PARTILHAR

OEm Macau começou mais um ano lectivo, e apesar de se falar de quando em vez dessa possibilidade, voltamos a não ter uma disciplina de Educação Sexual na maior parte das escolas. Quer dizer, haver há, ou dirão alguns que sim, mas até estes sabem tão bem quanto eu que aquilo de que as escolas falam cinge-se ao aspecto fisiológico do sexo, e acho que cairiam o Carmo e Trindade locais caso alguém ousasse explicar aos pequenos que os adultos têm sexo porque “gostam”, e que o praticam em busca de gratificação, de prazer. Quem defende que a educação sexual é “uma responsabilidade das famílias” (um argumento “quick and easy” para quem é contra a E.S. nas escolas) sabe que nenhum pai ou mãe vai explicar ao seu educando que a razão porque se deitam juntos tem a ver com razões que se prendem com o deboche e com a luxúria. E qual é a criança que quer ouvir certos detalhes sórdidos da boca do pai ou da mãe, para quem tantas vezes olham como se um pacote de sementes e outro de adubo se tratassem? Verdade seja dita, quem se opõe a que a E.S. se inclua nos currículos é quem ainda pensa que os jovens vão sair dali a querer aplicar aquilo que aprenderam. Mas porque carga de água haviam eles de fazer com aquela disciplina o que não fazem com as restantes?
Olhando para Macau e para as mentalidades vigentes, o sexo continua a ser visto quase como uma agressão, e nem vale a pena falar de igualdade entre géneros: os homens procuram sexo, as mulheres defendem-se, os primeiros são tidos como “predadores” , e as segundas precisam de representar o papel de “púdicas”, e para quem observa – os pais, lá está – nada como a abstinência total, que sempre mantém as coisas como estão, o que neste caso parece ser o ideal. Isto não se prende tanto com motivos de saúde, receio de doenças sexualmente transmissíveis, e nem os mais jovens têm em mente a possibilidade de uma gravidez na adolescência (ou a gravidez de todo) quando pensam em dar esse passo pela primeira vez: o problema ainda são “os outros”, o que vão dizer, o que vão pensar, e principalmente como vai ficar a família aos olhos da “sociedade”. Outra vez, isto tudo tomado com um grãozinho de sal, pois quem quiser optar pela devassidão, deboche e tudo aquilo a que há direito, que o faça pela calada. Por incrível que pareça, em Macau a interrupção voluntária da gravidez é crime, ninguém toca no assunto e nem se coloca a hipótese de se rever a lei. E para quê, se basta atravessar as Portas do Cerco e encontramos um mundo onde o aborto é visto como um mero método de planeamento familiar, chegando mesmo a ser encorajado? Se a isto não se chama “hipocrisia”, então não sei o que isso é.
Aparentemente “estamos bem assim”, dirão alguns, para quem basta reprimir a sexualidade dos adolescentes, e quando chegar a hora, lá saberão como se “desenrascar”. É uma falácia muito comum esta, de conter as hormonas, mesmo que para isso seja necessário amarrar a caixa com uma corda, para que elas não saltem cá para fora e façam “estragos”. Sem uma ideia concreta do que deve ser o ensino da E.S. nas escolas, no âmbito da sua função da preparação dos jovens para a vida adulta, estamos entregues à bicharada. Nos Estados Unidos da América, por exemplo, fazem-se campanhas de promoção da abstinência recorrendo a exemplos atrozes, comparando jovens sexualmente activos com “sapatilhas usadas” ou “pastilha elástica mastigada” – que raio de comparação, e que gente tão perversa. Aqui tivemos a nossa própria “colher de xarope” de pudor, com a Igreja de um lado, e as famílias do outro, sempre com a missão de “manter a face”, chamem-lhe o que quiserem, dignidade, honra ou pudor.
No meio deste fogo cruzado estão as mulheres, que carregam consigo o ónus da virgindade na forma de uma membrana. Uma membrana, minha gente! Uma coisa esteticamente abominável! Uma mulher que não seja virgem não é necessariamente uma devassa, uma rameira, ou uma ninfomaníaca. Essa associação da virgindade com a pureza é típica das sociedades menos civilizadas, medievais, e tem servido de pretexto para justificar as maiores atrocidades no passado. Torna-se um fardo ainda mais pesado para a condição feminina se a primeira vez de uma mulher resultou de uma violação, ou foi indesejada. Um homem que se recuse a casar com uma mulher simplesmente porque já não é mais virgem, está parado na Idade Média, ou é cigano. Se por acaso se considera “conservador”, então que me desculpe, mas está a ser é parvinho. Quando gostamos de alguém, devemos aceitá-lo como é, e se os seus defeitos se resumirem a uma ou outra escolha infeliz em termos amorosos, o que importa? Quando nos batem à porta perguntamos “quem é”, e não “quem foi”. 
Por um instante apenas, pensemos no que é a Educação Sexual na sua vertente de “educação”, que é sempre um bem precioso, e olhemos para o “sexual” como um simples detalhe. Falemos de tudo nesse espaço de tempo reservado a esse efeito, porque não? De erecções, de penetrações, de orgasmos, de falos, de vulvas, tudo coisas que afinal existem, e são bem reais. Se pensamos que esta necessidade de aprender a orientar-se nos largos e floridos prados do desejo se resolve por si mesma, estamos a convidar todo o tipo de perigos, pois a ignorância nunca foi boa conselheira. O maior risco não é deixar os jovens saber mais do que devem, mas sim deixá-los indefesos perante outros menos bem intencionados que a Escola, e que “a sabem toda”. Ou pensam que sabem, o que pode ser ainda mais trágico. A reflectir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here