Sónar | Laurent Garnier, Laurel Halo e Mount Kimbie juntos em Hong Kong

A segunda edição do festival Sónar está de volta a Hong Kong no próximo dia 17 de Março. Para já, entre os nomes revelados destaque para Laurent Garnier, Laurel Halo e Mount Kimbie. Os bilhetes já se encontravam à venda

 

Depois de uma abertura em grande, o exportado festival espanhol Sónar avança para uma segunda edição em Hong Kong, para gáudio dos adeptos da música electrónica.

O Sónar 2018 tem data marcada para 17 de Março, no Hong Kong Science Park perto de Tai Po, nos novos territórios e já tem nomes no cartaz. Logo à cabeça, destaque para a lenda francesa das pistas de dança Laurent Garnier. O famoso DJ e produtor, desde que lançou a sua carreira na cena de rave dos anos 80 de Manchester, foi paulatinamente subindo até ao topo dos melhores artistas de música electrónica de sempre. Os seus sets variam entre o acid jazz, o house, até ao tecno e ao trance. Com mais de 30 anos de carreira, Laurent Garnier é daqueles DJs que se deve ver pelo menos uma vez na vida.

Apesar de ter estado no cartaz do ano passado, The Black Madonna é outro dos destaques do cartaz do Sónar 2018. Com uma carreira em ascensão, Marea Stamper, é um das artistas mais frescas no panorama do house e do tecno. A DJ de Chicago estabelece nas pistas de dança uma ligação próxima com o público, uma das razões que justifica o seu boom de popularidade, chegando mesmo a contar entre a sua legião de fãs Iggy Pop.

Ementa variada

Os Mount Kimbie estreiam-se em Hong Kong este ano pela via do Sónar. O aclamado duo de post-dubstep traz na bagagem três discos e a imaginativa fusão de sons com que costuma pautar os seus alinhamentos. Os britânicos têm colaborados com artistas como James Blake, King Krule e Micachu.

Vinda de Berlim, mas originária dos Estados Unidos, directamente para Hong Kong chega Laurel Halo, uma espécie de híbrido indefinível da música electrónica.

O seu trabalho revela a influência de fontes tão diversas como o tecno de Detroit, a ficção científica de Philip K. Dick, música clássica e orquestras de free jazz.

O norte-americana colaborou com artistas como John Cale, Julia Holter e Lisa Gerrard.

Os Mouse on the Keys acrescentam ao cartaz deste ano do Sónar um jazz impregnado de post-rock. A banda japonesa tem uma visão muito original da música electrónica, onde também acrescenta um toque de funk, sendo uma daquelas raras bandas que desafiam a categorização musical. De acordo com a organização do festival, o trio japonês apresentará um alinhamento especial para o público do Sónar, algo que não é difícil de imaginar uma vez que os concertos dos Mouse on the Keys normalmente são visualmente impressionantes, assim como em termos sonoros, claro.

Entre os artistas locais contam-se a rainha do trap Fotan Laiki, Tedman Lee, o produtor de tecno Basil Tam e o house do DJ Sunsiaré.

Os bilhetes para o festival já se encontram à venda e custam 880 HKD. O Sónar 2018 tem o primeiro evento marcado para as 11 da manhã e prevê-se que toque a última batida às 3 da manhã.

19 Jan 2018

Sonar | Lendário festival de electrónica já revelou cartaz

Um dos mais aclamados festivais de música electrónica europeia chega a Hong Kong e traz nomes de peso. DJ Shadow, Gilles Peterson e Dave Clarke são os cabeças de cartaz. Não vão faltar motivos para levar os amantes das sonoridades mais dançáveis ao Science Park

 

Parece mentira, mas não é. Está aí o Sónar, importado directamente de Barcelona para Hong Kong. O festival com data marcada para dia 1 de Abril não é nenhuma partida do dia das mentiras, mas uma realidade que irá marcar o calendário da música electrónica da região.

Está longe de ser a primeira vez que o festival que nasceu na Catalunha extravasa fronteiras. A primeira edição fora de Barcelona aconteceu em 2002 em Londres mas, desde então, os ecos das batidas têm atravessado o mundo. O Sónar já passou por cidades como Chicago, Buenos Aires, São Paulo, Santiago do Chile, Hamburgo, Bogotá, Nova Iorque, Seul, Roma, Cidade do Cabo, Copenhaga e Tóquio. Chegou agora a vez de Hong Kong.

A região vizinha irá oferecer um cartaz de luxo que promete mobilizar os amantes da música de dança, com nome como DJ Shadow, Gilles Peterson, Dave Clarke, alguns dos artistas mais que consagrados no panorama electrónico. Os espectadores podem ainda apreciar os talentos que despontam na cena como Lady Leshurr, Kingdom e Evian Christ.

Mas Shadow é, definitivamente, o nome de peso do cartaz. O DJ e produtor multifacetado tem, desde a década de 1990, uma carreira ecléctica que mistura hip-hop, funk, soul, rock, ambiente, jazz e electrónica. Chega a Hong Kong com um incrível show visual que acompanha os concertos da tournée do seu último registo, “The Mountain Will Fall”. O disco não é propriamente dançável, antes propõe ao ouvinte uma variedade de atmosferas sonoras que serão acompanhadas por um exuberante espectáculo multimédia. O norte-americano tem sido inovador desde “Endtroducing”, disco de estreia, pertenceu ao colectivo Unkle, tendo sido fundamental na criação do seminal “Psyence Fiction”. Só este nome vale o preço do bilhete.

Um dia em cheio

Além de DJ Shadow, os festivaleiros podem assistir ao set de Gilles Peterson. O francês, outro colosso da música electrónica, tem um vasto leque de influências e sonoridades na bagagem discográfica. É um dos nomes cimeiros do acid jazz e das sonoridades que fundem electrónica com música latina, africana e hip-hop. Promete fazer mexer quem assistir ao Sónar de Hong Kong.

Outro dos nomes de destaque do cartaz do festival é Dave Clarke, conhecido como o “Barão do Tecno”. O DJ e produtor britânico encerra com estrondo o evento com as suas batidas obscuras de tecno. Neste capítulo importa adiantar que o Sónar encerra cedo e começa cedo, uma particularidade rara neste tipo de festivais. O cartaz começa às 11 da manhã e vai até às 3 da manhã, com música, workshops, exposições e palestras espalhadas por seis palcos.

No domínio dos novatos, destaque para o britânico Evian Christ, que assim que chegou aos escaparates deu nas vistas com a sonoridade que mistura batidas de hip-hop e trance. O jovem produtor já colaborou com artistas como Kanye West e Yeezus, e lançará este ano o seu primeiro disco. Um debutante, que promete ser uma das novas estrelas da electrónica, vem mostrar de que fibra é feito no SonarLab, o palco para talentos em ascensão.

Arte virtual

Mas não só de música vive o Sónar, apesar da vanguarda electrónica ser o fio condutor. Os festivaleiros podem participar em workshops, assistir a palestras e a demonstrações de realidade virtual. O objectivo é aliar criatividade, tecnologia, inovação e negócios num ambiente descontraído e inspirador para os amantes da cultura digital.

Um dos eventos em destaque é o “famous wonder.land”, uma das obras de realidade virtual seleccionadas para o Festival de Cinema de Cannes. A peça de 4 minutos, inspirada no famoso clássico “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll, promete empurrar os espectadores pela toca do coelho. A experiência é inspirada no musical criado por Damon Albarn, vocalista dos Blur, e esteve em exibição no UK National Theater. Munidos com headset, quem experimentar esta alucinação digital terá os seus horizontes expandidos no mundo psicadélico de Lewis Carroll reinventado por tecnologia de ponta.

Também haverá lugar para exposições e arte inovadora que têm a tecnologia como veículo principal. Um dos nomes mais prestigiados neste campo é Daito Manabe, que dará uma palestra no Sónar. O japonês, que torna o futuro presente, divide-se em muitas funções. É designer, programador, DJ, VJ, compositor, um homem dos sete ofícios desde que esses ofícios puxem os limites da inovação.

Os festivaleiros terão dificuldades em repartir-se pelo Science Park de Hong Kong, até porque a tecnologia ainda não chegou ao ponto de permitir ubiquidade. Apesar de ser só um dia, o Sónar tem um cartaz vasto, ecléctico e inovador que promete deixar água na boca para mais edições no futuro.

21 Fev 2017

Organizadores do Clockenflap trazem Sonar, festival de música electrónica, a Hong Kong

Hong Kong recebe, em Abril, a primeira edição do Sónar, um festival criado há mais de 20 anos em Barcelona. A iniciativa é sobretudo para quem gosta de música electrónica, mas não só. As novas tecnologias vão ser tema de conversa

Em Barcelona dura três dias; a estreia em Hong Kong é mais modesta. No próximo dia 1 de Abril, realiza-se na região vizinha o festival Sónar, um evento que junta música, criatividade e tecnologia. A organização está a cargo dos responsáveis pelo Clockenflap.

“Respeitado por fãs de música de todo o mundo devido ao seu alinhamento ecléctico, a produção de grande qualidade e o apoio de artistas importantes da música electrónica, o Sónar representa mais um marco no panorama cultural de Hong Kong”, escrevem os organizadores na apresentação do festival.

Através da ligação entre música, criatividade e tecnologia, “o Sónar ganhou uma merecida reputação por juntar os amantes da música electrónica e pessoas criativas de diferentes disciplinas e comunidades, oferecendo uma plataforma única de colaboração cultural”, diz-se também.

O festival foi lançado em Barcelona em 1994. Desde então que tem recebido uma diversidade de músicos e de criativos. No ano passado, contou com a presença de 115 mil pessoas de mais de cem países.

Aqui ao lado, o Sónar vai ser realizado no Hong Kong Science Park, em cinco palcos diferentes, ao ar livre mas também em recintos fechados. Começa às 11h de sábado e prolonga-se pelas primeiras horas de domingo. A organização ainda não divulgou o cartaz, mas promete desde já que o público pode contar com “uma curadoria experiente que junta artistas de renome e novos talentos”. O festival vai ser composto por performances de diferentes géneros, de concertos a actuações de DJs, com sets para quem gosta de dançar, mas também com abordagens à música electrónica experimental.

O espaço dos criativos

À semelhança do que acontece com o festival espanhol, o Sónar de Hong Kong integra o Sónar +D, um congresso de tecnologias criativas que junta uma série de actividades ligadas à inovação. Assim, estão programados workshops, palestras e uma exposição. A organização promete ainda oferecer experiências de realidade virtual. “É uma oportunidade única para as pessoas trocarem ideias e explorarem o espaço onde a criatividade e a tecnologia se encontram, num ambiente divertido e inspirador”, prometem os responsáveis pelo evento.

Ainda sem um alinhamento divulgado ao público, os organizadores do festival, que se realiza em Tai Po, garantem desde já que vai haver um sistema de transportes para tornar o destino mais conveniente a todos aqueles que se queiram juntar ao primeiro Sónar de Hong Kong.

2 Fev 2017