Fernão de Magalhães em Goa e Malaca

A nomeação do estratega e génio militar Afonso de Albuquerque para Governador da Índia permitiu assentar, ente 1509 e 1515, supremacia política, militar e comercial portuguesa no Índico, mais à base das armas e não como o seu antecessor, por diálogo e tratados de cooperação comercial. As reprimendas que o Vice-Rei D. Francisco de Almeida lhe dera quando ainda estava sob o seu comando, levaram-no como Governador a temperar o carácter e agressividade.

Devido à escassez de portugueses, surgiu-lhe a ideia de criar um sistema em rede formando um império por portos com feitorias e fortalezas espalhados estrategicamente pelo Oceano Índico e tornar vassalos os soberanos, dividindo com eles os lucros. Para minimizar a pouca população portuguesa necessária para ocupar esses lugares, Albuquerque fomentou o casamento dos seus homens com nativas locais. Já o sistema de Cartaz provinha de 1502 e o mare clausum, que, “segundo parece, já vigorava antes da hegemonia portuguesa naquele oceano, impedia o trânsito de qualquer embarcação não cristã que não fosse portadora de um salvo-conduto, passado e autenticado pelas autoridades portuguesas”, refere Joaquim Candeias Silva.

Escapando de Malaca, Fernão de Magalhães e Francisco Serrão chegaram a Cochim, já o Governador Afonso de Albuquerque tomara posse a 29 de Outubro de 1509 e preparava-se para ir conquistar Goa aos muçulmanos de Bijapur. Ambos participaram nessa expedição e o êxito inicial em Fevereiro de 1510 só foi total a 25 de Novembro, dia de Santa Catarina, padroeira dos marinheiros. Goa era a primeira conquista territorial na Índia feita pelos portugueses e logo se tornou a capital do Estado Português do Oriente.

Após Goa tomada, seguiram os dois amigos na armada de Albuquerque com seiscentos portugueses para Malaca, onde, resgatados os companheiros aprisionados desde 1509 e recebido o pagamento das compensações, dizimaram os navios ali ancorados, conquistando o porto de Malaca a 10 de Agosto de 1511. Afonso de Albuquerque aí mandou erguer o forte ‘A Famosa’, deixando nele trezentos portugueses.

Em Malaca, Magalhães comprou o escravo Henrique (o malaio Panglima Awang, que traduzido significa chefe dos moços, segundo Luís Filipe Thomaz), com quem passou a viajar, seguindo ambos com Albuquerque para a Índia, pretendendo regressar ao reino.

AS MALUCO

Em 1511, o Oceano Pacífico abria-se assim aos portugueses pelo Estreito de Malaca e se a atracção material no comércio seria ir à China, mais importante era realizar uma “expedição destinada ao descobrimento das Molucas, ou ilhas da especiaria. António de Abreu, que a comandava [partiu em Dezembro de 1511 de Malaca com Francisco Serrão], esteve primeiro num porto de Java, depois em Amboina, e visitou em seguida as ilhas de Banda, donde regressou a Malaca. O seu companheiro Francisco Serrão foi mandado prosseguir na mesma empresa; naufragou numa das ilhas do arquipélago de Banda; tendo salvo, porém, as armas, conseguiu intimidar os naturais, e fazendo-se à vela numa embarcação indígena, chegou finalmente a Ternati e a Tidor, das Molucas propriamente ditas, onde pouco depois os Portugueses se estabeleceram”, segundo António Sérgio. Já C. R. Boxer refere, a exploração que os portugueses “souberam fazer da inimizade endémica entre os sultões de Ternate e de Tidore lhes permitiu alcançar uma posição dominante no comércio de cravo-da-índia das Molucas.”

Maluco, como na altura os portugueses chamavam às Molucas, era a fonte do cravo e da noz-moscada e em Ternate, uma das suas cinco ilhas principais, Francisco Serrão fez residência e tornou-se feitor. Daí enviava missivas ao amigo Magalhães dizendo ser esta uma viagem de muitos proveitos. Adiantava, pelos seus cálculos, estarem estas ilhas das Especiarias na parte de Castela. António Sérgio complementa, “Das viagens contínuas entre Malaca e as Molucas, resultou o conhecimento de numerosas ilhas. Foram assim conhecidas Bornéu, Celebes, (Gomes de Sequeira, 1518), e Papuásia (D. Jorge de Meneses, 1527). Em 1518 mandou o Governador da Índia a D. João da Silveira que visitasse a costa de Coromandel, seguindo para o Norte, chegou às bocas do Rio Ganges; de aí desceu pela contracosta, tocando em vários dos seus portos.” Era o reconhecimento do Mar de Bengala, no Oceano Índico.

Com lugar comprado num junco de mercadores chineses em Pegu (hoje em Myanmar, na costa do Mar de Bengala), o feitor Jorge Álvares saiu de Malaca em Junho de 1513 para os mares da China até Lin Tin, ilha no delta do Rio das Pérolas. Do outro lado do Oceano Pacífico, no já baptizado continente Americano, a imensidão de água foi visualizada a 25 de Setembro desse ano por Nuñez de Balboa ao subir ao cume de uma montanha em terras do actual Panamá. Dias depois molhava os pés nessas águas que baptizou de Mar do Sul. Faltava encontrar a passagem marítima a ligá-lo ao Atlântico.

INVEJAS E CALÚNIAS

Fernão de Magalhães recebia mil réis por mês como escudeiro de D. Manuel antes de embarcar para o Oriente, onde entre 1505 e 1512 se revelara um valente soldado e marinheiro exemplar, e “regressado à metrópole, conquistou um lugar na corte, andando no livro dos moradores da casa de El-Rei [D. Manuel] com bons foros”, segundo António Sérgio.

Pouco depois de chegar a Portugal, alistou-se na armada do IV Duque de Bragança D. Jaime, que pretendia no Norte de África conquistar Azamor e custeava a expedição para se penitenciar de em 1512, num acesso de ciúmes, ter apunhalado a esposa Dona Leonor de Gusmão. Para ser representada à partida, Gil Vicente escreveu a tragicomédia Exortação da Guerra e a batalha ocorreu a 3 de Setembro de 1513, saindo vitoriosos os portugueses que aí construíram uma fortaleza.

Em Marrocos, numa das constantes e diárias escaramuças, Magalhães foi ferido numa perna, ficando coxo para o resto da vida. Nomeado quadrilheiro-mor, caiu em desgraça devido à distribuição em Março de 1514 de despojos, sendo acusado de se apropriar de parte do gado e o vender aos mouros. Regressou a Portugal e apresentou-se em 1515 a D. Manuel, acompanhado por o escravo malaio Henrique, pedindo um aumento da pensão por os serviços prestados. Na audiência, o rei, rodeado por delatores a espalhar falsidades sobre o íntegro e leal soldado marinheiro, tratou-o mal, sem consideração alguma e despediu-o do serviço de Portugal.

Sem reconhecimento e despeitado por D. Manuel e sua corte, Fernão de Magalhães a 20 de Outubro de 1517 chegou a Castela zangado e magoado com o seu país. Após anos ao serviço na Índia Portuguesa, vinha oferecer a sua experiência e conhecimento a Espanha com o projecto de navegar pelo Oeste até às ilhas das Especiarias. Era regente de Castela o Cardeal Jiménez de Cisneros, cuja idade e sabedoria o colocaram à frente dos assuntos de Espanha.

Fernão de Magalhães resumia a sua vida até então com duas frases: desde miúdo andei perto de corvos com plumagem de pomba e sempre tive ao meu lado a honra e a miséria, mais que a desonra e o luxo.

29 Mar 2021

Malaca | Guardião da herança portuguesa desapontado com falta de apoio

O responsável do museu do Bairro Português em Malaca, Malásia, está desapontado com Portugal por não ajudar na remodelação do espaço, visivelmente degradado, que conta uma história do legado português com mais de 500 anos

 

Em entrevista à Lusa no museu situado no coração do Bairro Português em Malaca onde se estima viverem ainda mil a dois mil luso-descendentes em cerca de 180 casas, Jerry Alcantra afirma estar desapontado com os portugueses que “dizem querer ajudar”, sem que esta chegue. “Não quero ofender ninguém, só digo o que deve ser dito”, sublinha o lusodescendente.

Carpetes velhas, molduras partidas e danificadas, quadros rasgados, pratos do séc XVI partidos, entre algumas outras relíquias em relativo bom estado, é o cenário que se vê ao entrar neste espaço, no qual se procura preservar uma história que remonta a 1509 quando Diogo Lopes Sequeira, enviado do Rei D. Manuel, aportou em Malaca para estabelecer relações e dois anos mais tarde Afonso de Albuquerque desembarcou, demoliu a Grande Mesquita, e levantou no local uma fortaleza que seria um importante entreposto comercial.

“Um museu precisa de ter boas molduras, boas luzes (…) isto assim não pode ser considerado um museu”, diz, visivelmente triste e revoltado, Jerry Alcantra, que toma conta do museu há sete anos.

O lusodescendente explica que antigamente o museu era em parte subsidiado pelo estado de Malaca, mas que “agora eles não têm dinheiro” e por isso toma conta do local de forma gratuita, pedindo apenas a quem entra algum donativo.

Para Jerry Alcantra, o facto de as autoridades malaias não ajudarem resulta de os luso-descendentes serem praticamente todos católicos romanos, num país onde o islamismo é a religião oficial, praticado por mais de 50 por cento da população malaia (31 milhões de habitantes). O budismo (17 por cento) e o taoismo (12 por cento) estão à frente do catolicismo, que é praticado por cerca de 8 por cento da população do país. “O Governo [da Malásia] não nos ajuda porque nós não somos malaios, isto é um país muçulmano, eles não nos vão ajudar, nós somos católicos romanos”, afirma.

Este cenário, juntamente com o facto de os portugueses os “terem deixado para trás”, põe em risco a própria manutenção deste legado. “Os portugueses deixaram-nos para trás”, acusa, garantindo que, apesar de tudo, aqui neste pequeno recanto de Malaca o bailado, a música, o português ‘antigo’, o Natal e as festas de São Pedro são rituais respeitados e praticados religiosamente por esta população.

“A cultura é o que nos resta para nós termos a noção que somos portugueses, mais nada. Nós não parecemos portugueses, nós somos a quinta geração”, diz, sublinhando que o cruzamento de culturas tem sido feito ao longo de 500 anos, até através do casamento.

“Se eu falar devagarinho vocês [os portugueses de Portugal] entendem”, dando depois alguns exemplos como “comer, beber, branco, janela”, em crioulo de matriz portuguesa kristang, uma língua agora ameaçada de extinção, que emprega a maior parte do seu vocabulário do português, mas a sua estrutura gramatical é semelhante ao malaio e extrai as suas influências dos dialectos chinês e indiano.

“O meu pai é português e a minha mãe é chinesa, o que é que isso faz de mim? Como é que querem que eu me pareça convosco?”, aponta.

Miguel Mâncio, enviado da agência Lusa

29 Jul 2019

Finalmente, Malaca

Recordo-me da cara de felicidade daquele homem no meio de carros barulhentos quando viu o meu passaporte português. Tirou-o das minhas mãos, repentinamente, e sorriu como eu nunca havia visto alguém sorrir perante tal documento de viagem.

Aquele residente de Malaca sentia-se português sem nunca ter ido a Portugal e sentia uma extrema felicidade só de olhar para o meu nome. Malaca é um lugar especial, mas esquecido.

Aquele pequeno bairro português guarda tantas histórias consigo, histórias que permanecem por catalogar e que caíram no esquecimento das autoridades portuguesas. O sentimento de ser português, ainda que essa portugalidade possa ser uma ilusão, está muito presente naquelas ruas e é bonito de se ver, mas, sobretudo, de sentir.

Finalmente, um dirigente português foi a Malaca ver estas pessoas e este sentimento bonito que elas guardam. Vai tarde, mas mais vale tarde do que nunca. Espero que a visita do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, possa dar àquelas pessoas uma escola de português como tanto desejam, um museu decente e infra-estruturas que permitam manter a sua história, que afinal é nossa também.

2 Jul 2019

Portugal tenciona abrir consulado honorário em Malaca

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas anunciou sábado à Lusa que o Governo português pretende abrir um consulado honorário em Malaca, onde existe um legado patrimonial e imaterial desde a chegada de Afonso de Albuquerque, em 1511.

“O senhor embaixador está a elaborar uma proposta que irá submeter ao Ministério dos Negócios Estrangeiros (…) para criarmos aqui, em Malaca, um consulado honorário, disse à Lusa José Luís Carneiro, à margem da 2.ª Conferência das Comunidades Portuguesas na Ásia.

O encontro juntou no Bairro Português de Malaca representantes das comunidades asiáticas descendentes de portugueses, numa iniciativa de partilha das raízes culturais, com cerca de 300 luso-asiáticos, de várias comunidades do continente.

“Depois de ser apreciado pelas autoridades portugueses [pretensão de abrir consulado honorário em Malaca] irá ser submetido às autoridades malaias”, explicou o responsável português, que esteve reunido na sexta-feira com o secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Malásia, Muhammad Shahrul Ikram Yaakob, em Kuala Lumpur.

“Tratar-se-á de um consulado honorário e naturalmente para que possa ser criado é necessário que haja condições físicas, materiais, para que possa funcionar como um consulado honorário”, revelou José Luís Carneiro, não apontando, contudo, uma possível data de abertura.

Acompanhado pelos artistas das comunidades de herança portuguesa da Indonésia, Malásia, Tailândia e Sri Lanka, que atuaram durante a conferência, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas assumiu o compromisso de ajudar estas comunidades através de apoio financeiro para actividades culturais e de preservação do legado deixado pelos portugueses, durante a época dos descobrimentos.

“Assumi o compromisso com a associação Coração de Malaca (e outras Organizações não-governamentais) em Malaca de os apoiar na elaboração de candidaturas para efeitos de financiamento por parte do Ministério dos Negócios Estrangeiros (…) no apoio ao trabalho que aqui desenvolvem relativo à defesa e valorização da herança histórica que aqui une comunidades de toda esta região, desde a Indonésia, até Macau, Singapura, Tailândia e Malaca”, disse.

“Como se vê, são jovens que serão o futuro destas comunidades que aqui mostram a sua ligação a Portugal”, disse enquanto interagia com aqueles jovens luso-asiáticos.

O responsável português lembrou ainda o trabalho feito por dois portugueses em Malaca que querem identificar todo o património imaterial deixado por Portugal, desde o século XVI na cidade costeira da Malásia, onde ainda vive uma forte comunidade que diz ser portuguesa, e disse que o Governo os vai ajudar na candidatura à UNESCO, para que esta organização reconheça este património único.

Joana Bastos e Bruno Rego, dois bolseiros Fernão Mendes Pinto, um projecto de parceria entre a associação Coração de Malaca e o instituto Camões, disseram à Lusa que estão, desde que aterraram em Malaca, há cerca de três meses, a desenvolver um mapeamento cultural que vai abranger toda a comunidade luso-malaia com o objectivo de enviar estas informações à UNESCO

Por fim, o Secretário das Comunidades Portugueses anunciou ainda que para o ano, durante as celebrações do São Pedro em Malaca, o grupo vencedor das marchas de Santo António em Lisboa irá participar nas festividades da cidade outrora conquistada pelos portugueses.

As festividades do São Pedro arrancaram na sexta-feira em Malaca e terminaram este domingo.
A relação de Portugal com Malaca remonta a 1509, quando Diogo Lopes Sequeira, enviado do Rei D. Manuel, aportou em Malaca para estabelecer relações e dois anos mais tarde Afonso de Albuquerque desembarcou em Malaca, demoliu a Grande Mesquita, e levantou no local uma fortaleza que seria um importante entreposto comercial.

1 Jul 2019

Patuá em declínio antes do Kristang, diz Joseph Santa Maria

Um dos representantes da minoria luso-malaia afirmou ontem que a cultura e o crioulo de matriz portuguesa de Macau vão desintegrar-se “mais rápido do que o Bairro Português em Malaca”. “Em Macau já ninguém fala o Patuá”, disse Joseph Santa Maria, em declarações à Lusa, na cidade malaia conquistada pelos portugueses em 1511.

Derivado do crioulo de Malaca, o Kristang, o crioulo de base portuguesa de Macau, o Patuá, está classificado há quase uma década pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como “gravemente ameaçado”, o último patamar antes de uma língua se extinguir por completo.

“Nós perdemos Macau, no sentido em que Macau pertence à China, e penso que em Macau vai-se desintegrar aos poucos, sublinhou Joseph Santa Maria. Segundo o luso-malaio, apesar de o Bairro Português de Malaca ter menos apoios que Macau, as gentes que lá vivem “têm um orgulho enorme em ter um passado português”.

O Kristang surgiu há cerca de 500 anos, quando Afonso de Albuquerque desembarcou em Malaca, demoliu a Grande Mesquita, e levantou no local uma fortaleza que seria um importante entreposto comercial. Ameaçada de extinção, a língua emprega a maior parte do seu vocabulário do português, mas a sua estrutura gramatical é semelhante ao malaio e extrai influências dos dialectos chinês e indiano.

28 Jun 2019

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas visita Malaca e Macau

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas chega amanhã a Malaca para participar na 2ª Conferência das Comunidades Portuguesas na Ásia, seguindo na segunda-feira para Macau. José Luís Carneiro, antes de chegar a Malaca para reunir com representantes das comunidades asiáticas descendentes de portugueses, irá à capital malaia, Kuala Lumpur, encontrar-se com o secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Malásia, Muhammad Shahrul Ikram Yaakob.

“Portugal tem uma responsabilidade moral, têm de ter consciência destas bolsas de comunidades portuguesas que existem na Ásia”, disse hoje o organizador da segunda edição da Conferência, Joseph Santa Maria, em declarações à Lusa, na cidade conquistada pelos portugueses em 1511.

Depois da conferência, José Luís Carneiro desloca-se ao bairro português em Malaca e vai assistir à missa, à procissão e à bênção dos barcos de pesca, “no contexto da Festa de São Pedro em Malaca”, lê-se num comunicado divulgado pelo seu gabinete. O responsável português irá encontrar-se ainda com o ministro-chefe de Malaca, Adly Zahari.

28 Jun 2019

Asiáticos descendentes de portugueses juntam-se em Malaca “para redescobrir as raízes culturais”

A comunidade asiática descendente de portugueses de todo o continente junta-se em Malaca no final de Junho “para redescobrir as raízes culturais” que partilham e que herdaram durante a época dos descobrimentos, disse à lusa o organizador.

“O principal objectivo deste encontro é redescobrir as nossas raízes culturais que partilhamos em comum e que todos herdámos de Portugal”, disse à Lusa o representante da minoria luso-malaia perante o estado de Malaca e organizador da segunda edição da Conferência da Comunidade Luso-Asiática, Joseph Santa Maria.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, o presidente da Assistência Médica Internacional (AMI), Fernando Nobre, assim como professores e especialistas da Indonésia, Singapura, Malásia, Timor-Leste, Austrália e Tailândia, têm previsto marcar presença entre os dias 28 e 29 de Junho na cidade conquistada pelos portugueses em 1511, na época no coração de um lucrativo comércio de especiarias.

Todos os participantes partilham um passado em comum: “orgulhosamente exibimos a nossa cultura e tradições respectivas que abraçamos firmemente”, contou Joseph Santa Maria.

“Nós também podemos afirmar orgulhosamente que somos uma comunidade na Ásia, uma comunidade de descendentes de portugueses”, que começou nos séculos XV e XVI sublinhou.

Para o organizador, a responsabilidade da protecção da herança luso-asiática tem de passar pelos próprios. “Não podemos esperar que Portugal proteja a nossa bela herança, devemos proteger-nos para sobreviver”, frisou.

Portugal, disse, “só tem uma responsabilidade moral no que diz respeito à sua política, que é os Século XV e XVI, nos anos da ‘grande descoberta”. Por outro lado, Joseph Santa Maria espera que os “promotores da herança portuguesa”, não se esqueçam “do solo asiático”.

“Somos cidadãos orgulhosos dos nossos respectivos países, mas também nos orgulhamos do nosso início e da cultura e tradições que todos nós herdámos principalmente de Portugal”, sendo esse precisamente o “objectivo principal”, da segunda edição da Conferência da Comunidade Luso-Asiática, vincou.

Por fim, Joseph Santa Maria afirmou desejar que este encontro se possa realizar mais vezes, uma forma de proteger o património com a “pequena voz” das minorias daqueles que têm e que representam a herança portuguesa na Ásia.

4 Jun 2019

Crioulo de matriz portuguesa cantado todos os sábados em Malaca

Numa casa no bairro português de Malaca, cerca de 20 crianças cantam, todos os sábados, músicas no crioulo de matriz portuguesa Kristang, para impedir que esta língua com mais de 500 anos morra, disse à Lusa a professora.

Sara Frederica Santa Maria conta que foi a vontade de preservar a memória do pai, que morreu em 2008, e o “medo de perder a língua” que fez com que decidisse, em 2012, abrir as portas da sua casa todos os sábados, das 16:00 às 18:00.

“O que me inspirou a ensinar Kristang foi o meu pai. Ele fez uma pesquisa sobre o idioma no final dos anos 1980 e, antes de falecer em Dezembro de 2008, disse-me que pretendia começar uma aula aqui na minha casa”, contou à Lusa a professora de 50 anos.

“Ele deveria começar as suas aulas em Janeiro de 2009, mas infelizmente, faleceu em Dezembro de 2008, com um ataque cardíaco”, descreveu. Sara Frederica Santa Maria admitiu ter demorado algum tempo até decidir, em 2012, seguir o sonho que o pai nunca concretizou.

“O meu pai preparou os tópicos do programa de estudos. Eu estava a ler o seu trabalho após a sua morte e decidi continuar o que ele havia deixado para trás”, explicou. “Assim como o meu pai, também tenho medo de perder a língua, [mas…] com estas aulas semanais, consigo manter o idioma”, disse.

Neste momento, lecciona cerca de 20 estudantes, dos quatro aos 14 anos e para além das músicas, ensina danças tradicionais portuguesas a estes jovens e também algumas receitas de bolos portugueses.

O Kristang surgiu há cerca de 500 anos quando os portugueses conquistaram o porto estratégico de Malaca em 1511, uma cidade no coração de um lucrativo comércio de especiarias.

Depois de 100 anos de domínio português, a cidade foi tomada pelos holandeses, depois pelos ingleses, até à independência da Malásia em 1957.

Esta linguagem, ameaçada de extinção, emprega a maior parte do seu vocabulário do português, mas a sua estrutura gramatical é semelhante ao malaio e extrai as suas influências dos dialetos chinês e indiano.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o Kristang encontra-se “seriamente ameaçado”, estimando-se que pouco mais de duas mil pessoas ainda saibam falar este crioulo de matriz portuguesa. A organização calcula que metade das 6.000 línguas faladas no mundo desaparecerão até 2100.

Este crioulo é ainda falado em algumas áreas de Malaca, como em Ujong Pasir, um dos lugares onde os descendentes de colonos portugueses na Ásia se instalaram.

“As pessoas do bairro português [onde eu moro] têm muito orgulho da sua língua, cultura e tradições”, sublinhou Sara Frederica Santa Maria.

“Enquanto o Governo de Malaca nos permitir ficar aqui como uma comunidade, a nossa cultura e tradições linguísticas viverão”, concluiu. Nos dias 28 e 29 de Junho vai ser realizada, em Malaca, a segunda edição da Conferência da Comunidade Luso-Asiática, organizada por Joseph Santa Maria, representante da minoria luso-malaia perante o estado de Malaca, pela Associação AMI, pela associação cultural Coração em Malaca e pela organização não-governamental NGD, com o objectivo de fortalecer os laços culturais que unem a comunidade a Portugal.

“Tem sido uma paixão e persistência divulgar e promover a comunidade do bairro, a sua cultura de origem portuguesa, secular e presente como um valioso património a conservar”, disse à Lusa a presidente da Coração em Malaca, Luísa Timóteo.

4 Jun 2019

Da identidade dos Macaenses e de outros portugueses do Oriente

3. Portugal e a falta de solidariedade para com as Cristandades Crioulas Lusófonas do Oriente

A incapacidade de Portugal nesta matéria é uma evidência secular. Filha da ignorância e do preconceito, como atestam alguns exemplos que se registam de seguida e que ocorreram num intervalo de tempo pluri-secular:

O Bispo de Macau, D. Alexandre Pedrosa Guimarães, em carta ao Rei D. José I, de 22 de Dezembro de 1774, refere que as mulheres macaenses “falam uma linguagem, que é mistura de todos os idiomas e gírias, imperceptível aos que não são criados no país, por culpa dos maridos e pais de família, que há dois séculos não cuidaram em introduzir o idioma português correcto, sobre o que vou trabalhando, por ser esta coisa aquela em que cuidam todas as nações em seus domínios”.

José Joaquim Lopes de Lima, oficial de marinha e administrador colonial, governador de Timor que cedeu a ilha das Flores aos holandeses, no seu “Ensaios sobre a Statistica das Possessões Portuguesas no Ultramar..” (1844) dá uma pequena amostra da desconsideração e desrespeito nutrido em relação às Cristandades Crioulas e à língua por elas falada. No que respeita ao Crioulo de Cabo Verde, classificava-o de “gíria ridícula, composto monstruoso de antigo Portuguez, e das Linguas de Guiné, que aquelle povo tanto présa, e os mesmos brancos se comprazem a imitar”.

Em 1988, na qualidade de Presidente do Instituto Cultural de Macau, devidamente autorizado pelo Governador, transmiti ao Secretário da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Albino Cleto, a disponibilidade do Governo de Macau em apoiar a ida de religiosos portugueses para a Missão de S José de Singapura e para a paróquia de S. Pedro de Malaca. Nessa altura já se encontravam retirados, por doença e velhice, os últimos padres portugueses enviados pelo Bispo de Macau.

Respondeu-me S. E. Reverendíssima – de um modo que me pareceu tocado de algum complexo colonial – que a iniciativa deveria partir do Arcebispo e Bispo respectivos. Sugeri que, ao menos, a Conferência Episcopal Portuguesa os convidasse para as comemorações do Centenário da Missionação e, nessa altura, se abordasse o assunto. Nem o Arcebispo de Singapura, nem o Bispo de Malaca estiveram nessas comemorações.

Em Janeiro de 1996, teve lugar em Malaca uma Conferência sobre “O Renascimento do Papiá-Cristão e o Desenvolvimento do Património Malaco-Português”, a que tive a honra de presidir, na qualidade de Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal e a convite da respectiva Comissão Organizadora. Entre as comunicações apresentadas, abordaram-se temas da maior importância:

– as dificuldades que sobreviriam para os pescadores, representando 30% da Comunidade, em consequência dos planos de desenvolvimento local que previam extensos aterros, afastando o mar para longe das suas casas;

– o estudo, então em curso, para avaliação do número de falantes do Crioulo [Kristang] e das necessidades para o respectivo ensino, por inciativa do Dr. Mário Pinharanda Nunes, então leitor de português em Kuala Lumpur;

– o crescente interesse da população estudantil da Malásia, espelhado em teses versando a influência do Português sobre o Malaio e de docentes universitários daquele país empenhados em trabalhos de investigação sobre o Papiá-Cristão;

– a sumariação dos crioulos existentes no mundo, seus diferentes estatutos, intercâmbio dos seus falantes para troca de experiências, inventário das respectivas necessidades, modos de entreajuda e internacionalização desse património comum espalhado por vários países;

– a complexidade do sistema educativo da Malásia em que coexistem várias línguas e que permite a inclusão de qualquer idioma – incluindo o Papiá-Cristão e o Português padrão – mediante requerimento de quinze pais ou encarregados de educação.

Expressa ou implicitamente, os oradores apelaram ao apoio de “Portugal e das Fundações Portuguesas”. Estávamos no início do ano de 1996. Uma das dez conclusões da Conferência consistiu no pedido de avaliação das possibilidades de ligação das Cristandades Crioulas Lusófonas do Oriente à Comunidade de Povos de Língua Portuguesa (CPLP). Outra propunha que Portugal viabilizasse a organização de um pavilhão das Cristandades Crioulas Lusófonas do Oriente na EXPO 98.

Tudo foi transmitido ao Governo português pelos canais habituais. A primeira resposta recebida enviava o preçário de arrendamento dos pavilhões! Insistiu-se, através de nova diligência, procurando explicar melhor o sentido e alcance do que se pretendia. A resposta, ignorante, foi a de que cada Comunidade deveria diligenciar a sua inclusão nas representações dos respectivos países. Assim se encerrou definitivamente o assunto. A surdez, quando causada pela burrice, é mais irritante e cansativa…

Como me referiu o Arcebispo Emérito de Mandalay, na Birmânia, U Than Aung – descendente de portugueses – onde a maioria do clero católico é de origem portuguesa e cuja Comunidade tem as suas origens na cidade de Pegú no ano de 1600, quem nunca recebeu a mais ténue manifestação de solidariedade de Portugal nada tem a esperar daí.

Há de reconhecer-se que este Portugal do nosso tempo que esquece os “seus”, constrói Mesquitas, e anseia escancarar as suas portas às vítimas que sobrevivem à travessia do Mediterrâneo, padece de doença grave e, provavelmente, incurável, do foro psiquiátrico.

Os portugueses euro-asiáticos são originários das regiões costeiras do Índico e do Pacífico onde os portugueses europeus, africanos e de outras regiões da Ásia e da Oceania se estabeleceram e com cujos povos mantiveram relações duradouras, desde o século XVI. São católicos-romanos e falam um crioulo de base portuguesa.

Portugueses, da Índia e do Sri Lanka

Conferência em Malaca

Sob o título “RESSURGIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PAPIÁ-CRISTÃO E DO PATRIMÓNIO MALACO-PORTUGUÊS”, reuniram-se em Malaca intelectuais e académicos, luso-descendentes de Malaca, malaios e de outros países, incluindo Portugal, no fim de semana de 6 e 7 de Janeiro de 1996.

A convite da Comissão Organizadora do encontro, liderada pela luso-descendente de Malaca Joan Margaret Marbeck, presidiu à Conferência o Dr. Jorge Morbey, Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal em Bangkok. Esta Embaixada, além de representar Portugal na Tailândia, assegura as relações diplomáticas com o Camboja, Laos, Malásia, Myanmar, Singapura e Vietname.

Na sessão de abertura, Joan Marbeck, falando em Papiá-Cristão e Inglês, agradeceu a presença dos convidados e os apoios recebidos de entidades de Malaca e do Instituto Português do Oriente, afirmando a dado passo que “na descoberta daquilo que nos distingue, temos de manejar elementos de identidade e de integração com o máximo cuidado. Não é nosso desejo sermos separatistas. Pelo contrário, desejamos empenharmo-nos no património colectivo com outras comunidades e, ao mesmo tempo, preservar os valores Kristang.”

Referindo-se concretamente ao estado actual do Papiá-Cristão que, de acordo com alguns linguistas está dando os seus últimos passos, afirmou dever preservar-se o sonho de consolidar a língua materna da sua Comunidade na Malásia plurilingue, pondo de parte ideias feitas e apostando no seu renascimento, através da formulação de um plano de acção em direcção ao ano 2000, a ser apresentado ao Primeiro-Ministro da Malásia, Dr. Mahatir Bin Mohamad.

A primeira comunicação foi apresentada por Gerard Fernandis, secretário do Conselho do Regedor do Bairro Português e assistente do Consul Honorário de Portugal em Kuala Lumpur. Chamou a atenção para as consequências dos planos de desenvolvimento em curso em que se prevê um vasto aterro na zona ribeirinha do Bairro Português de Malaca, afastando o mar para longe das casas dos pescadores que constituem ainda 30 % da Comunidade. A dado passo, afirmou:

“Aceitamos o desenvolvimento, mas não à custa do nosso bem-estar económico e cultural. O Estado, a Comunidade e os investidores têm de entender que é forçoso o crescimento da Comunidade a par do desenvolvimento e que os aspectos culturais têm de ser preservados”.

Para preservar o património português de Malaca, Gerard Fernandis apelou a “Portugal e às Fundações portuguesas”, enfatizando que a Religião Católica é o elemento aglutinador e identificador da Comunidade Kristang e que os elementos mais visíveis do seu património são o Papiá-Cristão, a música e a dança.

Intervindo a seguir, o Dr. Mário Pinharanda Nunes, leitor de Português na Universidade Malaya, em Kuala Lumpur, apresentou um conjunto de reflexões intituladas “Ressurgimento do Papiá-Cristão: Reflexões sobre como promover o renascimento do Papiá-Cristão em Malaca e em outras partes da Malásia”. Defendendo que o Leitorado pode desempenhar um papel importante no renascimento do Papiá-Cristão, deu testemunho da sua própria experiência pessoal que, ao ensino de línguas estrangeiras, se alargou ao interesse pelo Kristang e pelos Crioulos em geral. Opondo-se frontalmente à afirmação de que o Papiá-Cristão é já uma língua morta, o Dr. Pinharanda Nunes manifestou a convicção de que tal ideia resulta do menor número de Luso-descendentes de Malaca que o falam actualmente, em comparação com o que se passava nos decénios anteriores, à aparente perda de prestígio no conjunto das línguas faladas na Malásia – quando foi uma das principais durante a ocupação portuguesa e após ela – e ao desconhecimento da sua existência por parte de muitos malaios, mesmo daqueles que trabalham na área das línguas.

Sobre a situação actual do Papiá-Cristão, afirmou: “se por um lado o seu renascimento implica o crescimento do número dos seus falantes, o qual requer o seu ensino, por outro lado podemos entender por renascimento apenas atribuir-lhe um maior valor na opinião pública e difundir o conhecimento da sua existência”. Para a primeira hipótese, o Dr. Pinharanda Nunes sublinhou a necessidade de um mais exacto conhecimento do número de falantes, dos actos de fala em que o usam, com quem e com que frequência o falam, concluindo tornar-se necessário um trabalho de pesquisa, para avaliação do número de falantes e, assim, para avaliar a dimensão exacta da necessidade do ensino do Kristang.

Justificando a importância desse trabalho de investigação por se ter confrontado com números contraditórios sobre os falantes de Papiá-Cristão, o Dr. Pinharanda Nunes informou que elaborou um questionário para colheita dos dados entre as famílias Kristang, a realizar brevemente, e que os resultados e o respectivo relatório serão submetidos ao Conselho do Regedor e facultados a qualquer instituição malaia ou pessoa que o julgue útil para a definição de uma política de ensino do Papiá-Cristão.

Abordando em seguida a questão relativa à necessidade de materiais de ensino, referiu ser indispensável a normalização da ortografia do Papiá-Cristão, através da cooperação entre falantes locais e linguistas especializados na transcrição de línguas orais, para a fixação da sua ortografia oficial, à semelhança do que aconteceu com algumas das línguas do Sarawak..

(continua)

18 Abr 2019

Malaca | As dificuldades de um bairro português que teima em existir

Construir a imagem de um cristo rei à entrada do bairro português em Malaca gerou um confronto com as autoridades malaias que por pouco não culminou na sua demolição. Há agora um plano para erguer uma imagem da virgem maria, mas Luísa Timóteo, da Associação Coração em Malaca, diz que isso não chega para manter a identidade portuguesa de uma pequena comunidade que vive pobre e com limitações. Pede-se uma escola e a visita de Marcelo Rebelo de Sousa

 

O mar que outrora pôs o comer na mesa a várias famílias descendentes de portugueses já não é o mesmo. No seu lugar nasceu um imenso lodo que tirou o sustento aos vários pescadores que dali tiravam o seu ganha-pão diário. Em 2015, uma centena de pescadores que residem no bairro português de Malaca, na Malásia, protestaram erguendo caixões e enviaram um abaixo-assinado a Portugal a pedir embarcações e apoio técnico para voltarem a erguer a actividade.

Luísa Timóteo, presidente da organização não governamental (ONG) Associação Coração em Malaca, com presença em Portugal e Malaca, foi a portadora dessa missiva destinada às autoridades, mas nada aconteceu. Desde então, a situação mantém-se.

“Os pescadores estão uma desgraça, estão a pedir gente para lá, porque não têm embarcações para pescar e fazem-no manualmente”, contou Luísa Timóteo ao HM. “Entram pelo mar adentro até terem pé, e o mar está poluído, pelo que já não há peixe até onde eles podem chegar. [Em Portugal] temos o mar por nossa conta e temos tanta história, com capacidade para mandar embarcações para lá, e não fazemos nada.”

Ao largo do cais do Kampung Portugis – a designação do bairro português de Malaca, cidade conquistada por Afonso de Albuquerque em 1511 – quase não se vê vivalma, muito menos pescadores ou barcos em movimento.

Bunny Rodrigues é um dos pescadores que por ali vagueia na sua moto, e quando dá pela nossa presença faz uma paragem para conversar e fumar um cigarro. De chinelo no pé e ar descontraído, nem parece que vai começar a trabalhar daí a minutos: além de pescador, também faz umas horas extra num dos poucos restaurantes portugueses que existem no bairro. Orgulha-se do ordenado que tem: três mil ringitts, ou seja, cerca de 5.800 patacas, num país onde o salário médio mensal ronda os 800 dólares americanos.

HM

Casado com uma chinesa, Bunny Rodrigues aprendeu português com os pais e tem três filhos que, graças a si, falam todos a língua. Contudo, como nunca aprendeu português na escola, depressa o nosso diálogo passa a ser feito em inglês. Nunca comeu bacalhau mas sabe que é bastante salgado e de difícil preparação.

“Perguntei ao meu pai e ele disse-me que ainda temos familiares em Portugal, mas nunca os conheci”, contou Bunny Rodrigues, que nunca foi a Portugal e assume não ter dinheiro para fazer uma viagem a uma pátria que considera como sua.

Tal como Bunny Rodrigues, no Kampung Portugis encontram-se pessoas que mostram com orgulho o seu cartão de identificação com apelidos portugueses como De Mello, Silva, Rodrigues ou Albuquerque. Luísa Timóteo, cujo amor por Malaca a fez criar a ONG, fala de uma comunidade que se tem mantido ao longo de gerações praticamente sem apoios institucionais e com dificuldades económicas.

“Os jovens estão sem trabalho e não têm hipóteses de estudar, ficam com o curso elementar e às vezes nem isso. Esse é o grande problema, porque havia universidades [portuguesas] que abriam as portas para eles estudarem, mas têm de ter o ensino superior para depois se graduarem em Portugal”, defendeu Luísa.
Além disso, “a escolaridade nem sequer é obrigatória e há crianças que nem sequer vão à escola, e isso é muito triste, porque Portugal sabe disso e não age”.

A presidente da ONG e grande dinamizadora da manutenção da identidade dos portugueses de Malaca destaca também um centro da AMI, fundado em 2016 e que hoje dá apoio a cerca de mil moradores do bairro.

“Demos algumas cadeiras de rodas e bengalas, porque os mais velhos para andar até se agarram a cadeiras de plástico, e eu não posso ver isso”, contou Luísa Timóteo.

“Há pessoas que estão acamadas no chão. Criamos este centro da AMI para que haja uma reserva de material hospitalar que possa ser devolvido quando já não é utilizado. Não posso ver gente a ser tratada no chão, porque não têm cama ou porque correm o risco de cair da cama que têm em casa”, apontou.
À entrada do bairro notam-se algumas moradias e carros estacionados, mas, de acordo com a presidente da ONG, pertencem a “pessoas que estiveram a trabalhar fora, muitos deles na América, e que se vão destacando”.

“[As pessoas] estão ali estagnadas e a maioria da comunidade é muito pobre. Os jovens e crianças andam lá famintos, comem mal. Os velhos têm dificuldades de mobilidade.”

As autoridades malaias já começaram, entretanto, a desenvolver parcerias com este centro, onde são feitos workshops e rastreios contra o cancro da mama e a diabetes, uma das patologias mais comuns no país. “É uma achega muito grande, mas não chega”, lamenta Luísa Timóteo.

Falta quase tudo

As carências de que fala Luísa Timóteo notam-se nos primeiros olhares de quem chega ao bairro. Além do cais abandonado, encontram-se vestígios do velho Hotel Lisboa, que está vazio, e pouco movimento se nota por ali, à excepção de alguns moradores que deambulam de um lado para o outro, sem nada com que ocupar o tempo. Quem lá mora terá pedido à Associação Coração de Malaca para atrair um investidor português para o edifício do antigo hotel, mas Luísa Timóteo ainda nada conseguiu.

“O espaço foi alugado a uma pessoa que criou uns cursos universitários na área do turismo, mas há períodos em que fecha porque não há alunos.” Na cabeça da presidente da ONG germinam, contudo, outras ideias.
“Uma das nossas expectativas é que aquele edifício tão grande e tão bonito fosse aproveitado para todas as outras coisas que eles querem fazer, como a abertura de lojas, onde se poderiam ter produtos portugueses e onde pudesse também funcionar a escola portuguesa.”

Luísa Timóteo assegura que “os projectos estão sempre alinhavados mas não se concretizam, porque Portugal tem de se chegar à frente nas relações diplomáticas com a Malásia, porque eles [comunidade] também não podem fazer o que querem. Eles são um bairro, no fundo, uma aldeia, e como aldeia têm de obedecer às leis do país onde estão inseridos. A Malásia tem tido muita paciência em não ter já acabado com aquilo.”

Outro dos projectos que Luísa Timóteo gostaria de ver concretizado é a expansão do museu localizado no bairro português. “Queremos pedir apoios, pois achamos que não pode morrer de maneira nenhuma. Aquilo foi criado por eles, mas ninguém ali investiu nada, Malaca, Malásia ou Portugal. É necessário mais espaço, porque eles têm imensas coisas mas não está nada identificado.”

Esse trabalho será feito por um bolseiro abrangido por uma cooperação já estabelecida com o Instituto Camões (IC). “O museu tem de ser aumentado e requalificado, e pensa-se que isso possa ser feito fora da praça, mais próximo do edifício do Hotel Lisboa.”

Depois da presença de um jovem de Malaca em Lisboa, onde fez um projecto na Biblioteca Nacional, a Fundação Gulbenkian tomou conhecimento das necessidades da comunidade e decidiu oferecer uma biblioteca. Mas nem o seu transporte foi tarefa fácil. “Ninguém sabia como mandar aquilo, porque não se arranjava dinheiro, mas depois a fundação lá conseguiu enviar a biblioteca.”

“O IC está sensibilizado, a Fundação Oriente está sensibilizada. Eu não lhes digo que Portugal não está com eles, pois há muitas associações sensibilizadas, mas não chega”, salienta Luísa Timóteo.

A comunidade também deseja criar a sua própria corporação de bombeiros, mas, mais uma vez, faltam os meios humanos. “Temos de mandar alguém para lá para os ensinar, como aconteceu em Timor. Isto porque não é a Malásia que os vai ensinar a serem bombeiros. Nem era necessário muito dinheiro, porque eles querem é profissionais que os ensinem como se faz, para a comunidade se desenvolver.”

Pelo bairro não falta quem peça uma escola portuguesa. Luísa Timóteo diz que já entrou em conversações com o ministro português da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, mas que, até ao momento, apenas a questionaram quanto à existência de currículos portugueses.

Ainda na área da educação, a comunidade portuguesa de Malaca conta, desde Julho do ano passado, com um manual elaborado pelo académico Sílvio Moreira, actualmente a dar aulas na Universidade de Ciências e Tecnologia de Macau. Este não é um mero livro de português como língua estrangeira, como o próprio contou ao HM. “Trata-se de um livro que pretende mostrar, em parte, a língua crioula de Malaca. Existe uma versão em crioulo, inglês e português europeu.”

O livro é ensinado aos mais novos de forma informal e em actividades promovidas pela Coração de Malaca e também nas aulas de Sara Santa Maria, “uma activista cultural que dá aulas a crianças de forma nada oficial”, apontou Sílvio Moreira.

Estátuas da discórdia

Desde o ano passado que o Kampung Portugis passou a ter uma imagem de marca: na pequena praça ergue-se uma enorme figura de um cristo rei que esteve envolvido em polémica. Bunny Rodrigues recorda-se bem: todos o construíram de forma voluntária e todos contribuíram com donativos, pois nada se fez às custas do Estado malaio. Nos dias de trabalho, várias famílias ofereceram comida caseira. Para este ano deverá ser erguida uma segunda estátua com a imagem da virgem maria, e até uma pequena fonte. Tudo para mostrar aquilo que são: católicos romanos.

“Se falar comigo sobre as figuras da igreja eu conheço-as a todas, porque é obrigatório saber tudo”, responde-nos em inglês. O que mais o deixa feliz é ver chegar portugueses de Portugal. “Não esperamos pessoas de outras religiões, mas sim que venham mais portugueses conhecer isto.”

Fora do bairro português, é fácil encontrar mais pessoas que descendem dos primeiros portugueses que por ali apareceram. Valérie Jéssica Pereira conduz um dos muitos tuk tuk barulhentos que povoam o centro de Malaca. Não vive no bairro português e os pais moram noutra povoação, também ela com portugueses de Malaca. Por ali existem várias povoações com descendentes de portugueses, apesar do Kampung Portugis continuar a ser o sítio mais tradicional, assegura Valérie.

“Nasci em Malaca, mas não falo o seu português, falo o meu português, da minha geração”, começa por explicar Valérie, que garante que a comunidade portuguesa ainda é aceite pelas autoridades.

“Penso que o nosso país é harmonioso, é uma só Malásia. Não há lutas, aceitamo-nos uns aos outros”, garante.

Apesar desta harmonia, a construção da estátua gerou um conflito com as autoridades, que queria demolir o projecto. Luísa Timóteo recorda que o problema só se resolveu porque um morador do bairro português era membro do parlamento local.

Apesar de Bunny Rodrigues estar confiante quanto à aprovação dos futuros projectos, que poderão ser erguidos ainda este ano, Luísa Timóteo teme que não seja bem assim.

“Eles podem fazê-lo à revelia, porque com uma licença não acredito que consigam. Trata-se de uma afirmação de pessoas que já têm dinheiro e outros horizontes, pois vivem no bairro mas já estiveram fora, a trabalhar noutros países. Aprenderam outras coisas. Isto porque a comunidade em si não arrisca nada, está quieta e serena nas suas casas.”

Valérie Jéssica Pereira defende que é possível que o projecto tenha seguimento. “Nos outros bairros portugueses não existem estes planos [de construir figuras religiosas]. Havia a ideia para a demolição da estátua, mas depois da mudança do Governo a estátua acabou por ficar, e agora há mais um projecto para construir outra. Todas as pessoas gostam de lá ir, especialmente os portugueses de Portugal, gostam de ver a estátua e visitar.”

“Penso que a estátua não afecta ninguém e é muito bonita. Quando chegamos ao bairro português pensamos na frase ‘Jesus dá-lhe as boas vindas’, então para mim é bonito. O anterior Governo queria demolir a estátua por razões políticas, mas para mim a estátua não é perigosa”, acrescentou.

UNESCO e Marcelo

Luísa Timóteo realça esta vontade da comunidade de querer manter uma entidade própria, mas recorda que seria muito mais importante dar seguimento ao projecto da UNESCO de fazer o levantamento do património português que resta em Malaca. Chegaram a realizar-se algumas reuniões sem que Portugal se tenha feito representar. O HM tentou chegar à fala com Joseph Santa Maria, um dos moradores do bairro que esteve ligado a este processo, mas até ao fecho desta reportagem não foi possível estabelecer contacto.

“Os colégios foram destruídos e agora estão em ruínas. Esse património que a UNESCO quer que seja levantado é aquilo para o qual eu gostaria que tivessem sensibilidade. Era muito mais importante reconstruir todas as igrejas”, apontou Luísa.

A responsável máxima pela Coração de Malaca sente-se quase sozinha nesta luta pela preservação da presença portuguesa neste pedaço da Malásia. Sempre defendeu a visita de governantes portugueses e pede que o actual Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, faça uma visita a Malaca para perceber o espírito dos que lá vivem.

Luísa Timóteo não está optimista e teme que o tempo apague o que os descendentes de Afonso de Albuquerque foram deixando ao longo dos anos.

“Ainda se mantém a identidade, mas não sei se isso irá acontecer por muito mais tempo, porque eles já estão misturados com outras nacionalidades que existem ali ao lado, como filipinos ou chineses. Acho que quando morrer isto vai acabar, porque sou sempre eu que ando nesta liderança.”

Quem é do bairro “tem um amor a Portugal que é uma coisa louca”. “Querem construir estátuas, mas não é por aí. Têm é de ser educados e de se desenvolver noutras áreas, como o turismo, por exemplo.”

Mais uma vez, Portugal deveria desempenhar o seu papel. “Temos cá muita gente para os ajudar a formar. Eles querem renovar o folclore mas depois cantam sempre o ‘Malhão, Malhão’, não passam disso, quando temos tanto folclore e não mandamos para lá ninguém. Alguém de peso do Governo português deve ir lá e conversar com o Governo de Malaca, porque Malaca está disposta a negociar, e isso era muito bom para nós.

A nível de emprego não faltam lá oportunidades para os portugueses, e as portas não se abrem”, remata Luísa Timóteo.

9 Jan 2019

Carlos Botão Alves, autor do primeiro dicionário de chinês-português: “Ninguém se lança numa coisa destas”

No princípio era o verbo e depois o dicionário. O desafio era enorme, mas passada uma década de trabalho ficou pronto o primeiro dicionário de chinês – português, de autoria dos professores Carlos Botão Alves e Leong Cheok I. Além da tarefa hercúlea que une dois mundos linguísticos bem distintos, o professor tem na calha um projecto de tradução de contos de autores chineses obscuros

Como surgiu a ideia para fazer este dicionário?
Comecemos pelo princípio, porque eu gosto de estórias bem contadas. Em 1985, quando cheguei a Macau, comecei a trabalhar com vários professores chineses que ensinavam português e uma das professoras estava a acabar o seu mestrado em português, a professora Leong Cheok I. Ela enveredou pelo doutoramento em linguística portuguesa, fê-lo com o Professor Malaca Casteleiro sobre valência verbal, que abre a hipótese de se fazer, sobretudo nas línguas latinas, uma análise gramatical baseando o ponto fulcral no verbo. Essa professora contactou-me depois do doutoramento, tínhamos um grande arquivo de erros e dificuldades que os alunos iam tendo. Trabalhámos nesse sentido na Universidade de Macau e da recolha, reflexão e discussão de todos os materiais que tínhamos dos alunos, percebemos que havia uma grande dificuldade para os alunos do intermédio, intermédio avançado de domínio dos enunciados em que há mais do que uma oração, a frase complexa. Comparámos também com alunos de língua nativa inglesa e eles apresentavam e, obviamente que havia uma vizinhança maior do que com o chinês. Então, decidimos lançar um projecto de construção de um dicionário. Nunca tinha pensado fazer um dicionário, nunca ninguém se lança numa coisa destas. Mas com a orientação à distância do Professor Malaca, lançámos um projecto e apercebemo-nos que precisávamos de redução de horário, é preciso uma certa liberdade porque às vezes uma frase destas leva-nos horas a discutir para percebermos o que é que está ali. Tem de haver uma determinada paz mental, espaço mental para fazer isto. Começámos e o que poderia ter demorado um ou dois anos demorou dez. Foi editado em 2016, ela defendeu a tese no final de 2006, 2007 lançámos o projecto e demorou 10 anos.

Como pensaram organizar o dicionário?
Tem 2040 entradas. Vale a pena dizer que para fazer um dicionário, normalmente, as pessoas baseiam-se em dicionários existentes. O nosso problema era esse. Não há nenhum dicionário de verbos em português cruzando com o chinês, a única língua que cruza com o chinês é o inglês. Obviamente, pela força do mercado, qualquer dicionário cruzando com o inglês é um sucesso editorial e a editora investe imenso e põe os investigadores a trabalhar. Não é o caso das outras línguas, não há mais nenhuma, nem mesmo com o francês. Este é o segundo que partindo do chinês, cruza com o chinês. Isto é para alunos, investigadores ou tradutores de chinês que chegam ao português. O português – chinês será feito a seu tempo. Optámos pelos caracteres tradicionais. Foi uma opção nossa porque a edição é feita em Macau. Aparece pela ordem fonética da leitura dos caracteres em mandarim, aparece em pinyin ao lado, para fazer com que os alunos de língua materna cantonense possam aceder tem também o sistema de romanização em cantonense. Depois do verbo em caracteres, aparecem os vários sentidos que o verbo pode ter em português. Para cada um destes sentidos, que estão numerados, dão-se frases modelos, foram estas que demoraram 10 anos a fazer, para encontrar o paralelo entre o que está em chinês e o que está em português. Nunca a frase pode deixar de ser uma frase natural numa das línguas, mas aqui não nos interessa estar a ensinar vocabulário.

O que vai ter a segunda edição?
A parte da organização está lançada. Agora é necessário continuar a alimentar o bicho. Vai ter mais 203 verbos, que estão a ser tratados. Temos para aí 70 tratados, com as frases modelo, etc. Não encontrámos nenhum erro até agora, mas outros sentidos para os que foram dados. Os meus ex-alunos, os tradutores aí todos, do Tribunal Superior, do Tribunal de Base, na Assembleia Legislativa, no Gabinete do Chefe do Executivo, de juristas, dois juízes, polícia, serviços de turismo, serviços de educação, temos gente de todo o lado que está a traduzir e oferecemos o dicionário. Leve, use e dê-nos o feedback, queríamos testar a coisa. Foi por isso que deixámos que em 2016 fosse editado o dicionário, o período de testagem, porque não estavam criados condições aqui na escola para se editar um dicionário. Com a antiga direcção não era possível trabalhar muito. Agora, com a nova directora da Escola de Línguas, acho que estão criadas condições, tivemos o feedback desses todos, temos uma série de críticas muito interessantes para reformular alguns dos verbos que aqui estão incluídos. Tentámos pensar todas as possibilidades de sentido na utilização de um verbo mas, obviamente não acautelámos todas. Há sempre uma outra forma de utilizar a língua que nós não estávamos, à partida, a considerar e, portanto, é necessário completar. Esse feedback dos tradutores é precioso. O que está vai ficar mais afinado e vai-se completar.

FOTO: Sofia Mota

Este instrumento dá muito jeito a muitos países, como é óbvio todos os de língua portuguesa e aos estudantes de português da China continental e de Taiwan…
A edição foi feita aqui no Instituto Politécnico e há um problema grande nestas edições feitas em Macau que é não atravessar a fronteira. É muito difícil fazer com que uma edição feita fora da China entre dentro da China. Aos alunos que estão a estudar português, ou que estão a estudar chinês em Portugal ou no Brasil, a seu tempo vamos exportar para Cabo Verde e Moçambique para ver como é que aceite nesses países. Mas o dicionário caminha, sobretudo, do chinês para o português, foi mais pensado para os alunos de língua materna chinesa que acedem ao português. Os alunos de língua materna portuguesa só quando tiverem um domínio bastante razoável do chinês é que poderão entrar no dicionário pelo chinês. Quando for feito o irmão gémeo, do português – chinês, aí já é para os dois caminhos.

Não pensa no irmão gémeo para o carácter simplificado?
Pensámos numa solução e acho que é o que vai acontecer quando sair este dicionário em CD-ROM há um programa que altera automaticamente, com alguma banda de erro, os caracteres para simplificado. Queremos que a próxima edição seja também em CD-ROM, para além do livro, e que chegue a todos os sítios onde é ensinado o português a chineses. Mas para isso precisamos de uma logística grande. O material está todo feito, só precisamos de duas ou três pessoas com grande paciência.

No dia 9 e 10 de Novembro vou a uma conferência que faz ponte entre China e países de língua portuguesa, qualquer coisa assim, que este ano acontece em Pequim. Para o livro poder atravessar a fronteira, vou fazer a apresentação para mostrar-lhes as vantagens de um material destes e, sobretudo, conseguir contactos institucionais para que se possa fazer o correspondente. Se isto for feito em rede, com um conjunto enorme de pessoas, seria ouro sobre azul e a edição poderia ser feita entre Lisboa, Macau, Pequim e Rio de Janeiro. Colocávamos as pessoas a trabalhar em conjunto, sei que elas estão mais que abertas a isso. Já passaram aqui dois grupos de alunos que vieram da China no segundo semestre do ano passado, ofereci-lhes o dicionário e eles acharam interessante e perceberam a muralha, o controlo editorial que existe no país, mas penso que será uma maneira airosa e correcta de entrar no mercado. A lei do ensino superior acabou de sair em Macau, o IPM vai abrir cursos de mestrado e doutoramento. A direcção nova da Escola de Línguas é bilingue percebe o que é ensinar e aprender, o que não acontecia antes. Penso que estão criadas, finalmente, condições para lançar materiais que possam despoletar trabalhos de investigação no campo da linguística, e da linguística aplicada, que não existem e são muito necessários.

Quando sai a segunda edição?
Estamos a pensar mais um ano, ou um ano e meio. Entretanto, a Professora Leong Cheok I está sempre entre Lisboa e Macau e eu tenho outro projecto de tradução de contos contemporâneos chineses desde 1978, desde o lançamento da política de abertura de Deng Xiaoping, até 2008 que foram os Jogos de Pequim. Portanto, 40 anos. Para cobrir este período, há um conjunto enorme de escritores chineses que editaram determinados contos que manifestam não só a imagética do momento, a parte ficcional do momento, como as mensagens que são lançadas para percebermos a evolução da mentalidade de uma juventude que passou esta mudança ao longo da história. São 99 contos que cobrem 40 anos. As traduções estão feitas. O primeiro livro deve sair durante este semestre. São interessantíssimos, escritos por pessoas sem o treino nem intenção de ser editados. Têm uma enormíssima franqueza.

Onde foi buscar estes autores?
Em Xangai, uma edição pequena, muitos deles editados em jornais. Passou tudo muito despercebido. Interessantíssimo em termos de história da crítica literária, porque não são os escritores do partido, não são do sistema, não são os escritores sequer do mercado. São escritores espontâneos. Três destes escritores voltaram a editar qualquer coisa, muitos deles apareceram localmente, a nível de cidade ou provincial, em concursos de escrita e ganhavam uns premiozinhos.

Mas é interessante, porque a mensagem importante não está à luz. Como é que num sítio onde não se pode dizer se diz? É nesse momento que se diz muito mais. Veja-se o que aconteceu nos antigos países da Europa de Leste, as edições eram brilhantes antes da queda do muro. Prometeu muito e afinal os Kunderas, etc, vieram para o Ocidente, produziram imensamente e brilhantemente e agora onde estão? Se calhar, o muro tem as suas potencialidades. Como o antes e o depois da censura em Lisboa. Prometiam uma coisa que depois acabou por não dar.

Em Macau não há nativos de língua portuguesa a fazer traduções, nem há nativos de língua portuguesa de Macau a ensinar quando todo o aparelho do Governo assenta, sobretudo, nesses nativos macaenses. Desapareceram como se não existissem. Tudo funciona por causa deles, a língua está aqui por causa deles. Nós não estamos aqui porque houve chineses que aprenderam português. Estamos aqui porque há uma comunidade pequenina, porque a cidade também não é muito grande, que garantiu a permanência da língua. Onde estão os professores dessa comunidade? Foram eles que fizeram avançar a administração durante largas décadas, séculos. A professora Leong é de uma família chinesa de Macau, apercebe imenso do imaginário português. É uma senhora que celebra o Natal, percebe o que é um folar, percebe coisas culturais de natureza diversa porque é de Macau e muito atenta. Aprendeu a língua. Uma pessoa qualquer que aprendeu a língua em Pequim, ou Xangai, não vai sequer aperceber-se das importâncias e do imaginário que rodeia a parte cultural da língua portuguesa.

27 Set 2018