Ciclismo | Em dois anos de carreira, Ivy Au soma quatro medalhas

Aos 18 anos, Ivy Au Hoi In é a principal estrela do ciclismo de Macau. Apesar de apenas integrar os treinos da selecção de Macau desde Novembro de 2016, soma quatro medalhas em dois anos. Além disso participou com outras ciclistas juniores nos mundiais de estrada da modalidade… um desafio que esteve longe de ser fácil

No fim-de-semana passado, nos Campeonatos Asiáticos de Ciclismo de Pista, alcançaste a tua primeira medalha de prata. Qual foi a sensação?
Fiquei feliz, foi a primeira medalha na modalidade de corridas por pontos. Estou a exigir cada vez mais de mim e a traçar metas mais ambiciosas. Actualmente sempre que participo numa prova, tenho de ficar entre as três primeiras… ou não fico satisfeita. E isso também aconteceu neste fim-de-semana…

Estavas à espera de outro resultado na prova de perseguição?
Exacto. Fiquei apenas em quarto lugar e senti que poderia fazer mais. Fiquei algo desiludida, acho que não correspondi às expectativas de quem da equipa. Mesmo na prova de pontos acho que poderia ter ganho o outro, mas pronto são erros que acontecem. É melhor que aconteçam nesta fase em que posso aprender e corrigi-los.

Este ano participaste nos mundiais de estrada, na Áustria, na categoria para corredoras juniores. Foste a primeira a desisitir. Foi duro?
Foi… a maior parte das outras atletas são profissionais e estou a uma distância considerável do ritmo delas. Infelizmente ainda não tenho o tempo todo para me dedicar à competição. Primeiro tenho de acabar o secundário.

Vais regressar aos mundiais para o ano?
Acho que não. A experiência foi importante e permitiu-me comparar o meu nível com as melhores do mundo. Mas é preferível concentrar-me nas competições asiáticas e alcançar o topo. Depois talvez pense nos mundiais… Honestamente, nesta fase ainda não sou competitiva face às corredoras europeias.

Macau não tem grande tradição no ciclismo, porque optaste por esta modalidade?
Gosto de ciclismo e vejo a modalidade como uma forma de me afirmar como alguém singular. Se não fosse o ciclismo, acho que me sentiria apenas como mais uma aluna. Assim, sou um bocado diferente, não me limito a seguir o que os outros fazem, também faço algo que é mais meu.

Mas podias encarar o ciclismo como um passatempo e não é esse o caso…
Para mim ter sucesso na vida não passa por terminar os estudos e encontrar um emprego estável. Sucesso é fazer aquilo que gosto. Agora, quero apostar no ciclismo. Sei que mais cedo ou mais tarde vou retirar-me, mas pelo menos apostei no que gosto e no futuro não vou ficar a pensar: ‘e se…’

Onde treinas em Macau? E com que regularidade?
Numa semana normal, treino cinco vezes durante os dias da semana. Em Macau os treinos são principalmente em Coloane. Depois nos fins-de-semana, vou treinar para Hong Kong.

Há bocado, falaste nos estudos, ambicionas ir para a universidade?
Sim, mas primeiro quero focar-me numa carreira no ciclismo. Vou dar prioridade ao que gosto, depois se não tiver o sucesso que procuro, completo os estudos universitários.


Perfil Ivy Au Hoi In

18 Anos

Medalhas

  • Bronze – Fev 2017; Ronda do Campeonato Asiático de Ciclismo de Pista, Índia, prova Scratch
  • Bronze – Jul 2017; Ronda do Campeonato Asiático de Ciclismo de Pista, Japão, prova Scratch
  • Bronze – Fev 2018; Ronda do Campeonato Asiático de Ciclismo de Pista, Malásia, prova Scratch
  • Prata – Jul 2018; Ronda do Campeonato Asiático de Ciclismo de Pista, Tailândia, prova por pontos
11 Out 2018

Macron anuncia que a Volta a França partirá de Copenhaga “num dos próximos anos”

O presidente francês, Emanuel Macron, anunciou ontem, durante uma visita de Estado à Dinamarca, que a cidade de Copenhaga vai ser palco da partida da Volta à França em bicicleta “num dos próximos anos”.

A capital dinamarquesa é candidata a acolher a partida da mais prestigiada competição velocipédica do mundo em 2020 ou 2021.

Hoje de manhã, Emanuel Macron aproveitou para “furar” o programa oficial e dar um passeio de bicicleta pela cidade de Copenhaga, juntamente com o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen.

Macron, que levou na comitiva oficial o diretor do Tour, Christian Prudhome, ofereceu a Rasmussen uma camisola autografada pelo britânico Geraint Thomas (Sky), vencedor da última edição do Tour.

29 Ago 2018