Faculdade de Letras de Lisboa recebe 14.000 volumes de Biblioteca Ultramarina

A biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) vai receber mais de 14.000 volumes da Biblioteca Ultramarina, do ex-Banco Nacional Ultramarino (BNU), anunciou a Caixa Geral de Depósitos (CGD).

A integração da antiga biblioteca e de dois acervos particulares – do ex-ministro das Colónias e ex-presidente do BNU Francisco Vieira Machado (1898-1972) e de António Liz Dias, que dirigiu a delegação do Fundo de Fomento de Exportação em Madrid e foi adido comercial da embaixada de Portugal, entre outras funções – inserem-se num acordo de “transferência imediata” assinado entre a CGD e a FLUL.

Os dois acervos privados são constituídos por “obras de referência de temas generalistas com cerca de 8.000 livros”.

Segundo a CGD, a Biblioteca Ultramarina faz parte do “acervo documental e bibliográfico da Caixa desde 2001”, quando se deu a fusão, por incorporação, do Banco Nacional Ultramarino com a CGD.

Esta biblioteca já funcionava na década de 1960, e iniciou a sua atividade como Centro Bibliográfico do Serviço Social, tendo a sua criação como biblioteca, para os empregados do banco, acontecido em 1962, explicou à agência Lusa a mesma fonte.

Trata-se de uma biblioteca especializada, “constituída por cerca de 14.000 obras de dimensão histórico-patrimonial, com assuntos de grande diversidade como a história e a cultura”.

A biblioteca inclui ainda volumes sobre a “expansão marítima de Portugal e relações com núcleos de informação que abrangem países como Angola, Moçambique, Brasil, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Índia, Timor e o território de Macau, bem como relatos de viagens, estudos etnológicos, missões religiosas nos territórios africanos e orientais e a atividade do BNU, desde a segunda metade do século XIX nas antigas colónias” portuguesas.

Adicionalmente, a Biblioteca Ultramarina inclui coleções de Boletins de Estudos Económicos e do Boletim Geral do Ultramar, e ainda obras sobre “literatura, política, história bancária e económica, ciências agrárias, direito, biologia, antropologia, etnologia, religião, entre muitos outros”.

As obras mencionadas foram publicadas entre os começos do século XIX e a segunda metade do século XX, sublinhou a mesma fonte, citando como balizas cronológicas 1834 e 1997.

O acervo da ex-Biblioteca Ultramarina “é muito procurado pela comunidade científica, professores, estudantes, investigadores de mestrado e doutoramento e estudantes estrangeiros”, dada “a riqueza [informativa] que encerra” e “é frequentemente mencionada por utilizadores e investigadores no âmbito” do seu trabalho.

Para facilitar o seu acesso, a CGD decidiu entregá-lo à biblioteca da FLUL, “por depósito” e “através da celebração de um contrato, passando a gestão da Biblioteca Ultramarina a ser feita pela biblioteca da FLUL, que se encarregará de “todas as necessidades inerentes ao seu tratamento e acesso por parte da comunidade científica”.

A Biblioteca da FLUL integra um acervo de cerca de 700.000 volumes impressos, reunindo nas suas coleções um fundo documental, bibliográfico e arquivístico, composto por mais de 50.000 documentos, dedicado às temáticas ultramarinas, particularmente relevante para os Estudos Africanos, agora aumentado com a transferência da Biblioteca Ultramarina.

5 Mai 2021

Universidade de Lisboa com planos para Xangai e Zhuhai

O reitor da Universidade de Lisboa (UL) afirmou ontem que espera “assinar em Maio” um acordo para a criação de uma faculdade na Universidade de Xangai, prevendo o início das suas actividades no ano lectivo de 2020/2021.

“Espero assinar em Maio um acordo de criação de uma faculdade da UL na Universidade de Xangai”, disse António Cruz Serra na sua participação na conferência. O académico referiu que a nova faculdade da UL naquela cidade chinesa será uma plataforma de formação, entre outras áreas, de engenharia electrotécnica e engenharia civil.

“São iniciativas que honram muito a UL, o caminho é muito complicado – já estamos a trabalhar nisto há muito tempo”, afirmou.

António Cruz Serra disse que, embora haja semelhanças entre as burocracias portuguesa e chinesa, há alguma dificuldade em “compatibilizar” países com “duas culturas tão fortes nesse sentido”.

“Espero que tenhamos esta iniciativa em funcionamento no ano lectivo de 20/21″, referiu.

O reitor explicou que as propostas terão de ser apresentadas na China “até Setembro deste ano” e que as “negociações e as conversas dos professores das diversas áreas consoante os cursos estão muito avançadas”.

“Daqui a dois ou três anos, teremos, pelo menos, 500 alunos a virem fazer pelo menos um ano à UL e seremos responsáveis, pelo menos, por mais de 30 por cento da leccionação em Xangai.

Seremos também responsáveis pela gestão académica, mas também pela gestão administrativa desta faculdade. Vai ser um grande desafio”, disse.

O reitor esclareceu também que o ensino na faculdade da UL em Xangai será realizado em inglês, mas terá uma segunda língua, nomeadamente portuguesa, que permitirá que os estudantes tenham “obrigatoriamente, disciplinas de português”.

No seu discurso, António Cruz Serra disse ainda que a Universidade de Lisboa foi convidada para criar, em conjunto com uma universidade chinesa, uma universidade em Zhuhai.

António Cruz Serra sublinhou que Macau constitui “sempre uma plataforma importante”, uma vez que ajuda a que os “parceiros chineses possam saber mais” sobre Portugal. Nesse sentido, o reitor da UL referiu que há uma “excelente colaboração” com a Universidade de Macau e com o Instituto Politécnico de Macau. “Temos estado muito alinhados com o que têm sido as decisões para o ensino de português e de outras iniciativas que têm sido desenvolvidas”, acrescentou.

18 Abr 2019

Alexis Tam distinguido com doutoramento Honoris Causa

A Universidade de Lisboa (UL) vai atribuir o título de Doutor Honoris Causa ao Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Alexis Tam Chon Weng, pelo seu contributo para o desenvolvimento da Educação e ensino da língua e cultura portuguesas.

Nascido em Julho de 1962, no Myanmar, estudou na China, em Portugal e na Escócia e “tem promovido políticas activas de incentivo ao ensino e aprendizagem da língua portuguesa em escolas públicas e privadas do ensino não superior onde o número de alunos e de professores de Português duplicou”, segundo um comunicado da UL.

A mesma tendência tem sido seguida nos cursos superiores lecionados e ligados à língua portuguesa, em termos de alunos matriculados. Entre outras medidas, Alexis Tam Chon Weng criou em 2016 um programa de financiamento destinado à elaboração de materiais científicos e pedagógicos para apoio ao ensino da língua portuguesa. Ao abrigo deste programa foram publicadas mais de duas dezenas de obras e realizadas várias conferências internacionais.

A sua acção no âmbito do ensino e aprendizagem da língua portuguesa ultrapassou o espaço de Macau, incrementando o apoio às instituições de ensino superior da China, Tailândia, Vietname, Coreia do Sul e Japão, nomeadamente através da formação de professores, da mobilidade de docentes de língua portuguesa e da difusão de materiais pedagógicos.

Em 2014, por ocasião do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, foi condecorado com a Ordem do Infante D. Henrique.

A cerimónia de atribuição do título de Doutor Honoris Causa vai ter lugar no dia 11 de Março, no Salão Nobre da Reitoria da UL.

23 Jan 2019

Universidade de Lisboa lança curso online de português

É hoje lançado em Lisboa um curso online de português para estrangeiros, que irá funcionar em regime de e-learning. O projecto tem o nome “O Meu Português” e parte da iniciativa da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) em parceria com a Distance Learning Consulting.

De acordo com um comunicado divulgado pela FLUL, “a partir desta semana, aprender português como língua estrangeira vai tornar-se mais fácil e acessível, podendo ser feito na palma da mão em qualquer ponto do globo”. A plataforma permite o acesso a um “curso online, multimédia e interactivo, disponível em computador, tablet e smartphone suportado por uma das mais inovadoras plataformas de eLearning do mundo”.

O curso tem a certificação da FLUL e tem “como público-alvo todos os que querem aprender português em qualquer parte do mundo de forma rápida e com carimbo académico”. Além disso, possui “unidades temáticas e actividades claras e sistematizadas”, além de que “assegura a aquisição de competências de compreensão e de produção oral e escrita”. “O Meu Português” está disponível numa plataforma em oito línguas e permite a escolha do português europeu ou português brasileiro.

23 Jan 2019

Instituto Confúcio começou com 14 alunos e hoje ensina mandarim a mil portugueses

Com um universo de 14 alunos foi criado há 10 anos, na Universidade de Lisboa, o Instituto Confúcio, que actualmente ensina chinês (mandarim) a cerca de mil portugueses, entre jovens ou reformados.

Além das aulas, que têm como objectivo ensinar a ler, escrever e falar, há cursos de cultura chinesa e actividades complementares, como a arte da caligrafia, uma das mais concorridas, de acordo com a directora da instituição, Teresa Cid.

“A caligrafia na China é uma das artes maiores porque combina escrita com pintura e por isso é muitíssimo valorizada”, afirmou, referindo que na cultura chinesa não se trata apenas de escrever à mão.

“É preciso uma grande habilidade, não é só para escrever os caracteres, é para os desenhar caligraficamente, com o pincel na posição certa, com o papel certo, tudo isso”, explicou.

Na cerimónia do chá, uma das actividades de divulgação, mostra-se como os chineses bebem o chá: “É muito diferente da nossa maneira de beber o chá. É uma cerimónia quase de reflexão e introspecção”, salientou.

Os alunos têm as mais diversas origens e proveniências, universitários, empresários, pessoas das várias profissões. “Temos pessoas reformadas que estão a aprender chinês e cultura chinesa por gosto e por estímulo intelectual também e até, eu diria, estímulo de actividade mental, porque exige memória e capacidade de compreensão muito finas”, precisou.

“É bastante exigente, por um lado, mas por outro lado muito compensador, tanto quanto muitos dos nossos alunos também nos dizem”, acrescentou a responsável pelo Confúcio em Lisboa.

O instituto, criado em parceria com a China, está também a apoiar o ensino da língua em escolas da área da grande Lisboa, no âmbito da colaboração num projeto-piloto do Ministério da Educação.

Em Portugal, há outros institutos Confúcio no Minho, em Aveiro e em Coimbra, que colaboram com escolas e instituições de ensino superior e que estão também envolvidos no apoio aos professores desse projecto, indicou.

A universidade parceira de Lisboa é a Universidade de Estudos Estrangeiros de Tianjin, que Teresa Cid descreveu como “uma pequena cidade portuária, de 13 milhões de habitantes, muito bonita”, ligada a Pequim.

Alguns cursos permitem um estágio naquela universidade. Todos os anos há bolsas para três tipos de estudos – um curso de verão, por um semestre ou um ano, além de apoios a mestrados e doutoramentos.

O instituto tem adaptado a oferta à procura e há cerca de um ano criou um curso para turismo. No segundo semestre os alunos fazem um estágio na China, numa cadeia de hotéis.

“No fundo vão ter uma experiência ‘in loco’ e ver como é que os chineses recebem os seus visitantes, sejam chineses ou estrangeiros, para tentarem depois adaptar, ao regressarem, o que aprenderam, além de terem desenvolvido muitíssimo a capacidade de falar”, sublinhou. Antes têm um curso intensivo de um mês na universidade parceira de Tianjin.

Em entrevista à Lusa, Teresa Cid contou que a experiência reportada pelos alunos é positiva: “Todos consideram que foi um grande desafio lidar com o choque cultural, que é uma das coisas que temos de perceber. Os chineses quando chegam cá têm um choque cultural e nós quando vamos para lá também”.

De acordo com a responsável, quase todos os alunos querem voltar: “Temos muitos casos desses, de as pessoas se apaixonarem”. O domínio do mandarim é considerado uma vantagem empresarial na apresentação dos cursos do Instituto Confúcio, que está a tentar desenvolver formações mais personalizadas para dar resposta à procura dos empresários.

Todos os professores são chineses, enviados pela China, maioritariamente da universidade parceira, que há vários anos lecciona um curso de português.

3 Dez 2018

MUST assina acordo com Faculdade de Medicina de Lisboa

A Universidade de Ciências e Tecnologia de Macau (MUST) e a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa assinam no próximo domingo um memorando de entendimento.

Segundo um comunicado, a nova cooperação é celebrada no âmbito da 36.ª edição do Fórum Médico Internacional Sino-Luso, cujo tema é “Boas práticas na Educação Médica e Habilidades Cirúrgicas”. Madalena Patrício, presidente da Associação Europeia em Educação Médica e directora do Departamento de Educação Médica da Universidade de Lisboa, estará presente na iniciativa. O memorando será assinado nas instalações da Fundação Stanley Ho.

Citado pelo mesmo comunicado, Manson Fok, director da Faculdade de Ciências da Saúde da MUST, explica que a realização destes fóruns anuais pela universidade privada visa responder à ausência de uma faculdade de Medicina em Macau.

“Não temos uma faculdade de Medicina em Macau. Nos últimos sete anos, fizemos um imenso esforço para formar os prestadores de serviços médicos. O nosso ensino de saúde só terá qualidade consoante as pessoas que o conceberem e gerirem. Temos vindo a convidar especialistas de renome internacional para falar neste fórum, para atrair docentes na área da medicina para inspirar a próxima geração de Macau, em termos de valor e ética”, apontou.

Manson Fok diz ainda esperar que seja possível, “nesta década, ver grandes avanços ao nível da formação médica e cirurgia, bem como na investigação e inovação”, acrescentou.

Já Madalena Patrício afirmou ser “óptimo poder estar envolvida e participar neste fórum com oradores de elevada qualidade”. “É muito bom poder ter este apoio para uma melhoria da educação na área da saúde em Macau, em conjunto com os países de língua portuguesa”, concluiu.

30 Mar 2017