Pedro Pombo, antropólogo: “Macau torna-se visível em apontamentos”

Depois de uma temporada em Goa, o antropólogo Pedro Pombo, vencedor de uma bolsa do Instituto Cultural, está nas ilhas Maurícias a investigar as comunidades chinesas da região e as relações com o comércio de cules e ligações a Macau. O investigador indica que Macau era importante enquanto ponto de partida por ser português, embora a quase totalidade das rotas de transporte de pessoas tenham sido indirectas

 

Está nas ilhas Maurícias a investigar novas perspectivas do comércio dos cules. Em que fase está o processo de investigação?

Não sou um especialista de Macau, tenho um percurso em história de arte e um doutoramento em antropologia, com trabalho de campo feito em Moçambique. Saí da Índia há pouco tempo, onde estive três anos na Universidade de Goa. Quando me mudei para a Índia comecei a ter interesse em estudar as diásporas do país que tinham saído para a costa oriental africana. Como me situo na zona do oceano Índico, comecei a ter um interesse cada vez maior não só na costa africana como nas ilhas que fazem parte do oceano Índico ocidental. Comecei a interessar-me sobre algumas dicas pontuais que ia vendo e que se relacionam com Macau, nesta região. Tendo em vista a grande história dos trabalhadores contratados, os cules, muitas vezes esta parte do mundo [zona do Índico] passa, no contexto do império português, ligeiramente ao lado. É interessante passar por territórios que nunca foram coloniais e ver como estas relações entre diversos impérios coloniais se fazem. No século XIX o transporte destes trabalhadores, via Macau e Hong Kong, acaba por ter maior expressão e ser em maior número, apesar de começar décadas antes e continuar décadas depois.

E surgiu devido à abolição da escravatura.

Houve uma transição, na parte do oceano Índico, entre a substituição desse sistema por um sistema de trabalho contratado. Muitas vezes os dois sistemas funcionaram ao mesmo tempo. A abolição da escravatura foi feita de forma diferente em vários sítios, muitas vezes era só o transporte de escravos e não a escravatura em si. [Faço] o cruzamento entre a procura em arquivo histórico e bibliográfico e a pesquisa de comunidades de etnia chinesa, especialmente nas ilhas Maurícias. [Procuro estabelecer] diálogo entre o trabalho de arquivo e ver a parte contemporânea a nível de cultura e da presença de comunidades chinesas. Isso tem sido estudado, mas não com este lado de contemporaneidade.

Quais os arquivos que vai analisar?

Vou investigar três arquivos, um deles ligado a uma família hindu de Goa, que tem uma importância fundamental a nível do comércio. Estiveram sempre em Goa, com agentes em Macau, e, a certa altura, tinham o monopólio com os mercadores franceses que vinham para esta zona. As ilhas Maurícias foram mais ou menos ocupadas pelos holandeses, mas depois a grande ocupação e desenvolvimento das plantações de cana de açúcar foi feita pelos franceses no século XVIII. Os ingleses conquistam depois as Maurícias e a ilha da Reunião fica francesa. Os impérios britânico e francês sempre estiveram presentes nesta zona.

Porquê o interesse nesta família?

Este não é um arquivo histórico oficial, mas é um arquivo de comércio, com grandes ligações a Macau, a essa região das ilhas Mascarenhas e a Moçambique. Mas abre-nos uma porta a este comércio que vai além do mundo português. Depois há o arquivo departamental da ilha da Reunião e os arquivos históricos das Maurícias. Vou ficar aqui alguns meses, porque os arquivos das Maurícias são bastante grandes e tenho encontrado muitas informações. Depois volto à ilha da Reunião para fazer o trabalho mais etnográfico e entrevistar pessoas que fazem parte da comunidade chinesa.

O comércio dos cules tinha epicentro em Macau. Pretende analisar outras rotas comerciais?

Macau [nesse aspecto] está estudado, assim como Hong Kong. A larga maioria dos trabalhadores engajados que partiram para as ilhas ou zonas costeiras saíram da Ásia do Sul, sobretudo da Índia, mas um enorme número saiu da China, por Hong Kong e Macau, incluindo Amoy, ou Fujian. Também pretendo estudar os arquivos em Macau. O interesse é colocar em diálogo os dados que encontro em arquivo, como nomes de barcos e rotas indirectas, documentos de trocas comerciais entre diversos armadores privados. Quero estudar como é que esse ponto de partida pode ser encontrado num sítio que não é o mais óbvio nas rotas dos cules através de Macau. Cuba e Perú foram os grandes destinos directos de Macau, com milhares de trabalhadores engajados, com uma conexão a territórios ingleses e franceses. Havia a difícil relação entre Macau e Hong Kong devido aos abusos que foram cometidos nestes contratos, houve situações de quase escravatura, além de que Macau foi bastante criticado pelo império britânico [por causa deste comércio].

Existem, portanto, várias rotas indirectas desse comércio.

Sim. Esta região não é a mais evidente para estudar, mas com a minha pesquisa fui encontrando referências. Há dúvidas e ausências, mas permite-me começar a elaborar uma história menos conhecida, e com uma ligação à etnografia e observação [das comunidades]. Vou tentar perceber se há referências de léxico dessas comunidades a Macau, se há alguma herança histórica que ficou em algumas palavras ou expressões.

O comércio dos cules é ainda uma parte polémica da história de Macau.

Falamos de sistemas de trabalho bastante problemáticos do ponto de vista dos direitos humanos. Havia imensos relatórios a criticar situações insustentáveis. Pode-se argumentar que os britânicos exageravam para retirar o comércio de Macau, mas, de facto havia muitas críticas. Observo nos sítios onde existem comunidades de origem chinesa e indiana que a sua presença parte de um trabalho contratado. Mais tarde houve emigrantes livres, comerciantes. Tem existido um reconhecimento de que é uma história que é necessário falar e dignificar. No que toca à Ilha da Reunião e Ilhas Maurícias, existe um enorme interesse em reconhecer estas comunidades que fazem parte da diversidade cultural local. Do que existe em Macau, e aqui, não vejo que seja uma parte da história problemática ou sobre a qual não se deva falar. É um assunto com um grande significado e não sinto que seja tabu. Vejo uma enorme vontade e orgulho em celebrar uma herança cultural chinesa de comunidades diversas que falavam diversas línguas.

Pode traçar algumas rotas que este comércio de trabalhadores foi assumindo?

[Os arquivos mostram que] cerca de 90 por cento dos barcos que traziam trabalhadores contratados, e que chegaram à ilha da Reunião, vieram directamente de um porto na China do sul. Às ilhas Maurícias chegavam barcos de Penang, Calcutá e Singapura. Isso significa que as rotas eram indirectas para esta parte do mundo. O estreito de Malaca tinha cidades que eram entrepostos, de chegadas e de saídas, e Calcutá era um dos grandes portos de saída para o império britânico. [Isto] significa uma enorme diversidade de rotas e de armadores de barcos. Havia uma enorme circulação. Outro dos dados interessante é que se consegue encontrar a origem dos trabalhadores, e até agora, pelo que encontrei, a grande maioria era de Cantão e da província de Fujian. [Encontro] alguns barcos com números significativos de trabalhadores que são nascidos em Macau. E este “Born in Macau” penso que seja o lugar de origem, poderão não ter nascido em Macau, mas já viviam lá ou, pelo menos, foi o porto original. Muitas vezes é complicado seguir as rotas completas. Existe ainda uma percepção de que as comunidades sino-mauricianas são, na verdade, diferentes, com tempos diferentes. Aparece uma diversidade linguística também, e tenho interesse em saber mais, como é que essa história e diversidade ainda é vivida pelas gerações mais novas, já completamente integradas.

Portanto, rotas directas de Macau para essa zona das Maurícias eram poucas.

Existem poucos barcos de Macau que tenham vindo directamente para aqui. Os armadores não parecem macaenses. Mas é interessante ver que, Macau, como ponto de partida, e pelo facto de ter sido um território português, tem muita importância. Mas depois no transporte em si, os barcos podiam ser franceses, britânicos ou espanhóis, ter várias nacionalidades e ser de armadores privados. Esta diversidade torna difícil fazer um percurso bastante rigoroso. Macau fica quase invisível, mas torna-se visível em pequenos apontamentos e comentários.

4 Jan 2022

Investigador conta ‘pegada’ portuguesa na Tanzânia através da diáspora goesa

Um projecto de investigação que vai resultar num documentário pretende contar a ‘pegada’ portuguesa na Tanzânia, através da diáspora goesa, sobretudo em Dar es Salaam e Zanzibar, disse ontem à Lusa o investigador Pedro Pombo.

“Por um lado, queremos centramo-nos nas celebrações do centenário do clube de Dar es Salaam, que vai reunir grande parte da diáspora goesa que tem uma relação forte com a Tanzânia e é muito importante para a África oriental, e, por outro, mostrar como estas comunidade se espalhou naquele território depois das independências” africanas e indianas, explicou o docente português à margem de uma palestra em Macau.

“Interessa-nos muito essa memória, essa geração que viveu períodos históricos marcantes e cujas memórias não estão registadas, na sua maioria”, sublinhou o professor na Universidade de Goa, cujo trabalho cobre as áreas de arte e linguística antropológica, no que concerne as influências cruzadas entre Moçambique, Tanzânia, a costa ocidental da Índia (especialmente Goa e Diu) e a Ásia Oriental.

O trabalho de campo está agendado para final de dezembro, prevê-se que demore três semanas, e vai resultar num documentário para a RTP, um projeto conjunto com a realizadora Nalini Elvino de Sousa, portuguesa de origem goesa que é também diretora de uma organização não-governamental que se dedica ao intercâmbio cultural e linguístico.

Os vestígios da ‘pegada’ portuguesa, em especial a partir do final do século XIX, não deixa dúvidas, frisou Pedro Pombo de que os goeses “tinham uma grande facilidade de se moverem entre os territórios portugueses e britânicos”, muito pelo facto de dominarem as línguas dos dois países e pela sua qualificação cultural, pelo acesso ao ensino superior.

“Muitos trabalhavam na administração, muitos eram advogados, em empresas de construção de estradas ou do caminho de ferro, muitas famílias dedicavam-se ao comércio e há casos também muito interessantes de músicos, arquitetos e fotógrafos”, acrescentou.

As declarações foram prestadas numa palestra promovida pela Fundação Rui Cunha, em parceria com a Universidade de Macau – Centro de Investigação e Estudos Luso-Asiáticos (CIELA) do Departamento de Português.

A iniciativa intitulada de Diálogos Interculturais – Goa, Diu e Sri Lanka consistiu em duas apresentações que se centraram no diálogo entre influências culturais múltiplas no Índico, especificamente em Goa, Diu e no Sri Lanka, desde o património imaterial (sistemas sociais, canção e dança), e património material (arquitetura, arte e artesanato).

Mahesh Radhakrishnan, etnomusicólogo e antropólogo linguístico, professor da Faculdade de Arqueologia e Antropologia da Universidade Nacional da Austrália, a equipa de pesquisa da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi outro dos convidados, tendo abordado o tema dos vestígios da tradição luso-asiática nos domínios da dança, música e letras ainda mantidas pelas comunidades descendentes de portugueses na costa leste do Sri Lanka.

A palestra conjunta fez parte da promoção do CIELA de temas relacionados com a língua portuguesa e as culturas influenciadas por uma matriz portuguesa na Ásia.

26 Nov 2019