Epidemia | Macau sem desinfectantes, quase sem vitaminas e com máscaras racionadas

[dropcap]P[/dropcap]rateleiras sem desinfectantes, vitaminas a acabarem e filas em busca de máscaras racionadas nas farmácias é o cenário apresentado pelo responsável de uma de muitas farmácias em Macau, que vivem numa situação excepcional devido ao novo coronavírus chinês.

“Gel desinfetante e álcool já estão completamente esgotados no mercado de Macau”, contou à agência Lusa Carlos Santos responsável pela Farmácia Lótus, conhecida como a farmácia portuguesa de Macau.

Os muitos clientes que têm recorrido à sua farmácia desde a semana passada, quando se verificou o primeiro caso de novo coronavírus em Macau, procuram também adquirir vitamina C e complexo B, que já estão a ficar esgotadas nos fornecedores, disse Carlos Santos.

A esta situação excepcional, “agrava-se o facto em termos de reposição de stock que durante o Ano Novo chinês muitos empresas fecham duas semanas, outras três semanas”, explicou. O responsável, apesar de querer manter-se positivo, teme ainda que Macau possa estar sem vitaminas e sem desinfectantes durante cerca de um mês

“Estamos com uma média de cerca de 2.000 Pessoas/atendimentos por dia para comprar as máscaras que já estão racionadas porque praticamente esgotou no mercado de Macau”, explicou, acrescentando que os últimos dias têm sido “terríveis”.

A Farmácia Lótus, uma das 54 convencionadas, começou a distribuir 10 máscaras por pessoas para 10 dias e desde a semana passada já distribuiu mais de 70.000 máscaras.

“O Governo mandou vir 20 milhões de máscaras, que estão a chegar aos poucos, e nós estamos a distribuir pela população”, lembrou.

Carlos Santos defendeu ainda que o Governo de Macau “está a reagir muito bem”, tendo em conta a “migração massiva que é o Ano Novo chinês”

O Governo de Macau anunciou o prolongamento até sexta-feira dos feriados do ano novo chinês para a função pública, medida que foi adoptada por várias empresas privadas, para diminuir o risco de contágio do novo coronavírus chinês, um dia depois de ter sido registado no território o sétimo caso importado de infeção.

A reabertura das escolas, de espaços culturais e desportivos, que já estavam encerradas desde a semana passada, foi adiada por tempo indeterminado.

Duas das ligações marítimas entre Macau e Hong Kong estão suspensas a partir de hoje e as restantes vão sofrer uma redução no número de viagens, também por tempo indeterminado.

Carlos Santos fez ainda votos que esta situação seja controlada o mais rápido possível, apesar de os números estarem “a crescer na China de uma forma preocupante”.

A China elevou para 170 mortos e mais de 7.700 infectados o balanço de vítimas do novo coronavírus detetado no final do ano em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

Um estudo genético, conduzido por cientistas chineses, confirmou que o novo coronavírus com origem na China terá sido transmitido aos humanos através de um animal selvagem, ainda desconhecido, que foi infetado por morcegos.

A região de Wuhan encontra-se em regime de quarentena, situação que afeta 56 milhões de pessoas.

Vários países já começaram o repatriamento de cidadãos de Wuhan, cidade que foi colocada sob quarentena, na semana passada, com saídas e entradas interditadas pelas autoridades durante um período indefinido, e diversas companhias suspenderam as ligações aéreas com a China.

A doença foi identificada como um novo tipo de coronavírus, semelhante à pneumonia atípica, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave, que entre 2002 e 2003 matou 650 pessoas na China continental e em Hong Kong.

As autoridades chinesas admitiram que a capacidade de propagação do vírus se reforçou.

As pessoas infectadas podem transmitir a doença durante o período de incubação, que varia entre um dia e duas semanas, sem que o vírus seja detectado.

31 Jan 2020

Epidemia | Sete casos confirmados em Macau com cenário estável

[dropcap]O[/dropcap] Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus divulgou ontem que nas últimas 24 horas não foram registados novos casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Macau. No que diz respeito aos sete doentes já confirmados, estes continuam “internados na enfermaria de isolamento do Centro Hospitalar Conde de São Januário e não têm febre, sendo considerados como todos casos leves”.
Até às 15h00 desta quarta-feira foram analisados 114 casos suspeitos, incluindo os sete casos confirmados. A possibilidade de infecção com o coronavírus oriundo da cidade de Wuhan foi afastada em 101 dos casos, sendo que em seis casos os resultados dos testes ainda estão pendentes, aponta uma nota oficial.
O mesmo comunicado adianta que “quatro destes seis casos [dizem respeito a] residentes locais”, sendo que “após a avaliação foram definidos como pessoas de risco médio e a possibilidade de infecção foi excluída”. Além disso, no que diz respeito às outras duas pessoas, “uma é docente da Universidade de Macau e a outra é a filha que estiveram isolados em casa após terem chegado de Hubei no dia 16 de Janeiro”.
“Como manifestaram febre baixa foram enviados ao CHCSJ pelo Corpo de Bombeiros para aguardar os resultados do exame. Houve registo de 19 indivíduos que tiveram contacto próximo. Todos estão em observação médica”, acrescenta a mesma nota.
Um doente do sexo masculino, que faz parte dos dois novos casos confirmados em Zhuhai, tinha estado em Macau. Nesse sentido, “o Centro de Coordenação entrou em contacto com o Departamento de Saúde de Zhuhai para obter informações sobre o doente e está a acompanhar os locais onde este doente esteve em Macau”. Além disso, “o doente desenvolveu sintomas só depois de ter saído de Macau, ou seja, em princípio, os sintomas não se manifestaram durante a permanência em Macau”.

30 Jan 2020

Epidemia | Sete casos confirmados em Macau com cenário estável

[dropcap]O[/dropcap] Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus divulgou ontem que nas últimas 24 horas não foram registados novos casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Macau. No que diz respeito aos sete doentes já confirmados, estes continuam “internados na enfermaria de isolamento do Centro Hospitalar Conde de São Januário e não têm febre, sendo considerados como todos casos leves”.

Até às 15h00 desta quarta-feira foram analisados 114 casos suspeitos, incluindo os sete casos confirmados. A possibilidade de infecção com o coronavírus oriundo da cidade de Wuhan foi afastada em 101 dos casos, sendo que em seis casos os resultados dos testes ainda estão pendentes, aponta uma nota oficial.

O mesmo comunicado adianta que “quatro destes seis casos [dizem respeito a] residentes locais”, sendo que “após a avaliação foram definidos como pessoas de risco médio e a possibilidade de infecção foi excluída”. Além disso, no que diz respeito às outras duas pessoas, “uma é docente da Universidade de Macau e a outra é a filha que estiveram isolados em casa após terem chegado de Hubei no dia 16 de Janeiro”.

“Como manifestaram febre baixa foram enviados ao CHCSJ pelo Corpo de Bombeiros para aguardar os resultados do exame. Houve registo de 19 indivíduos que tiveram contacto próximo. Todos estão em observação médica”, acrescenta a mesma nota.

Um doente do sexo masculino, que faz parte dos dois novos casos confirmados em Zhuhai, tinha estado em Macau. Nesse sentido, “o Centro de Coordenação entrou em contacto com o Departamento de Saúde de Zhuhai para obter informações sobre o doente e está a acompanhar os locais onde este doente esteve em Macau”. Além disso, “o doente desenvolveu sintomas só depois de ter saído de Macau, ou seja, em princípio, os sintomas não se manifestaram durante a permanência em Macau”.

30 Jan 2020

Epidemia de Wuhan | Macau com cinco casos diagnosticados

[dropcap]A[/dropcap]s autoridades de saúde de Macau anunciaram hoje a existência de mais três pessoas infectadas com o coronavírus de Wuhan, elevando para cinco o número de casos no território.

Em comunicado, o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus indicou que os novos casos foram diagnosticados em três mulheres, de 58, 39 e 21 anos, residentes em Wuhan, capital da província central chinesa de Hubei, onde começou o surto da doença em dezembro passado. O estado clínico das três mulheres é “presentemente considerado normal”, acrescentou.

Uma das doentes chegou a Macau no dia 22 e as restantes duas em 23 de janeiro. As autoridades da China anunciaram a suspensão das viagens aéreas e ferroviárias a partir da cidade de Wuhan, centro do surto do coronavírus chinês, na passada quinta-feira (dia 22).

Duas entraram em Macau por via terrestre, pela fronteira da Flor de Lótus, provenientes de Zhuhai (cidade adjacente a Macau) e a terceira por via marítima, pelo terminal do Porto Exterior, proveniente de Hong Kong.

A Comissão Nacional de Saúde da China tinha anunciado esta manhã (madrugada em Lisboa) que o número de mortos causado pelo coronavírus aumentou para 56, tendo sido registados 1.975 casos da doença no país. A comissão acrescentou que 324 pacientes estão em estado considerado grave.

As autoridades chinesas alertaram que o país está no ponto “mais crítico” no que toca à prevenção e controlo do vírus. Pelo menos 13 cidades chinesas foram colocadas em quarentena.

Os sintomas associados à infeção causada pelo novo coronavírus (denominado provisoriamente 2019-nCoV) são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.

Além da China continental, foram confirmados três dezenas de casos de infeção em Macau, Hong Kong, Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, França, Austrália e Canadá.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde reportou o primeiro caso suspeito de infeção de um homem que regressou de Wuhan no sábado, e que foi internado no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, em situação estável.

O Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) considerou baixa a possibilidade de transmissão secundária no espaço da União Europeia, “desde que sejam cumpridas as práticas de prevenção e controlo de infeção relacionadas com um eventual caso importado”.

26 Jan 2020

Epidemia de Wuhan | Macau com cinco casos diagnosticados

[dropcap]A[/dropcap]s autoridades de saúde de Macau anunciaram hoje a existência de mais três pessoas infectadas com o coronavírus de Wuhan, elevando para cinco o número de casos no território.
Em comunicado, o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus indicou que os novos casos foram diagnosticados em três mulheres, de 58, 39 e 21 anos, residentes em Wuhan, capital da província central chinesa de Hubei, onde começou o surto da doença em dezembro passado. O estado clínico das três mulheres é “presentemente considerado normal”, acrescentou.
Uma das doentes chegou a Macau no dia 22 e as restantes duas em 23 de janeiro. As autoridades da China anunciaram a suspensão das viagens aéreas e ferroviárias a partir da cidade de Wuhan, centro do surto do coronavírus chinês, na passada quinta-feira (dia 22).
Duas entraram em Macau por via terrestre, pela fronteira da Flor de Lótus, provenientes de Zhuhai (cidade adjacente a Macau) e a terceira por via marítima, pelo terminal do Porto Exterior, proveniente de Hong Kong.
A Comissão Nacional de Saúde da China tinha anunciado esta manhã (madrugada em Lisboa) que o número de mortos causado pelo coronavírus aumentou para 56, tendo sido registados 1.975 casos da doença no país. A comissão acrescentou que 324 pacientes estão em estado considerado grave.
As autoridades chinesas alertaram que o país está no ponto “mais crítico” no que toca à prevenção e controlo do vírus. Pelo menos 13 cidades chinesas foram colocadas em quarentena.
Os sintomas associados à infeção causada pelo novo coronavírus (denominado provisoriamente 2019-nCoV) são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.
Além da China continental, foram confirmados três dezenas de casos de infeção em Macau, Hong Kong, Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, França, Austrália e Canadá.
Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde reportou o primeiro caso suspeito de infeção de um homem que regressou de Wuhan no sábado, e que foi internado no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, em situação estável.
O Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) considerou baixa a possibilidade de transmissão secundária no espaço da União Europeia, “desde que sejam cumpridas as práticas de prevenção e controlo de infeção relacionadas com um eventual caso importado”.

26 Jan 2020

Lista de farmácias com máscaras para o Ano Novo Chinês

[dropcap]O[/dropcap] Governo criou um sistema alternativo de abastecimento de máscaras. Cada residente e TNR pode comprar 10 por cada 10 dias, com a apresentação do BIR e Blue Card. A lista de farmácias abertas durante os dias do Ano Novo Chinês é a seguinte:

 

1 – POPULAR (FONTE) – Largo do Senado n.º16-A, r/c e 1º Andar e Travessa da Misericórdia n.º3, r/c

Horário: 25/01-26/01 11:00~19:00

2 – NOVA CIDADE -Avenida de Artur Tamagnini Barbosa, Centro Comercial Jardim Nova Cidade, r/c, Loja IM1

Horário: 26/01-27/01 11:00~19:00

3 – FERNANDES – Rua Seis do Bairro Iao Hon, n.º 65, Edifício Kat Cheong, Bloco I, r/c

Horário: 26/01-27/01 11:00~19:00

4 – POPULAR (NAM SAN) – Estrada Governador Albano de Oliveira, Nam San, Bloco III n.ºs.300, 306, 308B e 308C, Lojas R, S, T e U, ambos r/c

Horário: 25/01-27/01 11:00~19:00

5 – POPULAR (BRILHANTISMO) – Rua Cidade de Coimbra n.º474,“J”e n.º478,“K”, Jardim Brilhantismo, ambos r/c com 1.ºandar

Horário: 25/01-27/01 10:00~18:00

6 – POPULAR (PORTAS DO CERCO) – Rua da Serenidade n.º120, Nam Fai (Bloco 1, Bloco 2),“X”, r/c com Sobreloja

Horário: 25/01 – 27/01 10:00~18:00

7 – WAN TUNG (PRIMEIRO SUCURSAL) – Istmo de Ferreira do Amaral n.º92, Choi Hong Un (Bloco I, II), r/c “I”e“PP”

Horário: 25/01-27/01 12:00-23:00

24 Jan 2020