Macau e, juntamente com os pais, trouxe a Handmade Arraiolos, um negócio de família de produção e restauro dos tapetes de Arraiolos. Se em Portugal a tradição não pega, na China virou moda

Para fazer tapetes de Arraiolos em Macau é necessário importar todas as telas e lãs e enfrentar um enorme calor enquanto se faz uma peça à mão com técnicas tradicionais utilizadas há vários anos, mas nem assim se desiste. De geração em geração, a Handmade Arraiolos chegou a Macau há três anos não tanto com a vontade de fazer negócio mas com o desejo de continuar a preservar a técnica de fazer estes tapetes que não existem em mais nenhum lugar do mundo.
A avó e o pai de Vera Fernandes eram verdadeiros artesãos numa empresa fundada há 70 anos. Hoje, a Handmade funciona graças ao trabalho da mãe de Vera, já reformada, e com a proprietária, que, contudo, mantém outro emprego. “Não vivo dos tapetes de Arraiolos, infelizmente”, apontou Vera Fernandes.
As encomendas feitas por portugueses escasseiam e são os chineses que mais compram. “Os portugueses percebem que podem adquirir em Portugal ou mandar fazer de novo. O Arraiolos não está assim tão na moda em Portugal. Os chineses ficam muito interessados. Escolhem mais os clássicos, os desenhos mais cheios, gostam que tenham o máximo de elementos e gostam muito das cores que tenham a ver com o azulejo português, com o azul, amarelo, branco. Pedem almofadas a imitar o azulejo, já vendemos um tapete a imitar o azulejo de Lamego”, exemplificou Vera Fernandes ao HM.
O atelier está montado em casa e existem mais de mil cores de lãs prontas a serem trabalhadas numa tela. Vera Fernandes não fala de preços, por variarem consoante a encomenda, mas confessa que um tapete de dois metros pode levar quase seis meses a fazer.
“Em Macau não há tanto mercado para o restauro, não há muitos tapetes de Arraiolos, infelizmente, então dedicamo-nos à confecção de novos tapetes e damos workshops. Já fizemos umas apresentações na China, também”, disse ainda.

As imitações

Para além dos trabalhos que faz para fora, a Handmade Arraiolos também realiza workshops na Casa de Portugal em Macau, os quais “estão quase sempre cheios”. São a única empresa que se dedicam a manter viva a tradição, mas os alunos também fazem por isso.
“Temos tido uma recepção muito boa e os cursos têm estado quase sempre cheios, com pessoas de todos os grupos, e cada vez mais temos pessoas que não são portuguesas. Há pessoas em Macau que fazem tapetes de Arraiolos porque as nossas alunas querem continuar a fazer depois dos workshops e acabamos por ser revendedores.”
Outro dos desafios de ter a empresa em Macau é de lidar com as imitações que são feitas na China. “As pessoas, na sua grande maioria, não perceberem a diferença em termos de materiais e técnicas. As coisas na China não são feitas com a técnica tradicional e isso não ajuda muito à divulgação da cultura portuguesa.”
“Temo-nos dedicado a várias vertentes do negócio, mas o principal objectivo é divulgar a cultura portuguesa. Mesmo havendo imitações na China a técnica continua a ser totalmente desconhecida, porque eles não a seguem”, revelou ainda Vera Fernandes.
Para o futuro a empresa pretende continuar a inovar, mas mantendo sempre a técnica tradicional. “Tentamos manter a técnica o mais possível ligada à origem. Mas inovar em termos da aplicação da técnica sim. Para além dos tapetes e almofadas, temos bolsas, capas para telemóveis, malas e estofos para cadeiras.”
“O nosso objectivo seria conseguirmos a partir de Macau levar os workshops a outros países. Depois de fazermos esta exposição podemos levá-la a outros sítios aqui na Ásia. Os tapetes de Arraiolos são algo muito português e esta técnica do ponto é única em Portugal. Fazemos isto porque é uma arte”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here