Peggy Chan | Artista plástica: “Macau cresce com demasiada velocidade”

Abre amanhã ao público a exposição “Cem Espécies – Obras de Peggy Chan”, no Museu de Arte de Macau. A mostra leva-nos numa interacção entre pessoas, a sua manifestação no espaço e a natureza em asfixia. Em discurso directo ao HM, Peggy Chan levanta uma ponta do véu da nova exposição

O que é o público pode ver em “Cem Espécies”?

Pode ver três séries de trabalhos gráficos, assim como um estúdio que montei na galeria. A primeira série é centrada em torno de “Bobo”, o urso preto, que vive no Parque Erlogyan com os seus amigos. Este animal faz parte do meu imaginário infantil enquanto crescia em Macau. A segunda série é focada na imagem de uma espécie de ecossistema, o mangal. Enquanto a terceira série se centra na ideia de uma floresta de mangal.

O que pretende dizer com esta exposição?

Quero que as pessoas prestem mais atenção ao meio ambiente, algo que é fundamental para a nossa existência. Especialmente em Macau, uma cidade que cresce com demasiada velocidade.

Por que quis recrear na galeria um estúdio experimental?

Durante a exposição vou estar, “in loco”, a fazer alguma pesquisa para trabalhos futuros, assim como a produzir peças novas. Além disso, também quero experimentar a interacção com o público enquanto crio.

Tenta explorar a relação entre humanos e a natureza. Porquê o interesse neste tópico?

Durante a pesquisa que fiz para um documentário sobre ecologia em Macau, cruzei-me com variadíssimos estudos e relatórios sobre o assunto. Ver como o meio ambiente tem evoluído no território é uma experiência, como observar a evolução de uma ilha artificial. 

Como vê essa relação entre humano e natureza?

Esta relação… Entristece-me tanto. É um relacionamento que serviu apenas para extinguir a pureza natural de Macau. Visitei os pântanos e zonas ecologicamente protegidas onde vi, e senti, o confronto entre o desenvolvimento urbano e a protecção ecológica.

Na obra que expõe agora trabalhou com cianótipos. Por que escolheu trabalhar com esta técnica?

O cianótipo é um processo antigo de impressão de fotografia e tem sido o meu veículo criativo preferido nos trabalhos mais recentes. É um método que, no processo criativo, depende totalmente da luz solar. O cianótipo traz um grau de incerteza natural aos trabalhos que, de certa forma, simboliza a maneira como a nossa vida flui através dos ambientes em constante mudança. Além disso, gosto da tonalidade azul que o processo dá à impressão e que permite fazer camadas de imagens muito bonitas.

1 Jun 2017

MAM recebe “Cem Espécies – Obras de Peggy Chan”

O Museu de Arte de Macau (MAM) organiza, sob a alçada do Instituto Cultural, uma exposição de Peggy Chan, artista local com uma paixão pelo cianótipo, um processo antigo de impressão fotográfica. A inauguração de “Cem Espécies – Obras de Peggy Chan” é amanhã e estará aberta ao público até 13 de Agosto.

O espaço da exposição foi concebido com a ideia de reproduzir o “estúdio experimental” da artista. Os visitantes são convidados a observar os diversos tipos de materiais e imagens artificiais que buscam explorar a relação entre o ser humano e a natureza.

O fio condutor das criações de Peggy Chan patentes nesta mostra é a ideia do impacto da sociedade moderna no meio ambiente. Os danos ecológicos que provocamos espelham-se em estruturas caóticas e na disfuncionalidade de ecossistemas inteiros. Esta acção do Homem tem como consequência a extinção de várias espécies e, inclusivamente, coloca o próprio ser humano em risco.

Estes são os pontos de partida para o trabalho da artista, que através do cianótipo, um ancestral processo de impressão fotográfica baseado no tempo de exposição à luz, captura a relação entre o indivíduo, a cidade e a natureza. O resultado é uma sobreposição de conceitos através de colagens paradoxais e da visão muito peculiar da artista.

Filtros do dia

As obras reflectem as observações indirectas e perceptivas de eco-fenómenos do quotidiano. A exposição espelha a realidade filtrada pela visão de Peggy Chan, na tentativa de perceber se existem regras que governem a relação entre espécies, ambiente e a evolução estranha que se perspectiva.

Peggy Chan nasceu em Macau e licenciou-se em Belas Artes no Instituto Real de Tecnologia de Melbourne com a especialidade de pintura. Experimentou diversos meios tais como a pintura, fotografia, vídeo e instalação, até se apaixonar pelo cianótipo, que está no cerne da exposição que inaugura esta quinta-feira.

“Cem Espécies –  Obras de Peggy Chan”, estará patente ao público no MAM e tem entrada livre.

31 Mai 2017