Nansha | Incubadoras procuram atrair jovens empresários de Macau e Hong Kong

O Distrito de Nansha lançou um plano para melhorar o ambiente empresarial com vista a atrair jovens empreendedores de Macau e Hong Kong. O projecto dá prioridade a empresários das regiões administrativas especiais com o alívio alfandegário e logístico, ao mesmo tempo que procura facilitar o comércio externo

 

Localizado no sul de Guangzhou, mesmo no centro da Grande Região Económica do Delta do Rio das Pérolas, Nansha é o vértice que une o poderio financeiro e com capital de inovação das cidades que se espalham ao longo das duas margens do estuário do Rio das Pérolas. O facto de ser o único ponto de ligação entre Guangzhou e o oceano fez-se com que aí fosse construído um dos mais movimentados portos internacionais de águas profundas.

As condições naturais aliadas ao projecto político de capacitar o distrito como epicentro de inovação e empreendedorismo tornaram Nansha num ponto de atracção e integração dos jovens empresários de Macau e Hong Kong.

O projecto ganhou novos contornos este mês com o anúncio de um novo plano para melhorar o ambiente empresarial mais aberto para o comércio e investimentos transfronteiriços, beneficiando empresários de Macau e Hong Kong.

Um dos focos é a flexibilização dos processos alfandegários. Para tal, foi construído um centro de rastreio global de mercadorias e será implementado um modelo de gestão digital para inspecção de produtos importados e uma plataforma para impulsionar o fluxo de informação entre as cidades da Grande Baía.

Outra parte fundamental prende-se com a maior agilidade e facilitação para profissionais de Macau e Hong Kong obterem vistos de negócio, método de que já beneficiaram 12 docentes do Campus de Guangzhou da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong.

Na primeira pessoa

O distrito de Nansha é um ponto cardeal para jovens empresários e startups das regiões administrativas especiais. A vida de Herro Sun personifica essa sinergia. O empresário de Hong Kong viu nas potencialidades de Nansha uma chance para ajudar centenas de novas empresas. Em menos de dois anos, o investidor orientou mais de uma centena de empresas a estabelecerem-se na zona, com negócios tão díspares como uma companhia de mobiliário inteligente ou uma empresa que produz equipamentos de patinagem.

“Nansha tem sustentado uma população crescente nos últimos anos, o que significa que a quota de mercado está a crescer. Na área da Grande Baía, o custo de transporte é muito baixo, assim como o custo executivo, graças à ajuda do Governo local”, contou Herro Sun, o CEO da NIU+Space Nansha, citado pelo portal de notícias do Governo de Guangzhou.

Para a jovem Jamie Heung, de 27 anos, o aconselhamento e apoio das autoridades de Nansha foram uma benção. A empresária de Hong Kong criou uma pequena unidade fabril que faz aparelhos auditivos – substituindo modelos importados mais caros por opções acessíveis feitas em Guangdong.

A mudança para Nansha não só revolucionou os seus negócios como transfigurou a sua própria mentalidade. “A minha família vive em habitações públicas. Se tivesse ficado em Hong Kong, a minha única perspectiva de futuro seria a trabalhar para outros. Em Guangzhou providenciaram-me um escritório gratuitamente, tive a ajuda de profissionais no desenvolvimento do meu plano de negócios que me mostraram onde devo investir para conseguir facturar mais. Estes elementos deram-me a coragem suficiente para me fixar aqui e ousar sonhar”, afirmou a jovem.

No distrito de Nansha estão fixadas 10 incubadoras para empresas de Macau e Hong Kong, onde o ambiente de modernidade e inovação é palpável. Existem salas de meditação e espaços para dormir uma sesta, mas também cafés e locais cosmopolitas apelativos para quem está habituado a viver numa atmosfera internacional.

20 Mai 2022

Cultura | Novo complexo de edifícios culturais “atraca” no coração de Liwan

Um mega complexo cultural está a tomar forma no distrito de Liwan, no coração de Guangzhou. O centro irá incluir o Museu de Artes de Guangdong, o Centro de Exposições da Herança Cultural e Imaterial de Guangdong e o Centro de Literatura de Guangdong. O novo complexo deverá abrir portas em 2023

 

A vida cultural de Guangzhou terá um novo foco no histórico distrito de Liwan, com a construção na zona da Lagoa do Cisne Branco de um polivalente complexo cultural que irá reunir três grandes estruturas: Museu de Artes de Guangdong, Centro de Exposições da Herança Cultural e Imaterial de Guangdong e o Centro de Literatura de Guangdong.

Ainda sem data oficial para entrar em funcionamento, estima-se que o complexo cultural, que junta três edifícios num espaço agregador, abra as portas ao público no próximo ano. Segundo o Executivo de Guangzhou, após a conclusão das obras de construção, e assim que estiver pronto, o complexo irá ter uma oferta significativa de eventos e exposições com entrada gratuita.

A escala alargada do projecto permite integrar exposições, entretenimento e pedagogia, numa área vasta capaz de acomodar mais de 2,5 milhões de pessoas por ano, indicam as autoridades.

Com um total de 138 mil metros quadrados, mais de 40 mil metros quadrados no subterrâneo, a divisão do espaço privilegia o Museu de Artes de Guangdong (que ocupará 65,140 metros quadrados. O Centro de Exposições da Herança Cultural e Imaterial de Guangdong e o Centro de Literatura de Guangdong vão ter 26 mil e 17,3 mil metros quadrados respectivamente.

Navegações futuras

O megaprojecto, também conhecido por “Três Museus em Um”, é estratégico em termos de política cultural da província vizinha. Criado por He Jingtang, da Academia Chinesa de Engenharia. A estrutura tem a forma de um navio a vapor, como se estivesse ancorado na margem do Rio das Pérolas.

O percurso cénico na lateral do edifício é arqueado em forma de ponte, uma referência que liga a regional cultura arquitectónica Lingnan ao resto do mundo. Ao anoitecer, iluminam-se as luzes do pavilhão da Roda Gigante e as salas de vidro nas fachadas dos três pavilhões como que reflectem o céu nocturno, revelando mais um detalhe da intricada obra arquitectónica.

O principal elemento é, como o tamanho indica, o Museu de Arte de Guangdong, cuja operação irá ficar assente em seis vectores: colecções, investigação, exposições, educação, intercâmbios culturais e serviços. Além disso, irá também conceber uma variedade de espaços de arte com vários temas, oferecendo uma vasta gama de diversões culturais e serviços.

Quanto ao Centro de Exposições do Património Cultural e Imaterial de Guangdong terá como finalidade a preservação, protecção, herança, exposição e exibição de obras literárias, investigação sobre património cultural intangível e intercâmbios culturais. Terá também como missão recolher, preservar, estudar e exibir preciosas relíquias culturais do património cultural intangível de Guangdong.

Já o Centro de Literatura de Guangdong será o ponto agregador de obras literárias originárias da área da Grande Baía Guangdong – Hong Kong – Macau, assim como de obras “nascidas” ao longo da Rota da Seda, segundo as autoridades da capital da província.

24 Abr 2022

Tecnologia | Guangzhou e Israel estabelecem cooperação

A Conferência Anual de Investimento de Guangzhou serviu de mote para uma discussão entre Guangzhou e Israel com o objectivo de aprofundar a cooperação em matérias de alta tecnologia. As sessões, transmitidas em paralelo em Tel Aviv e na capital de Guangdong, contaram com a participação de representantes de empresas de biomedicina e alta tecnologia

 

A 8ª Conferência Anual de Investimento de Guangzhou e o 1º Global Unicorn CEO Forum deram início à sua primeira sessão paralela em Tel Aviv, Israel, no final de Fevereiro.

Representantes de topo de empresas de alta tecnologia e biomedicina, peritos, académicos e membros de governos participaram na sessão inaugural e partilharam pontos de sobre as melhores formas como impulsar a cooperação de alta tecnologia entre Guangzhou e Israel.

O governo da capital da província de Guangdong destaca a Conferência Anual de Investimento de Guangzhou como “uma importante plataforma para mostrar as conquistas da cidade em termos de abertura e cooperação internacional”. O evento é organizado consecutivamente há 7 anos.

Este ano, as sessões presenciais decorrem nos dias 29 e 30 de Março e a lista de participação inclui de cerca de 2.000 líderes empresariais, empreendedores e peritos de 38 países e regiões distribuídos por fóruns online e presenciais. À margem da conferência, realiza-se pela primeira vez o Global Unicorn CEO Forum.

Apesar da conferência propriamente dita apenas arrancar no final do mês, o evento já mexe com várias iniciativas a decorrer, incluindo 9 sessões paralelas um pouco por todo o mundo, desde o fim de Fevereiro até ao arranque o evento, nomeadamente Silicon Valley, Tóquio, Macau, Singapura, Tel Aviv, Sminsk, Tashkent, Berlim e Heidelberg.

Ligação ao Mediterrâneo

Durante a sessão de Israel, empresários e académicos elogiaram as oportunidades de mercado proporcionadas pela cadeia industrial de Guangzhou, panorama ideal para o aprofundamento da cooperação que faça uso das capacidades de Guangzhou e dos recursos inovadores e tecnologias de ponta das empresas israelitas.

O antigo ministro da Indústria, Comércio e Trabalho de Israel, Yehoshua Jacob Gleitman, enalteceu o nível de entendimento atingindo em termos de colaboração ao nível de formação, tecnologia, capital e serviços. Mais concretamente, o governante israelita destacou a criação de uma incubadora e um fundo de investimento para a indústria da biologia. Estas estruturas estão em operação na Guangzhou International Bio Island.

De acordo com o director do Gabinete de Comércio Municipal de Guangzhou, o valor total das importações e exportações de Guangzhou e de Israel em 2021 foi de 752 milhões de dólares americanos, um aumento de 55,08 por cento em relação ao ano passado.

Ao longo do ano passado, estabeleceram-se em Guangzhou 13 novas empresas de investimento israelitas em Guangzhou e desde Janeiro de 2022, Israel investiu em 74 empresas da cidade chinesa.

14 Mar 2022

Guangzhou cria escola para estudantes das RAEs

A primeira escola para estudantes de Hong Kong e Macau em Guangzhou, capital da província de Guangdong, deverá matricular o seu primeiro grupo de estudantes em Setembro, com o objectivo de proporcionar uma educação internacional de alta qualidade às crianças das regiões administrativas especiais.

“A escola tentará criar uma atmosfera diversificada no campus e ajudar os seus estudantes a alcançar um crescimento global”, disse Lucas Deng, director executivo da Escola Afiliada da Universidade de Jinan para estudantes de Hong Kong e Macau.

“O estabelecimento de ensino tornar-se-á numa escola internacional com características chinesas que representará a tendência de desenvolvimento da área de da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau nos próximos anos”, disse Deng.

Cobrindo cerca de quatro hectares no distrito de Tianhe, a escola internacional sem fins lucrativos terá capacidade para acomodar mais de 1.200 estudantes na pré-escola, escola primária, e ensino secundário e sénior, revelou o director. A escola inscreverá 300 alunos para o seu primeiro semestre, com início em Setembro. Para além dos estudantes de Hong Kong e Macau, a escola matriculará alguns estudantes de Taiwan e de países estrangeiros.

A escola está a ser fundada conjuntamente pela Universidade Jinan de Guangzhou, pela Hong Kong Victoria Harbour Education Group, Aoyuan Group e Eton House Dongguan. É a primeira escola para estudantes de Hong Kong e Macau sob a orientação directa de uma universidade de topo do continente chinês.

25 Mar 2021

Grande Baía | Comboio subterrâneo rápido até Guangzhou

Um comboio subterrâneo capaz de atingir uma velocidade acima de 160 quilómetros por hora foi transportado para um depósito no distrito de Nansha, em Guangzhou, capital da província de Guangdong, no domingo. O comboio, fabricado pela CRRC Zhuzhou Locomotive, com sede em Zhuzhou, província de Hunan, irá operar inicialmente entre Nansha e o centro de Guangzhou, após alguns meses em que serão realizados testes de segurança.

Este será o primeiro comboio subterrâneo a viajar a 160 km/h ao serviço na área da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau. A área da baía abrange nove cidades na foz do Rio das Pérolas, em Guangdong, além de Hong Kong e Macau.

O comboio subterrâneo ajudará a reduzir o tempo de viagem entre a Zona de Livre Comércio Piloto de Nansha, na foz do Rio das Pérolas, e o distrito comercial central de Guangzhou.

O comboio desempenhará também um papel na promoção da construção económica do distrito de Nansha, o local de uma das três zonas-piloto de livre comércio de Guangdong. Os outros são Qianhai, na zona económica especial de Shenzhen, que faz fronteira com Hong Kong, e Hengqin, na zona económica especial de Zhuhai, que fica ao lado de Macau.

23 Fev 2021

Si Ka Lon quer Macau-Zhuhai e Guangzhou ligadas por comboio

À semelhança da recém-inaugurada linha ferroviária de alta velocidade que liga Hong Kong, Shenzhen e Guangzhou, o deputado Si Ka Lon propõe a ligação por comboio entre Macau, Zhuhai e Guangzhou

O deputado à Assembleia Legislativa Si Ka Lon defende a construção de uma linha ferroviária que una Macau a Zhuhai e a Guangzhou, num modelo semelhante ao da vizinha Hong Kong que passou a estar ligada por comboio a Shenzhen e a Guangzhou. Isto porque, a seu ver, a ligação só trará vantagens, nomeadamente no contexto da construção da Grande Baía.

Em declarações ao jornal Ou Mun, Si Ka Lon defendeu que a nova linha ferroviária de alta velocidade de Hong Kong para a China, que irá reduzir consideravelmente o tempo de viagem, pode trazer benefícios indirectos aos residentes de Macau, bem como fomentar a economia local. O deputado argumenta que há muitos residentes de Macau que visitam Hong Kong, seja para fazer compras ou para apanhar ligações aéreas, e que também há um número considerável de residentes a estudar, ou trabalhar, em Shenzhen e Cantão.

Na perspectiva de Si Ka Lon, a nova linha ferroviária Hong Kong-Shenzhen-Guangzhou motiva procura pela rede de trânsito entre Macau-Zhuhai-Guangzhou, podendo servir de exemplo para o lado oeste do Delta do Rio das Pérolas, dado que produz efeitos práticos para a zona da Grande Baía e também no âmbito da iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”.

O deputado defende assim uma ligação directa Macau-Zhuhai-Guangzhou, na medida em que a integração de Macau num projecto do tipo, idêntico ao de Hong Kong, teria amplos benefícios nomeadamente no quadro da cooperação regional. De acordo com o Ou Mun, Si Ka Lon entende que, com vista a garantir a ligação entre todas as cidades integradas na Grande Baía, além do comboio Hong Kong-Shenzhen-Guangzhou, é preciso outro que ligue Guangzhou, Zhongshan, Zhuhai e Macau, as quais seriam integradas na rede de comboio de alta velocidade da China.

A Grande Baía, que pretende tornar-se uma região metropolitana de nível mundial, abrange Macau e Hong Kong, bem como nove cidades da província de Guangdong (Guangzhou, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen, Zhaoqing).

Oito mil por dia

Segundo estimativas oficiais, o comboio entre Hong Kong e a China deverá transportar diariamente mais de 8.000 passageiros entre o centro financeiro asiático e o centro industrial vizinho da província de Guangdong. O comboio vai de Hong Kong a Shenzhen em apenas 14 minutos, enquanto para a capital de Guangdong, Guangzhou, a viagem dura agora pouco mais de meia hora.

O projecto tem estado sob polémica, particularmente devido ao facto de o Governo de Hong Kong ter permitido a cedência de jurisdição do novo terminal de West Kowloon a Pequim, que pode realizar controlos de imigração e alfândega no terminal de Hong Kong. Esta decisão provocou críticas por parte da oposição pró-democrata da Região Administrativa Especial que argumentou que a medida é uma violação da Lei Básica.

25 Set 2018