Consultas de MTC registam aumento de 8,3 por cento

A procura por consultas de medicina tradicional chinesa (MTC) na área das consultas externas nos hospitais tem vindo a registar uma crescente procura. Segundo dados da Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), as consultas externas de MTC foram, em 2023, 242 mil, mais 8,3 por cento em relação a 2022, representando 12,4 por cento de todas as consultas nesta vertente.

Em termos gerais, os hospitais atenderam, em consulta externa, 1.957.000 indivíduos no ano passado, mais 1,3 por cento face a 2022. Também as consultas externas na especialidade de medicina interna registaram um aumento de 4,3 por cento face a 2022, tendo sido atendidos nos hospitais 225 mil utentes. Nas urgências foram atendidos 461.000 indivíduos, mais 23,6 por cento em termos anuais.

No ano passado Macau tinha 1.980 médicos inscritos, mais 15 em termos anuais, e 728 médicos e mestres de MTC, mais quatro. O maior aumento regista-se na área da enfermagem, com um total de 2.980 profissionais inscritos, mais 117 em termos anuais.

Em termos do rácio de médico por habitante não houve grandes alterações, mantendo-se uma média de 2,9 médicos por mil habitantes e de 1,1 médico de MTC por cada mil pessoas. Por sua vez, de 2022 para 2023 registou-se um aumento ligeiro de 0,1 por cento no rácio de enfermeiro por habitante, existindo actualmente uma média de 4,4 enfermeiros por cada mil habitantes.

Procura pelo privado

Tendo em conta que Macau dispõe agora da quinta unidade hospitalar, com a inauguração do hospital das ilhas, existiam, em 2023 um total de 1.882 camas para internamento, mais 161 em termos anuais, devido à área de internamento instalada no Edifício de Especialidade de Saúde Pública em Outubro. Por seu turno, havia 732 estabelecimentos de cuidados de saúde primários, como centros de saúde e consultórios particulares, um aumento de apenas duas unidades.

Nos centros de saúde ou consultórios privados foram atendidos 3.790.000 indivíduos, mais 20,9 por cento em termos anuais, sendo que 2.917.000, mais 22,9 por cento, foi atendida nos consultórios particulares, representando 77 por cento do total, o que demonstra bem a procura da população pelos serviços privados de saúde.

Os dados estatísticos mostram ainda que as dádivas de sangue “têm vindo a aumentar anualmente” pois, no ano passado, foram de 18.468, mais 1,4 por cento em termos anuais e 19,6 por cento face a 2019. O número de dadores de sangue do grupo etário dos 25 aos 34 anos, que constituem 31 por cento do total, foi o mais elevado. Além destes, 3.007 indivíduos doaram sangue pela primeira vez, registando-se um crescimento ligeiro de 0,2 por cento em termos anuais.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários