Perdidos e achados

« Aquilo que é já existiu, e aquilo que há-de ser já
antes foi; Deus vai à procura daquilo que não se encontrou»
Eclesiastes-9-15

 

Um movimento perfeito é aquele que não desiste de procurar e com a busca transforma a forma ida na forma tida, mais além, ainda transformada. Nem a vida é circular, nem a Terra plana ou redonda, nem o tempo dado uma circunferência para o estertor do fim: a elíptica nos suporta com delicadeza quando o cansaço da roda nos afadiga, é isso de que Deus vai à procura, daquilo que não se encontrou.

Podemos contornar todas as fórmulas do processo, tentar pedir pela sua continuidade, mas de nada serve se com tal ensejo apenas se reproduzam as coisas conhecidas. Há uma qualquer outra, fora da tribuna, que é passível de uma atenção desmesurada, de um amor louco, de uma inteligência pura, de uma inocência não contemplada… isso, é o procurado na igualdade de quem busca.

Este é Jesus, Jesus Ben Sira. E se toda a casa de David pareceu amaldiçoada, quem achou no vindouro a fina e delicada mudança, não poderá subtrair este apenas a um parente mestre. O que procuravam na grande luz dos céus nocturnos, os magos, e os filhos das tribos que já não vemos, é matéria de puro encantamento, mas serve ela para demonstrar que padecemos da ausência de um “cordão de prata” unido a um Altíssimo que por nós fez interceptar os que não foram encontrados: nem no Livro da Vida, nem na própria Vida, nem no vasto Cosmos onde por deleite ainda estendemos o olhar procurando o significado de todo esse desconhecido.

Soçobrámos!- É certo que renovados. Mas renovados de quê?

Por uma contorção fora da averiguada tendência da análise podemos estar perto de uma mudança que as células desesperadas por continua actividade cega, não se dão conta. É embrionário o nosso “mundialismo” muito galvanizado pela palavra que já pouco diz.

O dizer daquilo que nos globaliza fere a procura dos signos por encontrar, e nem aqui paramos mais depressa que as feras maternais nas suas maravilhosas matanças para os filhos pequenos.- Qualquer deslealdade para com todos pode subjugar agora o mundo inteiro! Ampliado o espectro da consciência nenhum de nós pode retroceder e parar a marcha para aquilo que ainda não se encontrou. Bem- digamos os avanços, e sejamos rectos para enumerar as nossas faltas.

Este Jesus é o mesmo que também nos dissera que havia um tempo para tudo numa vida conseguida. «Tudo tem o seu tempo», mas nele também acrescentar que não haverá mais tempo para o ódio. O que será o ódio? Um desajuste que se encontrou e não fez sentido.

Mas para tudo isto, também as formas de sentir e viver estão agora obsoletas. Nós vamos andando, procurando, e pouco desviando a vida breve para terrenos intransponíveis. Nós somos monstros. Monstros sem capacidade para nos tornarmos coisas novas, grandes, não encontradas. Encontramo-nos monstruosamente uns nos outros como gentis bestas de uma era acabada. Achámos o nosso poder, o nosso dever, o nosso transbordar, mas mais nada nos quer encontrar. Isso é o nosso processo -hiato- mais lendário.

Quando Pessoa ousou afirmar que «deus é um deus de um deus maior» apenas quis dizer «porque o que está alto tem acima de si outro mais alto, e sobre ambos há ainda um outro mais elevado». Foi encontrada alguma coisa que ninguém entendeu, é que Deus, vai à procura dos poetas.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários