Halftone | Exposição de fotografia foca-se na matriz portuguesa

“A presença da matriz portuguesa em Macau, nas imagens entre tempos” é o nome da exposição de fotografia da responsabilidade da associação Halftone inaugurada este sábado. A mostra, integrada no cartaz das comemorações oficiais do 10 de Junho – Dia de Portugal, Camões e Comunidades Portuguesas, mostra imagens de 12 artistas e fotógrafos, revelando a presença lusa no território

 

É inaugurada este sábado, às 17h, na residência oficial consular, no edifício Bela Vista, mais uma iniciativa cultural desenvolvida pela comunidade portuguesa para celebrar o 10 de Junho – Dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas, cujo feriado se celebra esta segunda-feira em Portugal.

Trata-se da mostra “A presença da matriz portuguesa em Macau, nas imagens entre tempos” e conta com imagens da autoria de 12 pessoas que integram a associação Halftone, com mais ou menos experiência na fotografia. A mostra, que pode ser visitada gratuitamente até ao dia 30 de Junho, na galeria da residência consular, visa “aprofundar o conhecimento do contributo secular da Matriz Portuguesa na RAEM”, descreve-se num comunicado.

Com esta exposição colocam-se questões sobre a presença portuguesa e macaense há vários séculos. “Sob o prisma do olhar da fotografia enquanto prática de arquivo diacrítico, subordinado ao tema da memória e identidade, faz sentido olhar a cidade hoje e reflectir sobre os seus traços identitários de Matriz Portuguesa? Quais os marcos históricos e patrimoniais, os registos culturais e persistências humanas nela existentes?”

As imagens pretendem ainda responder à forma como “as diversas comunidades têm olhado para a presença do ‘outro’ neste território em constante transição e transformação” e que marcas são essas, “físicas ou imagéticas, entendidas por outras comunidades”. Será que “essas marcas também parte integrante da sua memória coletiva e individual, ou apresentam-se como extemporâneas?”.

Mudanças constantes

Criada em 2021, a associação de fotografia Halftone pretende mostrar o trabalho dos que adoram estar atrás da lente a capturar traços, vivências e cenários de Macau ou de outros locais, mostrando o trabalho de profissionais e amadores das várias comunidades.

Esta é mais uma iniciativa da associação que traz outro olhar de Macau como um lugar que “historicamente é um território em transição”. “Na sua cartografia constrói lugares novos, desdobra-se, aprofunda, concentra novas camadas de memórias colectivas no mapa da cidade. Estas ‘imagens entre tempos’ revelam-se na afirmação da identidade do exercício da memória individual de cada um de nós”, descreve a associação.

Revela-se uma “memória colectiva” que todos vivenciam, mesmo “de forma subjectiva, através do exercício da “pós-memória”, bem como “as memórias e registos visuais que outros nos convocam”. Macau é, assim, “o dragão aparentemente tranquilo, mas sempre acordado”, destaca a organização.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários