Seis propostas para o próximo milénio

Estávamos em 1984 quando Italo Calvino reuniu um conjunto de textos ensaísticos para um ciclo de conferências na Universidade de Harvard. Seis lições, um conjunto a que procurou ser coeso, metódico e analítico face ao futuro da literatura e do livro, da criação literária, dos seus propósitos e formas, bem como ao subtil articular destas componentes. Disserta sobre o objecto-livro, das línguas ao longo do século vinte e das suas vertentes imaginativas que deram origem a formas cognitivas fazendo da linguagem uma pura plasticidade criativa. Se para tanto pensarmos que o século vinte foi o da propagação do livro, e que para trás a faixa reduzida da sua utilização foi uma constante, e que no postulado da tecnologia ele se recolhe cada vez mais, digamos que a sua existência como grande expressão tem neste século o máximo significado. Nas línguas Ocidentais, ele não só é soberano, como vai dar origem a infindáveis formas de leitura como elemento puro de práticas combinatórias.

Leveza, Rapidez, Exactidão, Visibilidade, Multiplicidade, na verdade cinco, estando na dissertação a sexta, que é do autor a sua própria voz, talvez o Peso, em contraste com a primeira com que abre a sessão. Ao agrupar estes fundamentos ele dá corpo a uma constância onde nada deve por isso ficar de fora, e joga-as na fluidez que requer certamente o exercício de uma vida inteira. Nem sempre estas prerrogativas vistas do lado de quem não se associa à vertente imaginária e treino constante saem em simultâneo, ou saindo uma, pode não ter o suporte da outra, daí a linguagem ser de facto o mais agreste elemento face ao entendimento quando as suas componentes não se encontram devidamente filtradas, sobretudo, quando se trata de linguagem tangível, na outra, bem formulada pelos elementos indicados, os campos abrem-se de forma clara e quase sempre iluminam. É com tais recursos que a intertextualidade foi uma prática ao longo do século vinte, ampliando o texto literário até às malhas da quase composição de signos gráficos alinhados numa complexa rede de significados, ele transmite-nos isto sem retórica de permeio e uma incrível visão temática.

Fala da poesia como uma tensão para a exactidão a partir de Paul Valéry, e ela só tem paralelo com o grau de maravilha alcançado na Leveza que atravessa a manifestação, e já nela, olhar de maneira nova de um outro ponto de vista pode ser uma sua marca, e não uma dissolvência onírica para fugas presenciais. Para a Visibilidade, invoca uma tendência perdida: o poder de focar visões de olhos fechados, passando a lembrar os caracteres alfabéticos negros da página, o que faz lembrar um belo poema árabe que diz assim “minha pupila só resgata o que da página está cativo, o branco na margem certa e da palavra o negro vivo” o amor pelo desenho gráfico está bem patente nesta forma de olhar os caracteres, o que inspira e atrai. Rapidez é também neste caso uma alegórica associação entre Vulcano e Mercúrio, onde a paciência mineral indicará a inspirada força para o impulso imediato num reflexo de ajustamento de ambas, amadurecer e libertar da contingência efémera o reflexo sombrio da impaciência e da angústia da página em branco.

Na Multiplicidade, há no entanto que defendê-la da arbitrariedade, o puzzle do nosso enredo interior não deve ser labiríntico e dever-se-á conectar com as imensas ressonâncias dos fluídos captados por esferas associativas que façam da estranheza do pensamento a divulgação de um acréscimo do ritmo construtivo, um teste com os recursos ao nosso dispor no treino inventivo que se sedimenta ao longo de um processo que trará uma liberdade maior e uma harmonia constante. Este trabalho foi o último de Italo Calvino que viria a morrer um ano depois, o que denota um apuramento quase no fim arremessando o essencial e pondo a funcionar elementos que se juntaram para coroar uma vida, e quando pensamos nisso, queremos atrasar o nosso próprio reservatório de capacidades não vão elas soltarem-se ficando nós a sentir que esta maravilha esconde a breve finitude dos nossos dias. Muitas vezes acontece isso, e se a vida continua para lá de um ajustamento destes, parece então que as funções caem ou tendem a repetir-se retirando-lhes o vigor, o que não raro acontece quando não se dá conta de uma certa decadência. Foi para ele uma fixação que levou tempo a elaborar, este trabalho, já atento aos sinais futuros e ao grau de dissolvência do contributo do objecto-livro como fonte de propagação de leitura. Creio que todas as etapas nos satisfazem pelo brilhantismo demonstrado e capacidade de recorrer a formas inovadoras. O milénio chegou, e indo até aqui num passado recente, conseguimos ler melhor a etapa seguinte de um livro sempre inacabado que é a criação humana e a sua flutuação nos tempos que nos impelem a recriar sempre fórmulas de entendimento, e mais, conhecimento acrescido das nossas potencialidades, onde só as distâncias dão o espaço necessário para abordagens mais vastas.

“…. talvez só então eu estivesse a descobrir o peso, a inércia, a opacidade do mundo: aspectos que se agarram logo à escrita se não descobrirmos a maneira de lhes fugir”

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários